Estudo baseado em corpus das traduções para o inglês do vocábulo coisa em Água Viva de Clarice Lispector

Autores

  • Emiliana Fernandes Bonalumi Universidade Federal de Rondonópolis
  • Diva Cardoso de Camargo Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - campus de São José do Rio Preto

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2359-5388.i26p269-285

Palavras-chave:

Estudos da tradução baseados em corpus, Vocábulo recorrente e preferencial, Literatura brasileira traduzida, Clarice Lispector

Resumo

Clarice Lispector é uma escritora de grande notoriedade dentro e fora do Brasil. Este artigo aborda as traduções de quatro frases lexicais (FLs) provenientes do vocábulo coisa em Água Viva, da Autora. Analisamos a obra e as traduções para o inglês de 1989 por Earl Fitz e Elizabeth Lowe, e a de 2012 por Stefan Tobler. Utilizamos a ferramenta computacional WordSmith Tools (Scott, 1999), a fim de gerar uma lista dos vocábulos recorrentes e preferenciais da obra. Selecionamos o vocábulo coisa, uma vez que foi o terceiro na lista de palavras, além de sua importância no romance. Este estudo fundamentou-se nos estudos da tradução baseados em corpus de Baker (1993, 1995, 1996, 1999, 2004a, 2004b), nos princípios da linguística de corpus de Berber Sardinha (2000, 2004), assim como na abordagem interdisciplinar de YYY (2005, 2007). O intuito foi analisar se houve variação e identificar as semelhanças e diferenças encontradas nas FLs selecionadas. Verificamos que houve mais aproximações entre a obra original e a traduzida de 1989; já, em relação ao original e à tradução de 2012, observou-se mais distanciamentos, isto é, foram utilizadas mais variações na obra traduzida de 2012 se comparada com a tradução de 1989.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

LISPECTOR, C. The Stream of Life. Tradução de Elizabeth Lowe e Earl Fitz, Minneapolis: University of Minnesota Press, 1989.

LISPECTOR, C. Água Viva. Rio de Janeiro, Rocco, ([1973], 1998.

LISPECTOR, C. Água Viva. Tradução de Stefan Tobler, New York: Penguin, 2012.

BAKER, M. “Corpus linguistics and translation studies: implications and applications”. In: BAKER, M.; FRANCIS, G.; TOGNINI-BONELLI, E. (eds.). Text and technology: In honour of John Sinclair. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 1993, p. 233-250.

BAKER, M. Corpora in translation studies: an overview and some suggestions for future research. Target, v. 7.2, p. 223-243, 1995.

BAKER, M. “Corpus-based translation studies: the challenges that lie ahead”. In: SOMERS, H. (ed.). Terminology, LSP and translation studies in language engineering, in honour of Juan C. Sager. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 1996, p. 175-186.

BAKER, M. The Role of Corpora in Investigating the Linguistic Behaviour of Professional Translators. International Journal of Corpus Linguistics, v. 4.2, p. 281-298, 1999.

BAKER, M. A corpus-based view of similarity and difference in translation. International Journal of Corpus Linguistics, v. 9.2, p. 167-193, 2004a.

BAKER, M. The treatment of variation in corpus-based translation studies. Language Matters, v. 35.1, p. 28-38, 2004b.

BERBER SARDINHA, T. Linguística de corpus: histórico e problemática. Revista D.E.L.T.A., São Paulo, v. 16, n. 2, p. 323-367, 2000.

BERBER SARDINHA, T. Linguística de Corpus. São Paulo: Manole, 2004.

BONALUMI, E. F. Investigação de colocações provenientes das traduções para o inglês e italiano de A Hora da Estrela de Clarice Lispector. Contexto., Vitória, ES, v. 40, p. 54-71, dez. 2021.

BONALUMI. E. F.; CAMARGO, D. C. Estudo baseado em corpus de um vocábulo recorrente e preferencial do romance A Hora da Estrela, de Clarice Lispector e das traduções para as línguas inglesa e italiana. TradTerm., São Paulo, SP, v. 41, p. 77-99, 2022.

CAMARGO, D. C. Padrões de Estilo de Tradutores: Um estudo de semelhanças e diferenças em corpora de traduções literárias, especializadas e juramentadas. Tese de livre-docência. São José do Rio Preto: UNESP, 2005.

CAMARGO, D. C. Metodologia de pesquisa em tradução e linguística de corpus. São Paulo: Cultura Acadêmica; São José do Rio Preto, SP: Laboratório Editorial do IBILCE, UNESP, 2007.

CAMARGO, D. C. O estilo de João Ubaldo Ribeiro em Viva o Povo Brasileiros e An Invincible Memory. Revista de Literatura, História e Memória (Impresso), v. 9, p. 55-69, 2013.

FERNANDES, L. P. Translation of Names in Children’s Fantasy Literature: Bringing the Young Reader into Play. New Voices in Translation Studies, Dublin, v. 2, p. 44-57, 2006.

LANIUS, M; MARTINS, M. do A. P. A Água viva de Clarice: criações na tradução. TradTerm. São Paulo: USP, v. 28, p. 318-337, dezembro / 2016.

LISPECTOR, C. A Paixão segundo G.H . Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1964.

NATTINGER, J. R.; DECARRICO, J. S. Lexical Phrases and Language Teaching. Oxford: Oxford University Press, 1992.

NUNES, B. Leitura de Clarice Lispector. São Paulo: Quíron, 1973.

PINTO, P. T.; LIMA, M. F.. A tradução na área de química orgânica: da adaptação à tradução literal. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 47, p. 573-585, 2018.

SANCHEZ, A.; CANTOS, P. CUMBRE – Curso de Español. Madri: SGEL, 1996.

SCOTT, M. WordSmith Tools. Version 3. Oxford: Oxford University Press, 1999.

SERPA, T.; ROCHA, C.F. Olhares de estranhamento de Clarice Lispector em língua inglesa: análise da obra A Legião Estrangeira com base em um corpus focado no conto “Os desastres de Sofia”. Revista do GEL. São José do Rio Preto, v. 16, n. 2, p. 57-79, 2019.

SINCLAIR, J. Corpus, Concordance and Collocation. Oxford: Oxford University Press, 1991.

SOUZA LIMA, T.C. de. Vocábulos fundantes de Clarice Lispector extraídos de duas obras da autora e características de normalização em suas respectivas traduções. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 47, p. 615-626, 2018.

TOURY, G. The nature and role of norms in literary translation. In: VENUTI, L. (Ed.). The Translation Studies Reader. London e New York: Routledge, pp. 198-213, ([1978], 2000).

TOURY, G. Descriptive Translation Studies and Beyond. Amsterdam & Philadelphia: John Benjamins, 1995.

TYMOCZKO, M. Computerized corpora and the future of Translation Studies. Meta, v. 43.4. Montreal: Les Presses de L’Université de Montreal, p. 652-659, 1998.

ZACHARIAS, P. A antiliteratura da coisa: vidência e sensação em Clarice Lispector. Revista Letras. Curitiba: UFPR, v. 98, p. 211-227, jul. / dez. 2018.

Downloads

Publicado

2023-06-20

Como Citar

Bonalumi, E. F., & Camargo, D. C. de. (2023). Estudo baseado em corpus das traduções para o inglês do vocábulo coisa em Água Viva de Clarice Lispector. Cadernos De Literatura Em Tradução, (26), 269-285. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5388.i26p269-285

Edição

Seção

Artigos