Fronteiras interculturais na Iberoamérica: o exemplo dos povos indígenas no Brasil

Autores

  • Alzira Lobo de Arruda Campos Universidade Santo Amaro
  • Marília Gomes Ghizzi Godoy Universidade Santo Amaro
  • Patrícia Margarida Farias Coelho Universidade Santo Amaro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v32i2p46-59

Palavras-chave:

Fronteiras culturais, Interculturalidade, Racismo e desigualdade, Adaptação e resistência ameríndia, Indígenas do Brasil

Resumo

Da chegada dos europeus à América aos tempos atuais, a identidade iberoamericana apresenta-se como o resultado de migrações multisseculares e sucessivas de homens, plantas e animais entre o Velho e o Novo Mundo, criando e destruindo fronteiras identitárias entre o “civilizado” e o “selvagem”. As fronteiras transmitem um aprendizado recíproco sobre confluências e oposições interétnicas, operado num campo extremo de desigualdade entre dominantes europeus e dominados ameríndios. Esse acontecimento, de dimensão planetária, é visto a partir das fronteiras culturais entre o universo mágico indígena e o ocidental, resultando num processo de aniquilamento, resiliência e adaptação da identidade pluriétnica e multidimensional iberoamericana, que toma, por referência central, os povos indígenas – históricos e atuais – da nação brasileira.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alzira Lobo de Arruda Campos, Universidade Santo Amaro

Mestra e Doutora em História Social (USP/SP); Livre-docente em Metodologia da História (UNESP/FRANCA); Docente do Programa de Mestrado em Ciências Humanas (UNISA/SP).

Marília Gomes Ghizzi Godoy, Universidade Santo Amaro

Mestra em Antropologia Social (USP/SP); Doutora em Psicologia Social (PUC-SP); Docente do Programa de Mestrado em Ciências Humanas (UNISA/SP). Integrante do GEMI (Grupo de Estudos Migrações e Identidade – CERU/USP).

Patrícia Margarida Farias Coelho, Universidade Santo Amaro

Mestra em Letras pela Universidade Presbiteriana Mackenzie; Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Docente do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação da Universidade Metodista de São Paulo; Docente e Coordenadora do Programa de Mestrado em Ciências Humanas (UNISA/SP).

Referências

BARTH,F. Grupos étnicos e suas fronteiras.In:POUTIGNAT, P. Teorias da etnicidade seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. São Paulo: Editora da UNESP, 1998.

BRAUDEL, F. O Mediterrâneo e o Mundo Mediterrânico na época de Filipe II. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

CARIAGA, D E. Considerações sobre a territorialidade e as transformações entre os Kaiowá e Guarani em Te’ýikur, Caarapó-MS. In: SILVEIRA, N.H. et al.(orgs.). Diálogos com os Guarani: articulando compreensões antropológicas eindígenas.Florianópolis: Editora da UFSC, 2016.

COOK, N.D. Demographic Collapse: Indian Peru, 1520-1620. Cambridge: Cambridge Latin American Studies, 1982.

CUCHE, D. A noção de cultura nas ciências sociais. 2.ed., Bauru: EDUSC, 2002.

CUNHA, M.C. Índios no Brasil: história, direitos e cidadania. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

DESCOLA, P. Outras naturezas, outras culturas. Trad.Cecília Ciscato. São Paulo: Editora 34, 2016.

DONGHI, T.H. Historia Contemporanea de America Latina. 3.ed. El libro de Bolsillo. Madrid: Alianza Editorial, 1972.

GRUZINSKI, S. As quatro partes do mundo: história de uma mundialização. São Paulo: Edusp, 2014.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1992.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Caminhos e fronteiras. Rio de Janeiro: José Olympio, 1957.

MONIOT, H. L' histoire des peuples sans histoire. In: LE GOFF, J.; NORA, P. Faire de l'histoire:nouveaux problèmes. Paris: Gallimard, 1974.

POUTIGNAT,P.; STREIFF-FENART J.Teorias da etnicidadeseguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

RAMINELLI, R. Prefácio. In: CHICANGANA-BAYONA, Y.A. Imagens de canibais e selvagens do novo mundo do maravilhoso medieval aoexótico colonial (séculos XV-XVII).São Paulo: Editora Unicamp, 2017.

TASSINARI, A. Apresentação. In: SILVEIRA, N.H; MELO, C.R.; JESUS, S.C. Diálogos com os Guarani: articulando compreensões antropológicas e indígenas. Florianópolis: Editora da UFSC, 2016.

VEYNE, P. Como se escreve a História. Trad. António José da Silva Moreira. Lisboa: Edições 70, 1983.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Campos, A. L. de A. ., Godoy, M. G. G. ., & Coelho, P. M. F. . (2021). Fronteiras interculturais na Iberoamérica: o exemplo dos povos indígenas no Brasil. Cadernos CERU, 32(2), 46-59. https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v32i2p46-59