Migrações contemporâneas em Angola: culturas e identidades construídas e reconstruídas

Autores

  • Marciele Nazaré Coelho Instituto Superior de Ciências Sociais e Relações Internacionais (CIS/Angola)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v32i2p60-83

Palavras-chave:

Migrações, África, Identidade, Cultura

Resumo

O presente artigo busca discutir a migração e o retorno de cidadãos oriundos da República Democrática do Congo para Angola. A compreensão das vivências destes, no que se refere a identidade e cultura constituem-se o objetivo deste artigo e na base da metodologia comunicativa foram recolhidos oito relatos comunicativos. Na sua análise destacam-se os fatores considerados obstáculos, a aprendizagem da língua portuguesa, as discriminações e preconceitos vivenciados por um lado, por outro, os que se revelam transformadores, as vivências solidárias no espaço educativo e religioso, as relações interculturais e a construção identitária a partir das referências culturais familiares. A relação entre o pertencer e o não pertencer são essenciais para a discussão da construção de uma identidade plural, dialógica e na base da igualdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marciele Nazaré Coelho, Instituto Superior de Ciências Sociais e Relações Internacionais (CIS/Angola)

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Pedagoga e Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora do Instituto Superior de Ciências Sociais e Relações Internacionais (CIS/Angola), Pesquisadora do Centro de Estudos Africanos do CIS (CEACIS) e do Núcleo de Investigação e Ação Social e Educativa (NIASE/UFSCar)

Referências

ALMEIDA, G.M.R.;BAENIGER, R.Modalidades migratórias internacionais: da diversidade dos fluxos às novas exigências conceituais. In: BAENIGER, R.(org.). Migração internacional. Campinas: Nepo/Unicamp, p. 23-34, 2013.Disponível em: https://www.nepo.unicamp.br/publicacoes/livros/colecaosp/VOLUME_09.pdf. Acesso em: 26 jul. 2021.

AMMASSARI, S. Migration and development:new strategic outlooks and practical ways forward –The cases of Angola and Zambia. IOM. Migration Research Series, n.21, jun., 2005. Disponível em: file:///C:/Users/user/Downloads/mrs21_0.pdfAcessoem: 12ago. 2021.

ANTÓNIO, M. Os estudantes angolanos do ensino superior em Lisboa: uma perspectiva antropológica sobre as suas motivações e bem-estar subjetivo.Revista Análise Social, v. 48 (3º), n.208, p. 659-682, jul. 2013. Disponível em: http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/AS_208_d03.pdfAcessoem: 07 ago. 2021.

AUBERT, A. et al.Aprendizaje dialógico en la sociedad de la información. Barcelona: Hipatia Editorial, 2008

CASTELL, M. La era de la información: economía, sociedad y cultura. La sociedad Red. 8. ed. V.I. Madrid: Alianza Editorial.2000.

CASTLES, S. Entendendo a migração global: uma perspectiva desde a transformação social. Revista Interdisciplinas da mobilidade humana.Brasília, ano 18, v. 18, n.35, p. 11-43, jul./dez., 2010. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=407042012002Acessoem: 30maio 2021.

CHICO, A. The human rights of migrants in Angola: two years after the visit of the UN special observer. REMHU, Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana, Brasília, v. 26, n. 54, p. 61-76, dez. 2018. Disponível em:https://www.scielo.br/j/remhu/a/gGbzJFWVRsJDq55fxrZRLhm/abstract/?lang=enAcessoem: 11jun. 2021.

CLEVELAND, T. Following the ball: african soccer players, labor strategies and emigration across the portuguese colonial empire, 1949-1975.Cadernos de Estudos Africanos,n.26, p. 15-41, 2013. Disponível em: https://journals.openedition.org/cea/1109Acesso em: 11 jun. 2021.

DW. República Democrática do Congo.Notícias. 01/10/2021. Disponível em: https://www.dw.com/pt-002/rep%C3%BAblica-democr%C3%A1tica-do-congo-rdc/t-19555769Acessoem: 03 out. 2021.

ELBOJ, C.S.et al.Comunidades de aprendizaje:transformar la educación.Espanha: Graó, 2002.

FLECHA, Ramón. Investigar desde la igualdad de las diferencias. In: TOURAINE,A. et al.Conocimiento e identidade. Voces de grupos culturales en la investigación social.Barcelona: El Roure, 2004.p.34-49.

FLECHA, R.; GÓMEZ, J. Racismo: no gracias. Ni moderno, ni posmoderno.Barcelona: Roure, 1995.

FLECHA, R.; GÓMEZ, J.; PUIGVERT, L. Teoría sociológica contemporánea. Barcelona: Paidós Studio, 2001.

GÓMEZ, A.G.; DÍEZ-PALOMAR, J.Metodología Comunicativa Crítica: transformaciones y câmbios en el S. XXI. Revista Eletrónica Teoría de la Educación. Educación y Cultura en la Sociedad de la Información,v. 10, n.3, p. 103-118, nov. 2009. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/2010/201014898007.pdf Acesso em: 20 ago. 2021.

GÓMEZ, J.; LATORRE, A.; SÁNCHEZ, M.; FLECHA, R. Metodología comunicativa crítica.Barcelona: El Roure Editorial, 2006. HUMAN RIGHTS WATCH. Coming Home: Return and Reintegration in Angola. Human Rights Watch, v. 7, n. 2, 2005. Disponível em: https://www.hrw.org/report/2005/03/16/coming-home/return-and-reintegration-angolaAcesso em: 18 jun. 2021.

INGLÊS, P .Globalizzazione, mobilità umana e creatività: rivisitando categorie a partire da tre casi di migrazione forzata in Angola. REMHU. Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, p. 95-113, set./dez., 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/remhu/a/XS9JLCVnygnnP3Zpqt3Y46B/?lang=it&format=pdf Acessoem: 10ago. 2021.

IOM. International Organization for Migration. Angola: A Study of the Impact of Remittances from Portugal and South Africa. IOM, 2009. Disponível em: https://publications.iom.int/system/files/pdf/mrs39.pdfAcesso em: 05 ago. 2021.

IOM. International Organization for Migration. Contributions to progressively resolve displacement situations: compendium of activities and good practice. World Migration Report, IOM, 2016. Disponível em: https://publications.iom.int/es/books/iom-contributions-progressively-resolve-displacement-situations-compendium-activities-andAcessoem: 10 ago. 2021.

IOM. International Organization for Migration. Migration and development: new strategic outlooks and practical ways forward. The cases of Angola and Zambia. Migration Research Series,n.21, 2005. Disponível em: https://publications.iom.int/system/files/pdf/mrs21_0.pdfAcesso em: 05 ago. 2021.

IOM. International Organization for Migration. Regional Strategyfor Souther Africa 2019-2023.World Migration Report, IOM, 2019a. Disponível em: https://publications.iom.int/books/iom-regional-strategy-southern-africa-2019-2023Acessoem: 10ago. 2021.

IOM. International Organization for Migration. World Migration Report –2020. IOM, 2019b. Disponível em: https://publications.iom.int/system/files/pdf/wmr_2020.pdfAcessoem: 12 ago. 2021.

JESUS, N.M.P. Migrações recentes de Portugueses para Angola:contextos e estratégias.2015. Dissertação (Mestrado) –Instituto de Ciências Sociais, Universidade do Minho. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/40807/1/Dissertação%20Nuno%20Jesus.pdfAcessoem 08jul. 2021.

KAUN, A. When the Displaced Return: challenges to ‘Reintegration’ in Angola. New Issues in Refugee Research. Research Papern. 152. Washington D.C.: Office of Refugee and Asylum, USCIS, and UNHCR Policy Development and Evaluation Service, 2008. Disponível em: https://www.unhcr.org/research/working/47a315402/displaced-return-challenges-reintegration-angola-alexandra-kaun.htmlAcessoem: 11jul. 2021.

LACERDA, M.F. Diálogo teórico das Migrações Internacionais: desafios eminentes a uma compreensão holística. Áskesis,v. 3, n.1, p. 159-169, 2014. Disponível em: https://silo.tips/download/dialogo-teorico-das-migraoes-internacionais-desafios-eminentes-a-uma-compreensao Acesso em: 11jul. 2021.

LOPES, C. M. Reforçar a gestão de dados sobre as migrações em Angola: avaliação e recomendações. ACP, Observatory on Migration, International Organization for Migration, 2013b. Disponível em: https://publications.iom.int/system/files/pdf/angola.pdf Acesso em: 11jul. 2021.

LOPES, C. M. Refugiados, reintegração e mobilidade interna: um olhar sobre o caso angolano, 2002-2018. REMHU, Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana, Brasília, v. 26, n. 54, p. 61-76, dez. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/remhu/a/DqMytf3yRMG5LVCxvPgG7TD/?format=pdf&lang=ptAcessoem: 18jun. 2021.

LOPES, C. M. Tema de Reflexão:o Impacto da Migração para o Desenvolvimento, Desafios e Oportunidades para Angola. Agenda Global de Desenvolvimento pós 2015.IOM. Organização Internacional para as Migrações, 2013a. Disponível em: https://publications.iom.int/books/tema-de-reflexao-o-impacto-da-migracao-para-o-desenvolvimento-desafios-e-oportunidades-paraAcessoem: 11jul. 2021.

LOPES, C.M.; RODRIGUES, C.; SIMAS, G. Migração Interna, Urbanização e Saúde em Angola.Bruxelas: Observatório ACP para as Migrações, 2013. Disponível em: https://publications.iom.int/books/caminho-da-cidade-migracao-interna-urbanizacao-e-saude-em-angolaAcessoem: 11jul. 2021.

LUANSI, L. Angola: movimentos migratórios e estados precoloniais –identidade nacional e autonomia regional. INTERNATIONSSYMPOSIUM ANGOLA ON THE MOVE: TRANSPORT ROUTES, COMMUNICATION AND HISTORY. Berlin, 24-26, Sep.2003. Disponível em: https://emigratecaportuguesa.files.wordpress.com/2015/04/2003-angola-movimentos-migratc3b3rios-e-estados-precoloniais-identidade-nacional-e-autonomia-regional.pdfAcessoem: 27mar. 2021.

MARQUES, N. Struggling through Peace: Return and Resettlement in Angola. Human Rights Watch, Africa Division, v. 15, n. 16, p. 1-33, 2003. Disponível em: https://www.hrw.org/report/2003/08/15/struggling-through-peace/return-and-resettlement-angolaAcesso em: 18 jun. 2021.

MELO, A. Regresso a uma vida melhor:aintegração dos ex-refugiados angolanos após o seu regresso a Angola.Bruxelas: IOM, ACP, Observatory on Migration, 2013.Disponível em: https://publications.iom.int/books/regresso-uma-vida-melhor-integracao-dos-ex-refugiados-angolanos-apos-o-seu-regresso-angolaAcessoem: 27mar. 2021.

MILAGRES, S.; SANTOS, L. Fluxos migratórios em Angola.Luanda: Mayamba, 2013.

MULLER, Paulo.Situation and context: migratory policies and interactions with refugees in northern Angola. REMHU, Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana, Brasília, v. 24, n. 47, p. 175-193, 2016. Disponível em: https://www.redalyc.org/jatsRepo/4070/407057796004/407057796004.pdfAcessoem: 17jun. 2021.

NOLASCO,C. Migrações internacionais: conceitos, tipologia e teorias. Coimbra: Oficina do CES, Centro de Estudos Sociais, v. 434, mar. 2016.Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/32548Acessoem: 17jun. 2021.

PLEYERS, G. Altermundialismo y multiculturalismo: algunas pista de reflexión. In: TOURAINE, A. etal. Conocimiento e identidade. Voces de grupos culturales en la investigación social.Barcelona: El Roure,2004. p. 58-64.ROBSON, P.; ROQUE, S.(eds.). Aqui na cidade nada sobra para ajudar.Luanda: Development Workshop. Occasional Paper n.3, 2001. Disponível em: https://angonet.org/dw/sites/default/files/online_lib_files/Aqui%20na%20cidade_pt.pdfAcessoem: 10jun. 2021.

SASAKI, E.M.; ASSIS, G.O. Teorias das Migrações internacionais. In:ENCONTRO NACIONAL DAABEP, 12,2000, Caxambu, Brasil.Anais... Disponível em: http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/view/969Acessoem: 10jun. 2021.

SCHMITZ, G.O. A migração e o desenvolvimento global: propostas para a organização do debate teórico e construção de uma agenda unificada de pesquisa. Boletim de Economia e Política Internacional, BEPI, n.19, p. 87-101,jan.-abr.2015. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/5316/1/BEPI_n19_Migra%C3%A7%C3%A3o.pdfAcessoem: 20jun. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Coelho, M. N. . (2021). Migrações contemporâneas em Angola: culturas e identidades construídas e reconstruídas. Cadernos CERU, 32(2), 60-83. https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v32i2p60-83