Caminhar na cidade patriarcal: medos, afetos e traumas

Autores

  • Hulda Wehmann Universidade Anhembi Morumbi
  • Maria Eduarda Cavati Medeiros Universidade Anhembi Morumbi

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v33i1p26-38

Palavras-chave:

Gênero feminino, planejamento urbano, caminhar

Resumo

O caminhar e o gênero feminino possuem múltiplas relações, e mesmo que as mulheres ocupem espaços em diversas áreas da cidade, as questões sociais se encontram com indagações de planejamento urbano, e por muitas vezes dificultam o caminhar feminino. Recorrendo à metodologia de entrevista em profundidade de caráter qualitativo, busca-se iniciar uma discussão que abrange o direito a cidade, as políticas governamentais e as crenças sociais. Objetivando compreender as relações entre os espaços urbanos projetados e o caminhar do gênero feminino.

O estudo nos permitiu compreender quais espaços urbanos vistos como ameaça ou segurança pelas mulheres, além de entender as questões sociais, culturais e históricas que acarretam as problemáticas do caminhar feminino atualmente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hulda Wehmann, Universidade Anhembi Morumbi

Professora Doutora, Universidade Anhembi Morumbi.

Maria Eduarda Cavati Medeiros, Universidade Anhembi Morumbi

Discente bolsista do PIBIC/AM da Universidade Anhembi Morumbi.

Referências

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: Mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Editora Elefante, 2019.

FEDERICI, Silvia. Mulheres e a caça as bruxas. São Paulo: Editora Boitempo, 2019.

FUJISAKA, A. P. O Familiar cuidador e o processo de fim de vida e morte de seu ente querido: uma compreensão fenomenológica. 2014. 491 f. Tese (Doutorado em Psicologia) -Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

GOMES FONSECA, K. Mulheres Caminhantes! Auditoria de Segurança de e Caminhabilidade. SampaPé, vl. 01, n 8 -88, abril, 2018.

GRIECO, Elisabeth P. O ambiente construído e sua influência na caminhabilidade. Researchgate, 2020. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/341878836_O_ambiente_construido_e_sua_influencia_na_caminhabilidade>. Acesso em: nov. 2020.

HARKOT, Marina. Como o ambiente construído incentiva mulheres e homens a caminhar de maneira diferente pelas cidades. LAbcidade, 2017. Disponível em: http://www.labcidade.fau.usp.br/como-o-ambiente-construido-incentiva-mulheres-e-homens-a-caminhar-de-maneira-diferente-pelas-cidades/> Acesso em: nov 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO URBANÍSTICO (IBDU). Direito à Cidade: uma visão por gênero. São Paulo: IBDU, 2017.

LINKE, Clarisse. C; ANDRADE, Victor. Cidades de pedestres: A caminhabilidade no Brasil e no mundo. Ediçoes Relicario, 2017.

NASCIMENTO, Adriana. O caminhar é para todas? Uma abordagem de mulheres latinoamericanas sobre derivas e flâneries na contemporaneidade. ANPUR, 2019. Disponível em: <http://anpur.org.br/xviiienanpur/anaisadmin/capapdf.php?reqid=867>. Acesso em: nov 2020.

NGOZI ADICHIE, C. Sejamos Todos Feministas. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2015.

NOVAS FERRADÁS, M. Arquitectura y Género: una Reflexión Teórica. Catelló: Universitat Jaume I, 2014.

QUEIROGA, E. F. Dimensões públicas do espaço contemporâneo : resistências e transformações de territórios, paisagens e lugares urbanos brasileiros. 2012. 284 f. Tese (Livre Docência -Área de Concentração: Paisagem e Ambiente) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. O inconsciente estético. Tradução de Mônica Costa Netto. - São Paulo: Ed. 34, 2009.

ROLNIK, Raquel. Guerra dos lugares: A colonização de terra e moradia na era das finanças. São Paulo: Boitempo Editorial, 2017.

SEBALHOS, C., FLORES, A e COELHO, D (2019). Violência, gênero e urbanismo: Aspectos Da Dominação Masculina Na Organização Das Cidades. Pixo, v.3, n. 9, p. 80-91, dez. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/pixo/article/view/17455/10629. Acesso em: fev 2021.

WEHMANN, H. E. Habitar a paisagem: O reconhecimento da experiência estética como direito à cidade. 2019. 285 f. Tese (Programa de pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo) –

Área de concentração paisagem e ambiente, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

Downloads

Publicado

2022-06-13

Como Citar

Wehmann, H., & Medeiros, M. E. C. . (2022). Caminhar na cidade patriarcal: medos, afetos e traumas . Cadernos CERU, 33(1), 26-38. https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v33i1p26-38