Faces da guerra

  • Camila Gonçalves De Mario Pontíficia Universidade Católica de Campinas
Palavras-chave: Tanato-política, Tecnologia, Violência.

Resumo

Este artigo desenvolve uma reflexão sobre as características e significados da guerra com base no documentário Falcão, meninos do tráfico, de MV Bill e Celso Athayde. Trata-se de uma forma de guerra cujo discurso legitimador está pautado na inevitabilidade, em uma sensação de que não há outro caminho possível e na prevenção de uma provável violência, pior do que a praticada pela guerra. É um discurso que encontra seu espaço na institucionalização do medo, na supressão do sujeito de direito e na perda do humano. É a banalização da vida e da morte em favorecimento de uma razão técnica. Falcão, com base no depoimento de “meninos” envolvidos no tráfico de drogas em uma favela carioca, busca explorar o lado que a sociedade se esforça por manter obscuro, desconhecido, a vida e as razões de quem escolhe, “por falta de opção”, a vida do tráfico ou, como eles dizem, “a firma”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Gonçalves De Mario, Pontíficia Universidade Católica de Campinas
Mestre em Urbanismo (PUC de Campinas), linha de pesquisa: Gestão Urbana, doutoranda em Ciências Sociais(IFCH – UNICAMP), linha de pesquisa: Transformações sociais e políticas públicas
Como Citar
De Mario, C. (1). Faces da guerra. Cadernos CERU, 22(2), 95-108. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/ceru/article/view/48161
Seção
Dossiê Amazônia