Foco e escopo

 

A CINEstesia terá uma publicação anual de estudantes universitários com caráter interdisciplinar, pois busca, no diálogo entre diferentes áreas do conhecimento humano, sua contribuição científico-acadêmica. Embora esse diálogo seja abrangente, o pilar sustentador de tal transdisciplinaridade é o cinema – graças a seu poder altamente aglutinador.

Sendo um periódico estudantil, este é constitu´ído por discentes das mais diversas esferas das Humanidades (desde Geografia a Jornalismo, de História a Direito, entre outras) com o intuito de reforçar e sustentar sua condição universalizante. Voltada para a comunidade de graduandos, a revista divulga e promove as criações daqueles que são os menos privilegiados quanto ao espaço de difusão de seu conhecimento científico adquirido.

O periódico abarca em seu conteúdo produções textuais inéditas de artigos, ensaios, resenhas e traduções (do inglês/espanhol para português) que sigam as diretrizes da revista e da edição a qual se refere, as normas de suas respectivas seções e as normas ABNT de publicação, principalmente. A revista publica contribuições que estejam em português.

  

Processo de avaliação pelos pares

 

Os textos submetidos à avaliação devem ser originais, considerando-se autor todo aquele que tenha efetivamente participado da concepção do estudo, do desenvolvimento, análise e interpretação dos dados e da redação final, e devem ser inéditos, nunca publicados e nem em processo de avaliação concomitante por uma outra revista.

A avaliação dos textos recebidos pela revista CINEstesia é realizada por método duplo-cego, segundo o qual, para cada texto submetido, haverá dois pareceristas os quais serão anônimos entre si e entre o autor do texto, recurso esse que visa evitar arbitrariedade bem como fortalecer a eficiência nas análises científicas e técnicas, assegurando, nesse sentido, a imparcialidade e a qualidade nas publicações. Para isso, solicitamos que os autores excluam do texto o próprio nome, substituindo com “Autor” as auto-referências necessárias. Nos documentos do Microsoft Office, a identidade do autor deve ser removida das propriedades do documento (no menu Arquivo > Propriedades), iniciando em Arquivo, no menu principal, e clicando na sequência: Salvar como... > Ferramentas (ou Opções, no caso de Mac) > Opções de segurança... > Remover informações pessoais do arquivo ao salvar > OK > Salvar.

Todos os textos recebidos serão analisados pela Comissão Editorial e, se considerados adequados à linha editorial da revista, serão enviados à avaliação por membros do Comitê Científico, e, em seguida, à avaliação pelos pareceristas indicados. Estas últimas avaliações se atentarão especialmente, quanto aos textos, à observância das normas editoriais, coerência interna do texto, pertinência do conteúdo do original, alinhamento às diretrizes do periódico e ao tema da edição, e contribuição para a inovação do conhecimento na área.

Cada texto receberá o parecer anônimo de, no mínimo, duas pessoas convidadas. O resultado dos pareceres poderá ser: “Deferido”, “Deferido com modificações simples”, “Deferido com modificações substantivas” e “Indeferido”. Caso existam pareceres conflitantes, a Comissão poderá, a seu critério, enviar o trabalho a um terceiro parecerista. O autor será informado sobre todas as etapas do processo. O resultado da avaliação será comunicado por e-mail, com notificação de aceitação ou recusa do texto, ou solicitação para realizar modificações. Por fim, tendo sido o texto aprovado para publicação na edição pretendida, o aviso também será feito por e-mail. O momento da publicação das contribuições recebidas - artigos, ensaios, resenhas e traduções - será decidido pela Coordenação e Comissão editoriais.

 

Periodicidade

 

A CINEstesia tem periodicidade anual, sendo publicada em formato eletrônico PDF.

 

Política de acesso livre

 

Esta revista oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização do conhecimento.

 

História da revista

 

Idealizada por estudantes de diferentes áreas de Humanidades - Geografia, História, Letras e Relações Internacionais - a CINEstesia surgiu como uma ramificação do Projeto CineGRI. O CineGRI já se propunha a promover o debate acadêmico e universitário relacionado à geopolítica e às relações internacionais além dos muros da universidade, utilizando o cinema como ferramenta didática, graças ao seu caráter altamente universalizante e plural. Dessa forma, por meio do blog, o projeto desenvolvia reflexões críticas acerca de temáticas pontuais, sempre relacionadas a esses eixos estruturantes, tendo o cinema como ferramenta primordial para pautar as temáticas de produções acadêmicas e promovê-las de forma democrática, uma vez que a arte cinematográfica é capaz de enveredar todo tipo de público, assim como todo tipo de temática. 

"[...] para Jean Cocteau, 'um filme é uma escrita em imagens', enquanto que Alexandre Arnoux considera que 'o cinema é uma linguagem de imagens com o seu vocabulário próprio, a sua sintaxe, flexões, elipses, convenções, gramática'; Jean Epstein vê nele 'a língua universal', e Louis Delluc afirma que 'um bom filme é um bom teorema'"

Ainda que bastante enriquecedora, em determinado momento, essa proposta passou a não mais ser suficiente. Os membros do CineGRI passaram a sentir a necessidade de expandir essa possibilidade. Em 2016, nasce, de maneira embrionária, a revista estudantil eletrônica CINEstesia, se propondo a ser um espaço de publicação científico-acadêmica interdisciplinar cujo cerne se debruça sobre o cinema. O periódico, gerido por graduandos e pós-graduandos, pretende abarcar as diversas produções de estudantes de graduação como forma de abrir um espaço comumente restrito para estes, permitindo que não só o debate se torno mais democrático e acessível, como também sua produção. 

O caráter interdisciplinar é também expresso no nome da revista. "Cinestesia" é a combinação das palavras "cinema" e "sinestesia", sendo essa última usada para se referir a um conjunto de sensações interligadas que se encontram em planos sensoriais distintos. Geralmente apresentada em figuras de linguagem, a sinestesia ocorre quando uma palavra tradicionalmente empregada para descrever um sentido (como, por exemplo, um cheiro) é utilizada para representar outro (um gosto, uma cor, uma textura, etc.), explorando relações entre termos com usos e significados distintos, mas os quais evocam imagens, percepções e sensações similares e intimamente ligadas. De maneira similar, a CINEstesia propõe explorar os sentidos em comum – ainda que nem sempre explícitos – entre diferentes áreas do saber.