AS MUAMBEIRAS NOS SUBTERRÂNEOS DAS CADEIAS GLOBAIS DE MERCADORIAS: O CASO DAS SACOLEIRAS AFRICANAS NO CIRCUITO COMERCIAL ENTRE SÃO PAULO (BRÁS) E ANGOLA

Autores

  • Paulo Gomes Vaz Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v24i2p195-213

Palavras-chave:

Informalidade, Mulher Africana, Commodity Chains, Mobilidade Internacional

Resumo

Este estudo tem como objetivo principal observar sociológica e antropologicamente o desencadeamento das novas manifestações de trabalho que subsistem de forma engenhosa ao desemprego formal, tomando como objeto o caso das sacoleiras de Angola e Guiné Bissau que vêm para São Paulo comprar artigos de consumo a serem revendidos em seus países. Localizamos aí um processo de feminização do trabalho, em um contexto de mobilidade espacial das africanas que transitam entre o espaço urbano interno e externo, nacional e global.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Gomes Vaz, Universidade Estadual de Campinas

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo em 2006 e Mestre em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas-Unicamp, em 2011

Downloads

Como Citar

Vaz, P. G. (2013). AS MUAMBEIRAS NOS SUBTERRÂNEOS DAS CADEIAS GLOBAIS DE MERCADORIAS: O CASO DAS SACOLEIRAS AFRICANAS NO CIRCUITO COMERCIAL ENTRE SÃO PAULO (BRÁS) E ANGOLA. Cadernos CERU, 24(2), 195-213. https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v24i2p195-213

Edição

Seção

Dossiê Amazônia