[1]
P. Schiller, “Imre Kertész e o desterro humano”, Cad. lit. tradução, nº 17, p. 125-129, maio 2017.