Samuel Beckett, o poeta entre as ruínas

Autores

  • Alan Cardoso da Silva Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2359-5388.i23p87-101

Palavras-chave:

Tradução comentada, Tradução poética, Transcriação, Samuel Beckett, Beckett Antifascista

Resumo

Com este trabalho apresento a minha tradução para três poemas do escritor irlandês Samuel Beckett, ainda inéditos no português do Brasil (“Dieppe”, “Saint-Lô” e “Antipepsis”), os quais serão analisados como “poemas de guerra”, visto que o autor os escreveu enquanto resistia ao progresso do nazismo na França. A relevância desse trabalho se dá como contribuição aos estudos acerca da poesia de Beckett (autor mais notadamente lembrado como dramaturgo e romancista do que como poeta). Esses três poemas foram escolhidos como uma proposta de rememoração de um “Beckett antifascista”. A leitora e o leitor encontrarão minhas traduções ao lado dos poemas originais, seguidos de comentários que explicam as decisões tradutórias, além de fornecer interpretações para os poemas originais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alan Cardoso da Silva, Universidade Federal Fluminense

Graduando em Letras Português-Literaturas pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e estudante do Núcleo de Tradução e Criação (NTC/UFF), onde desenvolveu monografia sobre a tradução de poemas antifascistas de Samuel Beckett. Seu livro de poesia Aught foi publicado pela Editora Trevo, em maio de 2020. Além disso, tem poemas publicados nas revistas Ruído Manifesto e Mallarmargens.

Referências

BECKETT, Samuel. Ossos de Eco. Trad. Caetano W. Galindo e Rogério W. Galindo. São Paulo: Editora Globo, 2015.

BECKETT, Samuel. The Collected Poems of Samuel Beckett. Seán Lawlor e John Pilling (ed.). Nova York: Grove Press, 2012.

BERMAN, Antoine. A tradução e a letra ou o albergue do longínquo. Trad. Marie-Hélène C. Torres, Mauri Furlan, Andreia Guerini. Florianópolis: PGET/UFSC, 2013.

BOA, Stephen. Reading Self-Resistance in the Works of Samuel Becket. Montreal: Université de Montréal, 1997. Disponível em: collectionscanada.gc.ca/obj/s4/f2/dsk3/ftp04/nq43468.pdf. Acesso em: 25 fev. 2021.

BRITTO, Paulo Henriques. A tradução literária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2012.

CAMPOS, Haroldo de. Da tradução como criação e como crítica. In: NÓBREGA, Thelma Médici; TÁPIA, Marcelo (org.). Haroldo de Campos – Transcriação. São Paulo: Editora Perspectiva, 2013.

FALEIROS, Álvaro. Traduzir o poema. São Paulo: Ateliê Editorial, 2012.

KEMPINSKA, Olga. Tédio na leitura de Beckett. In: outra travessia, nº 22, segundo semestre de 2016, p. 193-208. Florianópolis, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/Outra/article/view/2176-8552.2016n22p193 Acesso em 25 fev. 2021.

LANGLOIS, Christopher. Samuel Beckett and the Terror of Literature. Reino Unido: Edinburgh University Press, 2017.

LARANJEIRA, Mário. Poética da Tradução: do Sentido à Significância. 2° edição. São Paulo: Edusp, 2003.

MCDONALD, Rónán. The Cambridge Introduction to Samuel Beckett. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

PAZ, Octávio. Poesia de solidão e poesia de comunhão. In: JARDIM, Eduardo (org. e trad.). A busca do presente e outros ensaios. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2017.

PAZ, Octávio. Tradução, literatura e literalidade. Trad. Doralice Alvez de Queiroz. Viva Voz. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2009.

PILLING, John. Beckett Before Godot. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

RÓNAI, Paulo. A Tradução Vivida. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1981.

Downloads

Publicado

2021-07-12

Como Citar

Silva, A. C. da . (2021). Samuel Beckett, o poeta entre as ruínas. Cadernos De Literatura Em Tradução, (23), 87-101. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5388.i23p87-101

Edição

Seção

Poesia