Levantados do chão, portadores de utopias: migração como processo social multidimensional

Autores

  • José Carlos A. Pereira Centro de Estudos Migratórios

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v32i2p14-32

Palavras-chave:

Migração, Política, Organizações de migrantes

Resumo

O presente artigo pretende sumarizar algumas questões práticas, teóricas e metodológicas que expressam o caráter de processo social multidimensional da migração. Tais questões dizem respeito ao vínculo entre migração, colonização e trabalho; os arranjos políticos e econômicos entre países e migrantes que forjam novas rotas e fluxos migratórios, deslocando o tradicional eixo da migração Sul – Norte para novas perspectivas migratórias como a Sul – Sul; a capacidade de respostas dos migrantes e suas associações frente a negação de direitos e a precariedade de serviços públicos que poderiam viabilizar o seu acolhimento e dignidade. Sem a pretensão de esgotar as questões sumarizadas, o texto aponta para a possibilidade, duplamente utópica e concreta, dos migrantes e suas organizações como portadores de intercâmbios socioculturais e democráticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Carlos A. Pereira, Centro de Estudos Migratórios

Pesquisador do CEM – Centro de Estudos Migratórios, Missão Paz, São Paulo.

Referências

ACNUR –Alto Comissariado das Nações Unidaspara os Refugiados. 5 dados sobre refugiados que você precisa conhecer. Genebra, 2019. Disponível em: <https://www.acnur.org/portugues/2019/04/09/5-dados-sobre-refugiados-que-voce-precisa-conhecer/>. Acesso em:18 out.2021.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

ANTUNES, R. (Org.) Riqueza emiséria do trabalho no Brasil III. São Paulo: Boitempo, 2014.

BAENINGERet al. (Orgs.). Migrações Sul-Sul. 2. ed. Campinas-SP: Núcleo de Estudos da Populaçao Elza Berquó –Nepo/Unicamp, 2018.

BRASIL.Ministério da Justiça e Segurança Pública. Lei 13.445, de 24 de maio de 2017. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13445.htm>. Acesso em:15 set.2021.

BÍBLIA. N.T. Salmos. In: BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada: contento o antigo e o novo testamento. Edição Pastoral. Trad. de Ivo Stornilo,Euclides Martins Balancin. São Paulo: Paulus, 1990. p.637-792.

BÍBLIA. N. T. Lucas. In: BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada: contendo o antigo e o novo testamento. Trad. de Ivo Stornilo,Euclides Martins Balancin. São Paulo: Paulus, 1990. p.1248-1289.

BOSI, A. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BURKE, P. Perdas e ganhos: exilados e expatriados na história do conhecimento na Europa e nas Américas, 1500-2000. São Paulo: Unesp, 2017.

DURHAM, E. A caminho da cidade: a vida rural e a migração para São Paulo. São Paulo. Perspectiva, 1973.

ELHAJJI, M.; DOMINGUES, C. Mulheres, migrantes e militantes: a busca por uma voz própria. Ambivalências, v.6,n.11,p. 192-214,jan.jun. 2018.

FONTES, V. Brasil e o capital imperialismo: teoria e história. 2. ed. Rio de Janeiro: EPSJV/Editora UFRJ, 2010.

FROST, M. Pensando eticamente sobre refugiados: um caso para a transformação da governança global. Travessia, ano XXIX, n. 79, jul.-dez.2016.

GARCIA JR., A. R. O sul: caminho do roçado. São Paulo: Marco Zero/UnB/CNPq, 1989.

HABERMAS, J. A inclusão do outro. Trad. Denilson Luís Werle. São Paulo: Unesp, 2018.

HARVEY, D. O novo imperialismo.São Paulo: Loyola, 2005.

HOBBES, T. Leviatã: ou matéria, forma e poder de uma República eclesiástica e civil. Trad. João Paulo Monteiro, Maria Beatriz Nizza da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

HONNET A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

IBGE –Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Apenas 5,5% dos municípios com imigrantes têm serviços focados nessa população. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/25516-apenas-5-5-dos-municipios-com-imigrantes-tem-servicos-focados-nessa-populacao>. Acesso em: 28 set.2019.

IPCC. Cambio climático 2014: Impactos, adaptación y vulnerabilidad. Resúmenes, preguntas frecuentes y recuadros multicapítulos. Contribución del Grupo de trabajo II al Quinto Informe de Evaluación del Grupo Intergubernamental de Expertos sobre el Cambio Climático [Field, C.B., V.R. Barros, D.J. Dokken, K.J. Mach, M.D. Mastrandrea, T.E. Bilir, M. Chatterjee, K.L. Ebi, Y.O. Estrada, R.C. Genova, B. Girma, E.S. Kissel, A.N. Levy, S. MacCracken, P.R. Mastrandrea y L.L. White (eds.)]. Ginebra (Suiza), Organización Meteorológica Mundial, 2014. Disponível em: <https://www.ipcc.ch/site/assets/uploads/2018/03/WGIIAR5-IntegrationBrochure_es-1.pdf>. Acesso em: 28 set. 2021.

MARTINS, J. S. Não há terra para plantar neste verão: ocerco das terras indígenas e das terras de trabalho no renascimento político do campo. Petrópolis: Vozes, 1986.

MARX, K. O capital. Livro 1 [1867]. São Paulo: Boitempo, 2013.

MAUSS, M. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosacnaify, 2005.

MBEMBE, A. “África é a última fronteira do capitalismo”, entrevista a Achille Mbembe. Boletim Combate Racismo Ambiental. 20 de dezembro de 2018. Disponível em: < https://racismoambiental.net.br/2018/12/20/africa-e-a-ultima-fronteira-do-capitalismo-entrevista-a-achille-mbembe/ >. Acesso em:28 set.2021.

MENEZES, M. A. Redes e enredos nas trilhas dos migrantes. Rio de Janeiro: Relumé Dumará; João Pessoa-PB: UFPB, 2002.MOURA, M. M. Os deserdados da terra. Rio de Janeiro: Bertrand, 1988.

NASCIMENTO, M. Nascimento. Warner Bros,Records, 1997.

OLIVEIRA, F. A economia brasileira: crítica à razãodualista. Seleções Cebrap 1, 3. ed., 1977.

PEREIRA, J. C. À procura de viver bem: jovens rurais entre campo e cidade.2005.Dissertação (Mestradoem Sociologia) –Faculdade de Ciências Humanas, Universidade de Campinas,Campinas.

SARAMAGO, J. Levantado do chão. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

SAYAD, A. A imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: Edusp, 1998.

SILVA, M. A. M. Errantes do fim do século. São Paulo: Unesp, 1999.

SILVA, M. A. M.; MENEZES, M. A. Migrações rurais no Brasil: velhas e novas questões. [s.d.] Disponível em: < http://www.faed.udesc.br/arquivos/id_submenu/1416/migracoes_rurais_no_brasil_velhas_e_novas_questoes.pdf>. Acesso em:14 out.2021.

SIMTH, A. A riqueza das nações. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

SINGER, P. Migrações internas:considerações teóricas sobre o seu estudo. In: ----. Economia política da urbanização. 3.ed. São Paulo: Brasiliense, 1976.

ICMPD –International Centre for Migration Policy Development. Panorama da Migração Regional 2021 América Latina e Caribe. Cinco coisas para se levar em conta em 2021 -Principais acontecimentos e tendências na região. Disponível em: < https://www.icmpd.org/file/download/51077/file/RMO_LAC_2021_PT_final.pdf >.Acesso em 12 de agosto de 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Pereira, J. C. A. . (2021). Levantados do chão, portadores de utopias: migração como processo social multidimensional. Cadernos CERU, 32(2), 14-32. https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v32i2p14-32