Infância, poesia e horror: traduções dos poemas das crianças do campo de concentração nazista de Terezín

Autores

  • Luciane Bonace Lopes Fernandes Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2359-5388.i23p67-86

Palavras-chave:

Poesia, Infância, Campo de Terezín

Resumo

Este artigo apresenta e discute brevemente sete poemas realizados por crianças e jovens durante a Segunda Guerra Mundial no campo de concentração nazista de Terezín, escritos originalmente em língua tcheca e traduzidos para a língua portuguesa, com o objetivo de corroborar os estudos e pesquisas sobre o Holocausto, auxiliando a construção de conhecimento sobre as percepções de crianças e jovens em relação ao universo concentracionário. A metodologia se pautou na identificação e leitura de material bibliográfico. De forma geral, esses poemas expressam diferentes aspectos do universo concentracionário e revelam a ampla consciência do meio e grande sensibilidade expressiva dos autores, apesar da pouca idade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciane Bonace Lopes Fernandes, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Professora, pesquisadora, formadora de professores, autora e elaboradora de livros e outros materiais didáticos. Graduada em Desenho Industrial (Universidade Mackenzie), Licenciada em Educação Artística (Belas Artes de São Paulo), Mestre em Estética e História da Arte (Interunidades ECA/FAU/FFLCH), Doutora em Educação (USP), Pós-Doutora em Metodologia do Ensino e Educação Comparada (USP), Pós-Doutora em Línguas Orientais – Hebraico (USP) e Pós-Doutoranda em Teoria Literária e Literatura Comparada (USP). Membro do grupo de pesquisa Produções literárias e culturais para crianças e jovens (CNPq/FFLCH-USP).

Referências

ANDRÉ, Thaily Viviane. As crianças no gueto de Lodz: vidas e mortes no segundo maior gueto judeu da Polônia ocupada, 1941-1944. 243 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Judaicos e Árabes) Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2018.

ADORNO, Theodor W. Educação após Auschwitz. In: Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ADORNO, Theodor W. Crítica cultural e sociedade. In: Primas: Crítica cultural e sociedade. São Paulo: Ática, 1998.

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha (Homo Sacer III). São Paulo: Boitempo, 2008.

ARENDT, Hannah. Os campos de concentração. Tradução: Rafael Rocca dos Santos. Cadernos de Língua e Literatura Hebraica, n. 15, p. 280-305, 2017.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e Holocausto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BAUMAN, Zygmunt. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

BETTELHEIM, Bruno. O coração informado: autonomia na era da massificação. 2 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória: Ensaios de Psicologia Social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

BRENNER, Hannelore. As meninas do quarto 28: amizade, esperança e sobrevivência em Theresienstadt. São Paulo: LeYa, 2014.

CAMPOS, Haroldo de. Da tradução como criação e como crítica. In: Metalinguagem e outras metas: ensaios de teoria e crítica literária. Rio de Janeiro: Vozes, 1967.

FERNANDES, Luciane Bonace Lopes. Concepções do universo concentracionário: diálogos entre os poemas e desenhos das crianças de Terezín. 2018, 127 f. + anexos. Relatório Final (Pós-Doutorado em Metodologia do Ensino e Educação Comparada) Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. São Paulo.

FERNANDES, Luciane Bonace Lopes. Pelos olhos da criança: concepções do universo concentracionário nos desenhos de Terezín. 2015, 468 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

FRANKL, Viktor Emil. El hombre en busca de sentido. 10° ed. Barcelona: Herder, 1989.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

GINZBURG, Jaime. Theodor Adorno e a poesia em tempos sombrios. Revista Alea, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 1, jan/jul 2003.

GRUENBAUM, Thelma. Nesarim: child survivor of Terezín. Portland: Vallentine Mitchell, 2004.

HEISE, Eloá. Poesia após Auschwitz. In: SOUSA, Celeste Ribeiro de (Org.). Poéticas da violência: da bomba atômica ao 11 de setembro. São Paulo: Humanitas, 2008.

HRIBKOVÁ, Hana. Jirí Weil: a scientist and initiator of exhibitions of children’s drawings from Terezín. Centro de Estudo do Holocausto e da Literatura Judaica. Faculdade de Filosofia da Charles University de Praga, República Tcheca. [Online]. Disponível em http://sites.ff.cuni.cz/holokaust/wp-content/uploads/sites/122/2013/11/hana-hribkova-Jirí-weil-a-scientist-and-initiator-of-exhibitions.pdf. Acesso em jul. 2017.

ITURBE, Antonio G. A bibliotecária de Auschwitz: um romance baseado numa história real. Rio de Janeiro: Agir, 2014.

JAFFE, Noemi. O que os cegos estão sonhando? Com o Diário de Lili Jaffe, 1944-1945. São Paulo: Editora 34, 2012.

JAKOBSON, Roman Ossipovitch. O que é a poesia? In: TOLEDO, Dionísio; KRISTEVA, Julia (Orgs.). Círculo linguístico de Praga: estruturalismo e semiologia. Porto Alegre: Globo, 1978.

JAKOBSON, Roman Ossipovitch. O que fazem os poetas com as palavras. Revista Colóquio/Letras, Lisboa, n 12. p. 5-9. mar. 1973.

KERMODE, Frank. Um apetite pela poesia: ensaios de interpretação literária. São Paulo: Edusp, 1993.

KLÜGER, Ruth. Paisagens da memória: autobiografia de uma sobrevivente do Holocausto. São Paulo: Editora 34, 2005.

KŘÍŽKOVÁ, Marie Rút; KOTOUČ, Kurt Jiří; ORNEST, Zdeněk. We are children just the same: VEDEM, the secret magazine by the boys of Terezín. Estados Unidos: Paul R. Wilson, 1994.

KULKA, Otto Dov. Paisagens da metrópole da morte: reflexões sobre a memória e a imaginação. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

LEIRNER, Giselda. Nas águas do mesmo rio. São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.

LERNER, Silvia Rosa Nossek; BORGES, Sônia. A arte produzida durante o holocausto. WebMosaica – Revista do Instituto Cultural Judaico Marc Chagall. Rio Grande do Sul, v. 4, n 1, jan/jun, 2012. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/webmosaica/article/view/31824. Acesso em abr. 2015.

LEVI, Primo. É isto um homem? Rio de Janeiro: Rocco, 1988.

LEVI, Primo. Os afogados e os sobreviventes: os delitos, os castigos, as penas, as impunidades. 2 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

LEVI, Primo. A trégua. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

MAKAROVA, Elena. Friedl Dicker-Brandeis: Vienna 1898 – Auschwitz 1944. Estados Unidos: Tallfelow Press, 1999.

MARKO, Leslie Evelyn Ruth. Teatro de Sami Feder: espaço poético de resistência nos tempos do Holocausto (1933-1950). 414 f. Tese (Doutorado em Letrais Orientais) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2016.

MAURO, Cláudia Fernanda de Campos. O mito de Ulisses em Se questo é um uomo. Revista Let., São Paulo, v. 52, n. 1, p. 37-49, jan/jun 2012.

MUNKOVÁ, Alena. Entrevista. [s.d.]. Centropa. Instituto Histórico Judeu de Viena. Disponível em: http://www.centropa.org/biography/alena-munkova. Acesso em jan. 2018.

NAUROSKI, Silvia Aparecida. Caminho poético e a experiência do Holocausto na obra de Rose Aüslander. 137 f. + anexos. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2008.

RUBIN, Susan Goldman. Fireflies in the dark. The story of Friedl Dicker-Brandeis and the children of Terezín. New York: Scholastic, 2000.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Imagens de Terezín: a arte entre o testemunho e a resistência. Revista 18: Centro de Cultura Judaica, São Paulo, Ano III, (09), p. 32-33, set/out/nov. 2004.

SELIGMANN-SILVA, Márcio (Org.). História, Memória, Literatura: o testemunho na era das catástrofes, Campinas: Editora UNICAMP, 2003.

STAIGER, Emil. Conceitos fundamentais da poética. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

THOMSON, Ruth. Terezín: voices from Holocaust. Somerville: Candlewick Press, 2011.

TODOROV, Tzvetan. Diante do extremo. São Paulo: Editora UNESP, 2017.

VOLAVKOVÁ, Hana. … I never saw another butterfly… Children’s drawings and poems from Terezín concentration camp, 1942-1944. Praga: Schocken Books, 1978.

WALDMAN. Berta. Badenheim, 1939: escritura e violência. In: SOUSA, Celeste Ribeiro de (Org.). Poéticas da violência. Da bomba atômica ao 11 de setembro. São Paulo: Humanitas, 2008.

WEISS, Helga. O diário de Helga Weiss: o relato de uma menina sobre a vida em um campo de concentração. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2013.

WIESEL, Elie. A noite. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.

Sites

Base de dados das vítimas do Holocausto na República Tcheca: http://www.holocaust.cz/

Museu Judeu de Praga: http://www.jewishmuseum.cz/

The Central Database of Shoah Victims’ Names: http://db.yadvashem.org/names/search.html?language=en

Downloads

Publicado

2021-07-12

Como Citar

Fernandes, L. B. L. . (2021). Infância, poesia e horror: traduções dos poemas das crianças do campo de concentração nazista de Terezín. Cadernos De Literatura Em Tradução, (23), 67-86. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5388.i23p67-86

Edição

Seção

Poesia