Metodologia de pesquisa no sistema prisional e as contribuições de fora e de dentro das grades: a pesquisa tradicional e a cartografia do sujeito interno-pesquisador

Autores

  • André Yan César Silvério Universidade Federal do ABC
  • Camila Caldeira Nunes Dias Universidade Federal do ABC

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v32i1p232-252

Palavras-chave:

Prisão, Metodologia, Subjetividade, Autoetnografia, Cartografia

Resumo

O presente trabalho coloca em perspectiva as metodologias utilizadas na pesquisa em instituições prisionais a partir de duas posições relacionais: a posição externa, que se estabelece a partir de uma separação entre o pesquisador e a prisão, demarcada pelo processo de entradas e saídas no território do trabalho de campo, e a posição interna, que se estabelece por meio da experiência e da vivência involuntária do sujeito na instituição prisional. Apresentamos as respectivas estratégias de pesquisa, os desafios e dificuldades enfrentadas, e as possibilidades de ação no contexto de cada uma destas perspectivas a fim de propiciar uma reflexão metodológica sobre a realização de pesquisas em instituições prisionais. Devido à menor produção acadêmica relativa especificamente à posição interna aqui proposta, desenvolvemos estas possibilidades investigativas com maior escopo neste texto, procurando para tanto articular ferramentas e estratégias da autoetnografia e da cartografia. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Yan César Silvério, Universidade Federal do ABC

Metrando em Ciências Humanas e Sociais pela UFABC – Universidade Federal do ABC. Psicólogo e Bacharel em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista (Unesp-Assis). Integrante do Grupo de Pesquisa em Segurança, Violência e Justiça (SEVIJU) da UFABC.

Camila Caldeira Nunes Dias, Universidade Federal do ABC

Doutora e Mestre em Sociologia pela USP – Universidade de São Paulo; Professora Adjunta da UFABC – Universidade Federal do ABC. Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Segurança, Violência e Justiça (SEVIJU) da UFABC. Pesquisadora colaboradora do Núcleo de Estudos da Violência (NEV) da Universidade de São Paulo. 

Referências

ADORNO, S. Gestão urbana do medo e da insegurança: violência, crime e justiça penal na sociedade contemporânea. São Paulo, tese de livre-docência, FFLCH-USP, 1996.

ADORNO, S. Sistema penitenciário no Brasil. Revista USP, São Paulo, n. 9-1, 1991, p. 65-78.

ADORNO, S. A prisão sob a ótica de seus protagonistas: Itinerário de uma pesquisa. Tempo Social, São Paulo, v. 3, n. 1-2, 1991a, p. 7-40.

ADORNO, S.; BORDINI. E. Socialização na delinquência: Reincidentes penitenciários em São Paulo.Cadernos Ceru, São Paulo, série 2, n. 3, 1991, p. 113-47.

ADORNO, S.; DIAS, C. Fronteiras em mutação: um novo paradigma na sociologia das prisões?. In: Del Priore, M.; Müller, A. (Orgs.). História dos crimes e da violência no Brasil. 1ª ed. São Paulo: Editora UNESP, p. 433-459, 2017.

ADORNO, S.; SALLA, F. Criminalidade organizada nas prisões e os ataques do PCC. Estudos Avançados, São Paulo, v. 21, n. 61, set./out. 2007, p. 7-29.

ANISTIA INTERNACIONAL. Informe 2020/21 –O Estado dos Direitos Humanos no Mundo. Disponível em <https://anistia.org.br/informe-anual/informe-anual-2020-o-estado-dos-direitos-humanos-no-mundo/>. Acesso em: 29 maio 2021.

BRASIL. Ministério da Justiça. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias Infopen. 2019.

BRASIL. Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984. Lei de Execução Penal. Disponível em: . Acesso em: 30 dez. 2020.

BRILHANTE, A. M.; MOREIRA, C. Formas, fôrmas e fragmentos: uma exploração performática e autoetnográfica das lacunas, quebras e rachaduras na produção de conhecimento acadêmico. Interface (Botucatu), v. 20, p. 1099-1113, 2016.

BRITO, J. S. Relações de poder e representações acerca do trabalho da mulher presa. Dissertação (mestrado) –Curso de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal do ABC, 2017.

CASTRO, M. P.. Ciranda do medo: Controle e dominação no cotidiano da prisão. Revista USP, n. 9-1, p. 57-64, 1991.

CLEMMER, Donald. The prison community. Nova York: Rinehart & Company, 1958.

COELHO, E. C. Oficina do Diabo e Outros Escritos Prisionais. Rio de Janeiro: Record, 2005.

CONSTANTINO, P; ASSIS, S. G.; PINTO, L. We. O impacto da prisão na saúde mental dos presos do estado do Rio de Janeiro. Ciência & saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 7, p. 2089-2100, 2016.

DAVIS, Angela. Uma autobiografia. Trad. de Hecci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2019.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 4. São Paulo: Ed. 34, [1980]2008.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, [1972]2010.

DIAS, C. N.. “Por dentro (e de dentro) do Comando: O PCC segundo o ‘nativo’. Resenha de Junto e Misturado: uma etnografia do PCC, de Karina Biondi”. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, Rio de Janeiro, n.8, v.3, abr-jun, p. 159-172, 2010.

DIAS, C. N. A igreja como refúgio e a Bíblia como esconderijo: religião e violência na prisão. São Paulo: Humanitas, 2008a.

DIAS, C. N. A sujeição pela disciplina: Religião e castigo na prisão. Revista Brasileira de Ciências Criminais, São Paulo, ano 16, n.73, jul.-ago, p. 268-98, 2008b.

DIAS, C. N. Estado e PCC tecendo as tramas do poder arbitrário nas prisões. Tempo Social (USP. Impresso), v. 23, p. 213-233, 2011.

DIAS, C. N.; SILVESTRE, G. Situação carcerária no estado de São Paulo. In: SOUZA, Luís Antônio Francisco de (Org). Políticas de segurança pública no estado de São Paulo. São Paulo: Cultura Acadêmica/Editora Unesp, p. 91-105, 2009.

DIAS, C. N.; SALLA, F. Formal and informal controls and punishment: the production of order in the prisons of Sao Paulo. Prison Service Journal, v.229, p.19-22 , 2017.

ESPINOZA, B. Ética.Belo Horizonte: Autêntica Editora, [1677]2009.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, [1975]2007.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GODOI, Rafael. Ao redor e através da prisão: Cartografias do dispositivo carcerário contemporâneo. Dissertação de Mestrado em Sociologia. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2010.

GODOI, Rafael. A prisão fora e acima da lei. Tempo Social, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 141-160, Dec. 2019.

GOFFMAN, E. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 1987.

GONÇALVES, R.C., LISBOA, T.K. Sobre o método da história oral em sua modalidade trajetórias de vida. Katálysis, vol.10, Florianópolis, 2007

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Rio de Janeiro: Vozes, 1986.

HALLEY, A. Autobiografia de Malcolm X. Trad. de A. B. Pinheiro de Lemos. Rio de Janeiro: Record, 1965.

HRW -HUMAN RIGHTS WATCH. Brazil Watch Report (2020). Disponível em <https://www.hrw.org/pt/world-report/2020/country-chapters/336671>. Acesso em: 29 mai. 2021.

KASTRUP, V. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade.Porto Alegre: Sulina, p.15, 2009.

LEMOS, F. C. S; CARDOSO JR., H. R. A Genealogia em Foucault: uma trajetória. Revista Psicologia & Sociedade, vol. 21, 2009, p. 353-357.

MARQUES, G. da S.; GIONGO, C.R.; RUCKERT, C. Saúde mental de agentes penitenciários no Brasil: uma revisão sistemática da literatura. DIÁLOGO, Canoas, n. 38, p. 89-98, ago. 2018.

MISSE, M. Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria “bandido”. São Paulo: Revista Lua Nova, 2010.

MISSE, M. Crime e violência no Brasil contemporâneo: estudos de sociologia do crime e da violência urbana. Rio de Janeiro, Lúmen Júris, 2006.

NEV – Núcleo de Estudos da Violência. Relatório de Direitos Humanos (2020) – A Incompletude da Democracia no Brasil e o Retrocesso dos Direitos Humanos. Disponível em: <https://nev.prp.usp.br/wp-content/uploads/2021/02/texto_rdh_psp.pdf>. Acesso em: 29 mai. 2021.

PASSOS, E.; BENEVIDES DE BARROS, R. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, p. 17-31, 2009.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

RAMALHO, José Ricardo. O mundo do crime: A ordem pelo avesso. São Paulo, Ibccrim, [1976] 2002.

ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade, 1989.

SANTOS, S. M. A. O método da autoetnografia na pesquisa sociológica: atores, perspectivas e desafios. Plural, v.24, p.214-241, 2017.

SINHORETTO, Jacqueline. Mapa do encarceramento: os jovens do Brasil. Secretaria Nacional da Juventude/Secretaria Geral da Presidência da República, 2015.

SYKES, Gresham M. The society of captives: A study of a maximum security prison. Princeton: Princeton University Press, 1974.

THOMPSON, Augusto. A questão penitenciária. Rio de Janeiro: Forense, [1976] 2002.

Downloads

Publicado

2021-08-07

Como Citar

Silvério, A. Y. C. ., & Dias, C. C. N. . (2021). Metodologia de pesquisa no sistema prisional e as contribuições de fora e de dentro das grades: a pesquisa tradicional e a cartografia do sujeito interno-pesquisador. Cadernos CERU, 32(1), 232-252. https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v32i1p232-252