A Universidade contemporânea entre dois conservadorismos

Autores

  • Sylvia Gemignani Garcia Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humana.Departamento de Sociologia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v31i1p35-44

Palavras-chave:

Reforma organizacional da universidade., Sistemas de dominação. Capitalismo conexionista

Resumo

Este texto é a versão escrita de minha contribuição à mesa redonda intitulada “A educação no Brasil hoje”, realizada no 46º Encontro Nacional de Estudos Rurais e Urbanos do CERU, em homenagem ao centenário de Maria Isaura Pereira de Queiróz, ocorrido em junho de 2019. Ele articula certas análises de cunho sociológico para delinear o cenário político e cultural contemporâneo, no qual se enfrentam e cooperam entre si o conservadorismo progressista liberal, que há décadas promove a reforma organizacional da universidade, e o novo conservadorismo retrógrado da nova direita, com seus ataques à educação laica, ao pensamento crítico e à ciência. Detalhando alguns paradoxos da administração gestionária da produção e reprodução do conhecimento na universidade contemporânea, a reflexão relaciona as exigências de desempenho da visão conexionista dominante ao aumento do sofrimento mental entre estudantes universitários. Constrói-se, assim, uma leitura dos dois sistemas de dominação que se combinam na atualidade, ameaçando a continuidade histórica das instituições educacionais modernas e criando fortes obstáculos às perspectivas emancipatórias contra as quais se formaram.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sylvia Gemignani Garcia, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humana.Departamento de Sociologia

Professora do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP

Referências

ALEXANDER, Jeffrey. Vociferando contra o Iluminismo: a ideologia de Steve Bannon.

Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, v. 8.3, p. 1009-23, set./dez. 2018.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

BEN-DAVID, Joseph; ZLOCZOWER, Awraham. Universities and academic systems in

modern society. European Journal of Sociology, v. 3, p. 45-84, 1962.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Eve. O novo espírito do capitalismo. Trad. Ivone C.

Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BOLTANSKI, Luc. Sociologia da crítica, instituições e o novo modo de dominação gestionária.

Trad. Philippe Dietman. Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, v. 3-6, p. 441-63, nov.

BOURDIEU, Pierre; BOLTANSKI, Luc. La producción de la ideología dominante. Trad.

Heber Cardoso. Buenos Aires: Nueva Vision, 2009.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução. Elementos para uma teoria do

sistema de ensino. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

BOURDIEU, Pierre. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In:

NOGUEIRA, M. Alice; CATANI, Afranio M.(Eds.). Escritos de educação. Petrópolis, RJ:

Vozes, 1998. p. 39-64.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência. Trad. Denice B. Catani. São Paulo: Unesp,

BOURDIEU, Pierre. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

CARLOTTO, Maria C.; GARCIA, Sylvia G. Novos saberes, novas hierarquias. Disputas

contemporâneas em torno da profissão acadêmica. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 33, n. 96, 2018.

COHEN, Michael D. et alii. A garbage can model of organizational choice. Administrative

Science Quarterly, v. 17, n. 1, p. 1-25, 1972.

GARCIA, Sylvia G.; CARLOTTO, Maria C. Institutional specificity and organizational

change: A case of university social engagement in Brazil. In: PINHEIRO, R.; BENNEWORTH,

P.; JONES, G. (Eds.).

Universities and regional development: a critical assessment of tensions and contradictions

. London & New York: Routledge, Taylor and Francis, 2012. p. 124-40.

GARCIA, Sylvia G.; CARLOTTO, Maria C. Tensões e contradições do conceito de

organização aplicadoà universidade: o caso da criação da USP-Leste. Avaliação, v. 18, p. 657-684, 2013.

GIBBONS, Michael et alii. The new production of knowledge. London: Sage, 1999.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Trad. Enio Paulo Giachini. Petrópolis: Vozes, 2017.

KANT, Immanuel. O conflito das faculdades. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1993.

KRÜCKEN,Georg; Meier, Frank. Turning the university into an organizational actor. In:

DRORI, Gili S. et alii. (Eds.). Globalization and organization. Oxford: Oxford University

Press, 2006. p. 241-257.

MUSSELIN,Christine. Are universities specific organizations? In: KRÜCKEN, Georg et alii.

(Eds.). Towards a multiversity? Universities between global trends and national traditions.

Bielefeld: Transcript Verlag, 2006. p. 63-84.

POWELL,Walter W.; DiMaggio, Paul J. (Eds.). The new institutionalism in organizational

analysis. Chicago: The University of Chicago Press, 1991.

RANCIÈRE, Jacques. O ódio à democracia. São Paulo: Boitempo, 2014.

SILVA, Franklin Leopoldo e. A experiência universitária entre dois liberalismos.

Tempo Social,São Paulo, v. 11, n. 1, p. 1-47, 1999.

Downloads

Publicado

2020-09-03

Como Citar

Garcia, S. G. (2020). A Universidade contemporânea entre dois conservadorismos. Cadernos CERU, 31(1), 35-44. https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v31i1p35-44