Banheiros públicos como espaços de regulação cotidiana dos gêneros: entrevistas com mulheres lésbicas

  • Josefina Raquel Cicconetti Universidade de São Paulo
  • Valéria Barbosa de Magalhães Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Lésbicas masculinas; Banheiros públicos; Gêneros; Performatividade. História Oral temática.

Resumo

O artigo discute a categoria lésbica “masculinizada”. Aborda-se a “masculinidade feminina”, mostrando que, em termos heteronormativos, ela é empregada para policiar e regular as masculinidades sem homens (como ocorre com a masculinidade das mulheres). A reflexão é feita a partir em narrativas orais de mulheres lésbicas identificadas como “masculinas” sobre sua experiência em banheiros públicos femininos. Busca-se entender como são suas vivências em relação à orientação sexual, expressão de gênero, performatividade e passabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josefina Raquel Cicconetti, Universidade de São Paulo

Mestre em Filosofia/USP. Bacharel e licenciada em Recursos Humanos/UNNE Argentina. Pesquisadora do GEPHOM/USP

Valéria Barbosa de Magalhães, Universidade de São Paulo

Professora da EACH/USP. Orientadora na Pós-Graduação em Estudos Culturais/USP. Doutora em História Social. Coordenadora do GEPHOM/USP.

Publicado
2020-04-23
Como Citar
Cicconetti, J., & Magalhães, V. (2020). Banheiros públicos como espaços de regulação cotidiana dos gêneros: entrevistas com mulheres lésbicas. Cadernos CERU, 30(2), 102-123. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/ceru/article/view/169033