Imre Kertész e o desterro humano

  • Paulo Schiller

Resumo

Vocês convidaram um tradutor e ganharam de contrabando um psicanalista.
Obrigado pelo convite.
Esse evento de hoje ressalta, cada vez mais, a importância de se trabalhar a
literatura de testemunho. Trata-se de uma literatura cujos representantes escasseiam, pois existem cada vez menos pessoas vivas daquele período. Esses escritores nos deixaram sua obra para que não fossem esquecidos e para que jamais deixássemos de elaborar novas reflexões a partir delas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Schiller
Paulo Schiller é pediatra, psicanalista e tradutor do húngaro, do inglês e do francês. Do húngaro, traduziu obras de Sándor Márai, como Confissões de um Burguês, De Verdade, O legado de Eszter, Libertação, Rebeldes, Veredicto de Canudos; de Ferenc Molnár – autor do aclamado Os Meninos da Rua Paulo –, O poste de Vapor; de Imre Kertész – Nobel de Literatura de 2002 –, A língua exilada, Liquidação e de Péter Esterházi – convidado da FLIP 2011 –, Os Verbos Auxiliares do Coração, Uma Mulher; do inglês, obras de Nicole Krauss, Nuruddin Farah, Jed Rubenfeld
e Israel Rosenfield. Pela tradução de O legado de Eszter (Companhia das Letras), de Sándor Márai, recebeu o prêmio APCA de tradução em 2001. Com a tradução de O companheiro de viagem (Cosac Naify), de Gyula Krúdy, foi finalista do prêmio Jabuti em 2002. Escreve resenhas literárias para os jornais O Estado de São Paulo e Folha de São Paulo.
Publicado
2017-05-05
Como Citar
Schiller, P. (2017). Imre Kertész e o desterro humano. Cadernos De Literatura Em Tradução, (17), 125-129. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/clt/article/view/131850
Seção
“Psicanálise e Literatura – Imre Kertész e o desterro humano”