Traduzindo Roberto Arlt: o caso de “El cazador de orquídeas”

Autores

  • Aline Almeida Duvoisin Universidade Federal de Pelotas
  • Juliana Steil Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2359-5388.i23p187-219

Palavras-chave:

Roberto Arlt, El criador de gorilas, El cazador de orquídeas, Tradução literária, Oralidade

Resumo

O presente artigo comenta uma tradução de “El cazador de orquídeas”, de Roberto Arlt. Depois de apresentar o conto e de situá-lo brevemente no projeto criativo do autor, o comentário concentra-se na discussão das decisões tradutórias referentes a marcas de oralidade fonéticas, lexicais e morfossintáticas, tomando como referência a reflexão de Britto (2012). A tradução completa do conto encontra-se ao final do trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Almeida Duvoisin, Universidade Federal de Pelotas

Aline Almeida Duvoisin é mestra em Comunicação e Informação e bacharel em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente cursa bacharelado em Letras Tradução Espanhol-Português na Universidade Federal de Pelotas, onde desenvolve pesquisa sobre tradução literária.

Juliana Steil, Universidade Federal de Pelotas

Juliana Steil ensina teoria e história da tradução na Universidade Federal de Pelotas desde 2013, e traduz literatura e textos acadêmicos do campo das humanidades.

Referências

ARLT, Roberto. Armadilha mortal. Tradução de Sergio Faraco. Porto Alegre: L&PM, 1997.

ARLT, Roberto. A vida porca. Tradução de Davidson Diniz. Belo Horizonte: Relicário, 2014.

ARLT, Roberto. El criador de gorilas. Buenos Aires: Compañía General Fabril, 1969.

ARLT, Roberto. O brinquedo raivoso. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: Iluminuras, 2013.

ARLT, Roberto. Ódio de outra vida. Tradução de Fabio Bortolazzo Pinto. Cadernos de tradução, Porto Alegre, n. 42, p. 127-135, 2018.

BARRETTO, Eleonora Frenkel; COSTA, Walter Carlos. Roberto Arlt, do arrabal porteño à academia brasileira. Fragmentos, Florianópolis, n. 32, p. 33-38, jan./jun.2007.

BASSNETT, Susan; LEFEVERE, André. Prefácio geral dos organizadores. In: LEVE-FERE, André. Tradução, reescrita e manipulação da fama literária. Tradução de Claudia Matos Seligmann. Bauru: Edusp, 2007.

BRITTO, Paulo Henriques. A tradução literária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

GNUTZMANN, Rita. Los cuentos marroquíes de El criador de gorilas. Fragmentos, Flo-rianópolis, n. 32, p. 91-99, jan./jun. 2007.

GOBELLO, José; OLIVIERI, Marcelo H.Lunfardo: curso básico y diccionario. Buenos Aires: Libertador, 2010.

JORDAN, Paul. Roberto Arlt y los años sesenta: crítica y recepción. Fragmentos, Florianó-polis, n. 32, p. 23-32, jan./jun. 2007.

KULIKOWSKI, María Zulma M. Roberto Arlt: a experiência radical da escritura. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. Revista USP, São Paulo, n. 47, p. 105-128, set./nov. 2000.

LEVEFERE, André. Tradução, reescrita e manipulação da fama literária. Tradução de Claudia Matos Seligmann. Bauru: Edusp, 2007.

PINTO, Fabio Bortolazzo. Prólogo. In: ARLT, Roberto. Ódio de outra vida. Cadernos de tradução, Porto Alegre, n. 42, p. 127-135, 2018.

PYM, Anthony. Translation and Text Transfer: An Essay on the Principles of Intercultural Communication. Tarragona: Intercultural Studies Group, 2010.

RIBEIRO, Maria Paula Gurgel. Prólogo. In: ARLT, Roberto. Viagem terrível. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: Iluminuras, 1999.

SWINBURN, Pedro Maino. El criador de gorilas de Roberto Arlt: La renuncia a la otredad. Espéculo, Revista de Estudios Literarios, Madrid, n. 39, 2008.

Downloads

Publicado

2021-07-12

Como Citar

Duvoisin, A. A. ., & Steil, J. . (2021). Traduzindo Roberto Arlt: o caso de “El cazador de orquídeas”. Cadernos De Literatura Em Tradução, (23), 187-219. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5388.i23p187-219

Edição

Seção

Prosa