Ensaio sobre o experimental no curta-metragem brasileiro contemporâneo

Autores

  • Isabella Stefanini Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2675-7265.v1i1p36-49

Palavras-chave:

cinema brasileiro, curta-metragem, filme experimental, artes visuais, festival de cinema

Resumo

Emprestando dos escritos e o estilo do Jairo Ferreira, o ensaio retoma o que já foi o exercício experimental no país e investiga o que o passado pode dizer sobre o que significa inovar no presente. O curta-metragem foi essencial para a iniciação no cinema dos grandes nomes do Cinema Novo: Cacá Diegues, Glauber Rocha, Rogério Sganzerla, Paulo César Saraceni – todos experimentaram no formato menor. Embora hoje seja ainda verdade que muitos dos novos cineastas começam fazendo carreira em festivais com filme curta, cineasta amador não é sinônimo de cineasta experimental. Os festivais de cinema do país institucionalizaram o termo “experimental” como um dos possíveis gêneros de realização de um filme. Por meio da análise de três curtas-metragens nacionais realizados entre 2010 e 2017, o ensaio busca investigar o que é realmente a atividade de cinema de invenção no Brasil hoje. São apresentadas, ainda, hipóteses sobre a intersecção das cenas de produção de filme curta e a de filme experimental como ambas práticas marginais ao grande público, que é majoritariamente alimentado pela lógica narrativo-industrial do cinema mainstream. Entre pensamentos da história das artes, a reprodutibilidade técnica e a emancipação do cinema, o ensaio traz também o debate de arte versus indústria, ou o trabalho de artistas e o de fazedores de filmes.

Referências

ADORNO, Theodor. Notas sobre o filme (1966). In: Cohn, Gabriel (org.). Theodor W. Adorno. São Paulo, Ática, 1986

COCCHIARALE, Fernando (curad.); PARENTE, André (text.). Filmes de artista: Brasil, 1965-80. Rio de Janeiro, RJ: Metropolis: Contra Capa, 2007

CURTIS, David. A history of artists' film and video in Britain. London: BFI, 2007

EXPERIMENTAL cinema: the film reader. Edição de Wheeler W. Dixon, Gwendolyn Audrey Foster. London: Routledge, 2002

ENCICLOPEDIA do cinema brasileiro. Coautoria de Fernão Pessoa Ramos, Luiz Felipe Miranda. 2. Ed

FERREIRA, Jairo. Cinema de invenção. São Paulo, SP: M. Limonad: EMBRAFILME, 1986

HISTORIA do cinema mundial. Coautoria de Fernando Mascarello. 3. ed. Campinas, SP: Papirus, 2008

LE GRICE, Malcolm. Experimental cinema in the digital age. London: BFI, 2001

MACDONALD, Scott. Avant-garde film: motion studies. Cambridge [Inglaterra]; New York, NY: Cambridge University Press, 1993

NASSAR, Kety Fernandes (Coord.). Rumos cinema e vídeo: linguagem expandidas 2012-2014. Organização de Claudiney José Ferreira; Tradução de Carmen Caballa. 7. ed. São Paulo, SP: Itaú Cultural, 2014

O FILME curto. São Paulo, SP: Centro de Pesquisa de Arte Brasileira, 1980 2v.

POUND, Ezra. ABC da literatura. São Paulo: Cultrix, 2006

RAMOS, Fernão Pessoa. Mas afinal...o que e mesmo documentário?. São Paulo, SP: SENAC São Paulo, 2008

REES, A. L. A history of experimental film and video: from the canonical avant-garde to contemporary British practice. London: BFI, 1999

XAVIER, Ismail. O discurso cinematografico : a opacidade e a transparencia. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1977

Downloads

Publicado

2020-09-10

Edição

Seção

Artigos e resenhas - Dossiê