Ilê da oxum apará: identidade, memória e afrocentricidade

Autores

  • Otair Fernandes Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Luís Cláudio de Oliveira Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v33i1p64-90

Palavras-chave:

Ilê da Oxum Apará, Identidade e memória, Patrimônio cultural, Jair de Ogum

Resumo

O presente trabalho consiste em um estudo exploratório sobre os Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana (PCTMA), os terreiros de candomblé, no campo das políticas de patrimônio cultural. Pretende uma abordagem preliminar sobre os aspectos que evidenciam a construção identitária da prática cultural do terreiro de candomblé Ilê da Oxum Apará, localizado na cidade de Itaguaí/RJ, como território político-mítico-religioso, que afirma um patrimônio simbólico dos grupos e etnias africanas no Brasil a partir do legado e da memória do seu fundador Babalorixá Jair de Ogum (falecido em 31 de agosto de 2020). Para tanto, com base em entrevista realizada com os atuais mantenedores do lugar e uma bibliografia especializada sobre o assunto, assumimos o posicionamento político de repensar o lugar epistêmico e social da cultura negra ou de matriz africana na sociedade brasileira, numa perceptiva decolonial e afrocêntrica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2018.

ASANTE, M. Afrocentricidade como Crítica do Paradigma Hegemônico Ocidental: Introdução a uma Ideia. Tradução: Renato Noguera, Marcelo J. D. Moraes e Aline Carmo. Ensaios Filosóficos, Volume XIV–Dezembro/2016.

ASSOCIAÇÃO ILÊ DA OXUM APARÁ. Apresentação Institucional. Itaguaí, RJ, 2020.

BASTIDE, Roger. As religiões africanas no Brasil: contribuição a uma sociologia das interpenetrações de civilizações. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1971.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ConstituicaoCompilado.htm. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Secretaria de Políticas de Promoção de Igualdade Racial da Presidência da República (SEPPIR). Plano Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana2013-2015. Brasília, DF, 2013.

CARDOSO, Marcos Antônio. Patrimônio Cultural Negro-Africano: Desafios Contemporâneos “A força de lembrar a própria força”. In: NOGUEIRA, João Carlos; NASCIMENTO, Tânia Tomázia do (orgs). Patrimônio cultural, territórios e identidades. Florianópolis: Atilèn de, 2012.

CIASCA, Kaian Nóbrega Maryssael. Memória, identidade e território: mapas afetivos como indicadores de hábitos culturais. Revista do Centro de Pesquisa e Formação, nº 6, jun 2018, p.207-221.

FERNANDES, Otair; et al. Dossiê Bens Culturais dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana da Região Metropolitana do Estado Rio de Janeiro (PMAF-RMRJ), IPHAN, 2020 (SEI 01450.003417/2018-26). https://sei.iphan.gov.br/sei/modulos/pesquisa/md_pesq_processo_exibir.php?wt7h6hFBI_9S3 DJjGLl0dpQiiSEQL4RcICP821UP_Zu3te9Mz8pMgdSFPXZPRHsDc8jMQ17erGYJfOcrc-boq1RnuHerldz-E4mC3FIRAuamtPB5-g5dsyISw8SjY643. Acesso em: nov.2021.

FLORÊNCIO, Sônia Regina Rampim et al. Educação Patrimonial: inventários participativos: manual de aplicação. Brasília-DF: IPHAN, 2016.

GOMES, E. C.; OLIVEIRA, L. C. . O Tradição dos Orixás: valores civilizatórios afrocentrados. 1. ed. Rio de Rio de Janeiro: Mar de Ideias/IPEAFRO, 2019. v. 1. 204p.

KILEUY, Odé; OXAGUIÃ, Vera de. O candomblé bem explicado–nações bantu, iorubá e fon. Marcelo Barros (Org), Rio de Janeiro: ed. Pallas, 2009.

IPHAN. Presidência. Portaria Nº 194, de 18 de maio de 2016. Dispõe sobre diretrizes e princípios para a preservação do patrimônio cultural dos povos e comunidades tradicionais de matriz africana, considerando os processos de identificação, reconhecimento, conservação, apoio e fomento. Diário Oficial da União : seção 1, Brasília, n.96, p.11, 20 mai.2016(2016c). Disponível em http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Portaria_iphan_194_de_18_05_2016.pdf. Acesso em: jan.2020.

IPHAN.Presidência. Portaria nº 489, de 19 de novembro de 2015. Institui o Grupo de Trabalho

Interdepartamental para preservação do patrimônio cultural de Terreiros - GTIT e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, n.222, p.41, 20 nov.2015. Disponível em http://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n-489-de-19-de-novembro-de-2015-33336322?inheritRedirect=true. Acesso em: jan.2020.

NOGUEIRA, Antônio Gilberto Ramos. Diversidade e Sentidos do Patrimônio Cultural: uma

proposta de leitura da trajetória de reconhecimento da cultura afro-brasileira como patrimônio nacional . ANOS 90, Porto Alegre, v. 15, nº 27, p.233-255, 2008.

SANT’ANNA, Márcia. A face imaterial do patrimônio cultural: os novos instrumentos de reconhecimento e valorização. In: Memória e Patrimônio: Ensaios Contemporâneos. 2ª ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

SANTOS, J. E. dos. Os Nagô e a morte: Pàde, Asese, e o culto Égun na Bahia. Petrópolis: Vozes, 1986.

SODRÉ, Muniz. O terreiro e a cidade : a forma social negro brasileira. 3ª ed. Rio de Janeiro: Mauad X, 2019.

SODRÉ, Muniz. Pensar Nagô. Petrópolis –RJ: Editora Vozes, 2017.

SILVA, Vagner Gonçalves da. As nações do candomblé. In: Candomblé e Umbanda – caminhos da devoção brasileira. São Paulo: Selo Negro Edições, 2005. pp. 65-68.

VETTORASSI, Andréa. Mapas afetivos: recursos metodológicos baseados na História Oral e reflexões sobre identidades espaciais e temporais em estudo sociológico. Revista História e Cultura, Franca, v.3, n.3 (Especial), p. 155-176, dez. 2001. Disponível em https://ojs.franca.unesp.br/index.php/historiaecultura/article/view/1. Acesso em jan. 2020.

WALKER, Sheila. Conhecimento desde dentro: Os afro-sul-americanos falam de seus povos e suas histórias. Rio de Janeiro: Kitabu, 2018.

Downloads

Publicado

2022-06-13

Como Citar

Fernandes, O. ., & Oliveira, L. C. de . (2022). Ilê da oxum apará: identidade, memória e afrocentricidade. Cadernos CERU, 33(1), 64-90. https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v33i1p64-90