“Três árias” de Frank O’Hara

  • Beatriz Bastos Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Frank O’Hara, tradução, poesia

Resumo

Neste trabalho, além de uma breve introdução ao poeta norte-americano Frank O’Hara, propomos uma tradução comentada do poema “Three airs”, que nos parece representativo da estética de O’Hara em sua busca por movimento e abertura. Enquanto proposta tradutória, procuramos não perder de vista a complexidade do texto poético e seus diversos níveis de efeitos – semânticos, rítmicos, prosódicos, etc – empenhando-nos em traduzir ao menos uma boa parte desses aspectos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Bastos, Universidade Federal Fluminense

Beatriz Bastos (Rio de Janeiro, 1979) é professora e tradutora. Publicou os livros de poesia Pandora – Fósforos de Segurança (Editora Azougue, 2003, em coautoria com Fernanda Branco) e Da Ilha (Editacuja, 2009). Fez mestrado e doutorado em tradução de poesia (PUC-Rio, 2008-2014). Atualmente realiza pesquisa de pós-doutorado sobre as cartas de Guimarães Rosa aos seus tradutores (Departamento de Ciências da Linguagem – UFF). Entre outros, publicou os artigos “O sentido e o som: três teorias da tradução de poesia em diálogo” na Revista TradTerm, em 2012, e “Poesia e tradução: sobre ‘presença” na Revista de Letras da Unesp, em 2009. Publicou versões em inglês de poemas de Hilda Hilst na revista Metamorphoses, do Smith College, em 2013. Traduziu, juntamente com Ismar Tirelli Neto, o livro Silêncio, de John Cage (Editora Cobogó, no prelo). Organizou e traduziu, juntamente com Paulo Henriques Britto, a antologia Meu coração está no bolso, com poemas de Frank O’Hara (Luna Parque, 2017). Contato: bebatriz@gmail.com

Publicado
2017-09-30
Como Citar
Bastos, B. (2017). “Três árias” de Frank O’Hara. Cadernos De Literatura Em Tradução, (18), 153-163. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/clt/article/view/138652
Seção
Artigos