As festas juninas no Rio de Janeiro: entre o fazer e o manter nas relações sociais

Autores

  • Elis Regina Barbosa Angelo Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v33i1p171-191

Palavras-chave:

Festas juninas, Rio de Janeiro, grupos de quadrilha, saberes

Resumo

No contexto das representações culturais, no qual a memória está ligada, percebe-se que a valorização das imagens do passado tem sido atribuída à memória coletiva dos grupos, dentro dos quais os indivíduos se mantêm unidos por lembranças, histórias ou tempos que lhes são particulares ou que, de alguma forma foram relevantes às suas origens. Outros processos dizem respeito a sua preservação enquanto identidades de grupos, enquanto expressão, forma ou atividade. As festas juninas foram ao longo das gerações sendo ressignificadas e se mantendo por diversas razões, e, ao que se apresenta, somam-se elementos representativos da diversidade de formação do povo brasileiro, conformando a multiplicidade e dinâmica cultural brasileira. Criam-se então tradições juninas em escolas, comunidades e instituições enquanto celebrações de todos os formatos e modismos. Aliadas à sua gênese, como forma de agradecimento ao alimento, culminado sobre a ideia de abundância, de sociabilidade, da fortificação dos laços familiares, e mesmo na fé e na religiosidade, os rituais de rezar e de agradecimento a terra e aos antigos deuses, agora em forma de santos vai ganhando esforços e sendo uma das expressões mantidas nos quatro cantos do país. A partir daí esse trabalho busca por meio da observação participante, trazer na baixada fluminense, não apenas o mapeamento das festas juninas, mas o reconhecer dos atos, gestos, vestuários e contextos históricos em que pesem a formação e manutenção dos grupos juninos ao longo das gerações. Com essa referência almeja-se descortinar os processos que se deram ao longo do tempo e da memória junina coletivamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elis Regina Barbosa Angelo, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Professora da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Referências

ALBUQUERQUE, Teresa Kátia Alves de. As quadrilhas juninas e suas transformações culturais nos festivais folclóricos em boa Vista - Roraima (2001-2011). Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Cultura na Amazônia da Universidade Federal do Amazonas. UFAM/UFRR, 2013.

BRANDÃO, C.R. O caipira de São Paulo. São Paulo: Brasiliense, 1983.

CÂMARA CASCUDO. L. Dicionário do folclore brasileiro. Brasília, DF: Instituto Nacional do Livro, 1972.

CAMPOS, Judas Tadeu de. Festas Juninas nas Escolas: Lições de Preconceitos. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 99, p. 589-606, maio/ago. 2007.

CASTAGNA, Paulo. A música urbana de salão no século XIX. 2003. Apostilas do curso de História da Música Brasileira IA/UNESP. São Paulo, 2003. 15v. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2020.

CASTRO, JRB. Festas Juninas: promotoras de mobilidade espacial e polaridade sazonal. In: Da casa à praça pública: a espetacularização das festas juninas no espaço urbano [online]. Salvador: EDUFBA, 2012, pp. 257-310.

CUCHE, Denys. La notion de culture dans les sciences sociales. Paris: La Découverte, 1996. DOCUMENTÁRIO. Patrimônio Imaterial Iguaçuano: Quadrilhas Juninas, 3 Episódios. Direção: Miguel Nagle. Produção: EncontrArte Visual. Nova Iguaçu: Prefeitura Municipal de Nova Iguaçu, Fundação Educacional e Cultural de Nova Iguaçu-FENIG, Secretaria Municipal de Cultura de Nova Iguaçu, 2021.

FRAZER, James George. The Golden Bough, 1 vol. versão abreviada por Frazer, London: Editor Macmillan, 1922.

FRAZER, Sir James George. O Ramo de Ouro. Versão ilustrada. Prefácio: Professor Darcy Ribeiro Tradução: Waltensir Dutra Zahar Editores, 1982.

G1 RIO. Feira de Sã Cristóvão espera receber mais de 1 milhão de pessoas em seu São João.

Por G1 Rio. 15/06/2018 10h18. Disponível em: < https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/o-que-fazer-no-rio-de-janeiro/noticia/feira-de-sao-cristovao-espera-receber-mais-de-1-milhao-de-pessoas-em-seu-sao-joao.ghtml.> Acesso em: 10/11/2021.

LIPOVETSKY, G. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Editora Barcarolla, 2004.

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das letras, 2015.

MESTRE do saber. Atividades de Alfabetização. Disponível em: https://www.mestredosaber.com.br/27-passos-de-quadrilha-para-festa-junina/. Acesso em 12/05/2021.

MOREIRA, Neomênia Santos. Que Quadrilha É Essa? Busca Por Sentidos Em Uma Dança Em Transformação.Trabalho de Conclusão de Curso: Licenciada em Dança pelo Instituto Federal de Goiás – IFG / Campus Aparecida de Goiânia, 2017.

NORA, Pierre. Entre história e memória. A problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo: PUC, vol.10, n. 10, p. 7-28, dez/1993.

RIBEIRO, Carla Josyanne Schultes. Quadrilhas Juninas: Entre a apropriação da cultura nordestina e a construção da identidade tocantinense. Monografia (Graduação em Comunicação Social) - Curso de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Palmas, 2013.

TINHORÃO, J.R. Cultura popular: temas e questões. São Paulo: Editora 34, 2001.

VOGEL, Lílian. O ciclo junino no cotidiano do povo paulista. Anais eletrônicos do XVI Congresso Brasileiro de Folclore - UFSC, Florianópolis, 14 a 18 de outubro de 2013. pp.1-9.

WILLEMS, E. Cunha: tradição e transição em uma cultura rural do Brasil. São Paulo: Secretaria da Agricultura do Estado de São Paulo, 1947.

ZAMITH, Rosa Maria. A dança da quadrilha na Cidade do Rio de Janeiro: sua importância na sociedade oitocentista. Textos escolhidos de cultura e arte populares, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 113-132, 2007.

ZARATIM, Samuel Ribeiro. A importância da produção de conhecimento histórico das quadrilhas juninas em Goiânia para a historiografia junina. In: ALMEIDA, Flavio Aparecido de.

Ensino de História histórias, memórias, perspectivas e interfaces. Guarujá: Científica Digital, 2021. pp.27-39. Disponível em: <https://downloads.editoracientifica.org/articles/210404140.pdf>. Acesso em 03/08/2021.

Entrevistas

PORTO, Wagner Vinícius Leite. Grupos de Quadrilhas e seus sentidos na construção do patrimônio cultural. [Entrevista concedida a Brenda Evelyn Chiaromonte Barreto] Projeto do

BIEXT, UFRRJ. Nova Iguaçu, Rio de Janeiro, 25 de julho de 2021, orientada pela professora Dra. Elis Regina Barbosa Angelo.

SOUZA, Sérgio Borges de. Grupos de Quadrilhas e seus sentidos na construção do patrimônio cultural. [Entrevista concedida a Brenda Evelyn Chiaromonte Barreto] Projeto do BIEXT, UFRRJ. Nova Iguaçu, Rio de Janeiro, 25 de julho de 2021, orientada pela professora Dra. Elis Regina Barbosa Angelo.

LUIZ, Milton. [Entrevista concedida ao documentário Patrimônio Imaterial Iguaçuano: Quadrilhas Juninas em 3 episódios] Direção: Miguel Nagle; Produção: EncontrArte Nova Iguaçu: Prefeitura Municipal de Nova Iguaçu, FENIG, Secretaria de Cultura de Nova Iguaçu, 2021.

Downloads

Publicado

2022-06-13

Como Citar

Angelo, E. R. B. . (2022). As festas juninas no Rio de Janeiro: entre o fazer e o manter nas relações sociais. Cadernos CERU, 33(1), 171-191. https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v33i1p171-191