Há memória por trás das fachadas: Critérios de uso, ocupação do solo, de conservação e restauração em bens culturais previstos pela legislação carioca (1980-2021)

Autores

  • Claudio Antônio S. Lima Carlos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v33i1p37-63

Palavras-chave:

conservação urbana, centro histórico, patrimônio cultural

Resumo

A trajetória da conservação dos centros históricos das cidades ocidentais é analisada brevemente, destacando o caso do Rio de Janeiro, no período 1980-2021. O recorte temporal proposto se inicia pela criação, em 1980, do Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural e do instituto do tombamento municipal e vai até o século XXI, onde se destacam o Projeto Porto Maravilha (2009), a publicação do Novo Código de Obras do Rio de Janeiro (2019) e o projeto Reviver Centro (2021).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Maurício de A. Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Instituto de planejamento Municipal –IPLANRIO e Jorge Zahar Editor,1987.

BENEVOLO, L. A Cidade e o Arquiteto. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2001.

BOETCHER, R. Quem é o dono da cidade? Introdução à entrevista com Sakia Sassen. Revista aU. São Paulo: Ed. Pini, 2016, p. 44-46.

CABRAL, Renata Campello. A dimensão urbana do patrimônio na Carta de Atenas de 1931. As contribuições da delegação italiana. Arquitextos, São Paulo, ano 15, n. 179.04, Vitruvius, maio 2015 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/15.179/5531>.

CHOAY, F. O Urbanismo. São Paulo: editora Perspectiva, 1979.

CHOAY, F. A Alegoria do Patrimônio. São Paulo: Unesp, 2000.

CURTIS, William J. R. Arquitetura Moderna desde 1900. Porto Alegre: Editora Salvaterra, 2008.

GUTIERREZ, Ramón. Centro Históricos em tem pos de neoliberalismo. Transferências, criatividade e rotina nos centros históricos da Ibero América. Políticas e improvisações. Patrimonio del futuro. Sociedad Central de Arquitetctos. Buenos Aires, agosto de 1996.

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

HARVEY, David. Neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Ed. Loyola, 2008.

HUYSSEN, Andréas. Seduzidos pela Memória. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

JACQUES, Paola, Patrimônio Cultural Urbano: espetáculo contemporâneo? In Revista de Urbanismo e Arquitetura –RUA, UFBA, FAU, PPG em Urbanismo, vol. 8, 2003, pp.32-39.

KÜHL, Beatriz Mugayar. Arquitetura do Ferro e arquitetura Ferroviária em São Paulo: reflexões sobre a sua preservação. São Paulo: Ateliê Editorial: Fapes p: Secretaria da Cultura, 1998.

LEME, Maria Cristina da Silva (org). Urbanismo no Brasil 1895-1965. Salvador: EDUFBA, 2005.

LIMA CARLOS, Claudio A. S. Zona Portuária: da marginalização à espetacularização apud c de, Concepções, Memórias e Patrimônio Cultural–História, Sociedade e Educação em foco.Curitiba: Ed. Prismas, 2015, p. 231 a 264.

ANGELO, Elis R. B. e SIQUEIRA, Euler D. Interiores sob risco: parâmetros de intervenção previstos pelo novo Código de Obras do Rio de Janeiro para edificações protegidas, Anais do 3º Simpósio Científico do ICOMOS Brasil -Belo Horizonte/MG, 2019.

ANGELO, Elis R. B. e SIQUEIRA, Euler D. La otra cara del proyecto Puerto Maravilla Zona portuaria de Río de Janeiro in Revista Latino-americana de Ambiente Construído & Sustentabilidade -ISSN 2675-7524 / v. 1, n. 2 (2020)

ANGELO, Elis R. B. e SIQUEIRA, Euler D. Áreas de Proteção do Ambiente Cultural (APAC). Curitiba: Ed. Appris, 2020a (1ª ed.)

RABHA, Nina Maria de Carvalho, Cristalização e Resistência no Centro do Rio de Janeiro, in Revista doRio de Janeiro, vol. 1, Niterói: UFF, Departamento de História, 1985, pp. 35 a 59.

REZENDE, Vera. Planejamento Urbano e Ideologia. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1982 (Coleção Retratos do Brasil).

RIEGL, A. O Culto Moderno dos monumentos: sua essência e sua gênese. Goiânia: Ed. Da UCG, 2006.

SANTOS, Carlos Nelson F. dos. A Cidade como um Jogo de Cartas. Niterói: Universidade Federal Fluminense: EDUFF; São Paulo: Projeto editores, 1988.

VAINER, Carlos. “Os liberais também fazem planejamento urbano? Glosas ao ‘Plano Estratégico da Cidade do Rio de Janeiro’” IN ARANTES, Otília, VAINER, Carlos, MARICATO, Ermínia, A Cidade do pensamento único –Desmanchando consensos. Rio de Janeiro: Ed. Vozes, 2000.

Downloads

Publicado

2022-06-13

Como Citar

Carlos, C. A. S. L. . (2022). Há memória por trás das fachadas: Critérios de uso, ocupação do solo, de conservação e restauração em bens culturais previstos pela legislação carioca (1980-2021). Cadernos CERU, 33(1), 37-63. https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v33i1p37-63