Na esfera da reimaginação

  • Álvaro Faleiros

Resumo

Haroldo de Campos, ao traduzir poesia chinesa para o português, define sua prática como um ato de “reimaginação” pelo fato de se tratar de um processo de composição ideogramática. Neste artigo propomos um uso mais amplo para o termo “reimaginar” a partir da análise de algumas traduções de Emily Dickinson e Charles Baudelaire para o português.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2010-05-01
Como Citar
Faleiros, Álvaro. (2010). Na esfera da reimaginação. Cadernos De Literatura Em Tradução, (11), 37-46. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/clt/article/view/49484
Seção
Não definida