Comida de refugiado como recurso identitário e de identificação

Autores

  • Célia Toledo Lucena Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v32i2p116-134

Palavras-chave:

Refugiados, Comida, Diferenças culturais, Identidade e Identificação

Resumo

Neste artigo objetiva-se promover uma discussão teórica sobre refúgio, identidade, fronteiras étnicas, comida migratória e refletir acerca da culinária do Oriente Médio como forma de identificação e de construção/manutenção de identidades de refugiados na capital paulista. Também, iniciar discussões sobre os efeitos das diferenças culturais e as estratégias de resistência e de tradução cultural. Leva-se em conta que a cozinha e suas práticas são repletas de representações e significados e que a cultura alimentar é um marcador étnico. Os refugiados são marcados por identidades móveis, hibridismos culturais e sentimentos de pertencimento ao lugar de origem. Esse fluxo de refugiados provenientes da Síria, a partir de 2013, com a instalação de restaurantes e de venda de comida delivery, sem dúvida, estimula a ampliação dos ares multiculturais da cidade de São Paulo que é marcada por um “cosmopolitismo diaspórico”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Célia Toledo Lucena, Universidade de São Paulo

Pesquisadora do CERU (Centro de Estudos Rurais e Urbanos), USP. Mediadora do GEMI (Grupo de Estudos Migrações e Identidade). Com pesquisas sobre migrantes e refugiados, diferenças culturais, fronteiras, comida étnica, identidade, memória.

Referências

ACNUR. Statistical online database. Brasília (DF), 2017. Disponível em: http:www.unhcr.org

BHABHA, H. O local da cultura. Belo Horizonte:UFMG, 1998.

BARTH,F. Grupos étnicos e suas fronteiras.In:POUTIGNAT, P.; STREIF-FENART, J. Teorias da etnicidade. São Paulo: UNESP, 1998.

BOURDIEU, P. La distincion critique sociale du jugement. Paris:Minuit, 1979.

CASTLES, S. Contextualização: entendendo a migração global:uma perspectiva desde a transformação social. Rev. Inter. Mob. Humana,Brasília, Ano XVIII, n. 35, p. 11-43, jul./dez., 2010.

CASTLES, S.; MILLER, M. La era de la migracion. Mexico: Universitad Autonoma de Zacatecas, SEGO, INM:Colosio, 2004.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano:artes de fazer. Petrópolis:Vozes, 1994.

CONTRERAS, J.;GRACIA, M. Alimentação, sociedade e cultura. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2011.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

HARVEY,D.A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.LEI 9474/97: Estatuto Nacional do Refugiado. Presidência da República, Casa Civil, 22 de julho de 1997.

LUCENA, C. Ensinar para aprender a viver em um novo mundo. Cadernos CERU,São Paulo, v.31, n.1, p. 268-280, 2020.

LUCENA, C. Migrações contemporâneas e impasses identitários: algumas teorias e conceitos. Cadernos CERU, São Paulo, v. 30, n.1, p. 19-49, jun. 2019.

MACIEL, M.E. Uma cozinha à brasileira. Estudos Históricos, Rio de Janeiro,n.33, p.25-39, 2004.

MINTZ, S. Comida e Antropologia: uma breve revisão. Revista Brasileira de Ciências Sociais,v.16,n.47, 2001.

PINHO, F. Novos refugiados sírios trazem facetas inéditas da culinária árabe. Folha de S. Paulo, São Paulo, 9 mar. 2021. Caderno Comida, B 13.

PORTELLI, A. Ensaios de História Oral.São Paulo: Letra e Voz, 2010.

RODRIGUEZ, M.L. Cultura y migración: los procesos de naturalización de la diferencia. Migración, Desplazamiento forzado y Refugio. Quito: Programa Andino de Derechos Humanos y Democracia. UASB-PADH/UNION EUROPEIA/GRUPO SOCIAL FEPP/PLAN MIGRATIÓN, 2005.

RUSHDIE, S. Imaginary homelands. London: Granta Books, 1991.

SAYAD, A. A imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: USP, 1998.

SEIXAS,R. Migração simbólica e dialética da identidade cultural nos processos de migração. Brazilian Journal of Latin American Studies,v. 15, n. 29,p.14-37,2017. Disponível em:https://doi.org/10.11606/issn.1676-6288.prolam.2016.128802

SIMMEL, G. Sociologia da refeição.Estudos Históricos, Rio de Janeiro,n.33, p.154-166, 2004.

THOMSON, A. Histórias (co)movedoras: história oral e estudos de migração. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 22, n.44, p.341-364, 2002.

TRUZZI, O. Assimilação re-significada: novas interpretações de um velho conceito. Dados–Revista de CiênciasSociais, Rio de Janeiro, v.55, n.2,p. 517-553, 2012.

URBANTASTE. Disponível em www.uol.com.br/urbantaste/noticias redação/2019/08/27/conheça-7-restaurantes-comandados-por-refugiados-em-sao-paulo.htm.Acesso em:14jun. 2021.WILLIAMS, R. Cultura.São Paulo: Paz e Terra, 1992.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Lucena, C. T. . (2021). Comida de refugiado como recurso identitário e de identificação. Cadernos CERU, 32(2), 116-134. https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v32i2p116-134