[1]
M. da G. J. Setton, “CLUBES DE SERVIÇO OU "CLUBES DE CAPITAL SOCIAL E SIMBÓLICO"”, Cad. Ceru, vol. 7, nº 1, p. 135-148, jan. 1996.