Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Quase impublicável: obras divergentes, relevantes e, sobretudo, simpáticas à pichação em São Paulo

Marcos Antônio Zibordi

Resumo


A retomada do debate sobre grafites e pichações na capital paulista em 2017 abre a oportunidade de resenhar obras fundamentais da bibliografia pertinente segundo as quais o ato de pichar não é mero vandalismo, pois reverbera, por exemplo, procedimentos de construção da mensagem poética ao modo dos concretistas paulistanos e guarda íntima relação com a arquitetura da metrópole, como as dimensões similares das letras e a altura dos andares dos prédios. 


Palavras-chave


grafite; pichação; poesia; São Paulo

Texto completo:

PDF

Referências


AGUILAR, Gonzalo. Poesia concreta brasileira: as vanguardas na encruzilhada modernista. São Paulo: Edusp, 2005.

ART, Lost, NEELON, Caleb, MANCO, Tristan. Graffiti Brasil. United Kingdom: Thames & Hudson, 2005.

BOLETA. Ttsss... A grande arte da pixação em São Paulo. São Paulo: Editora do Bispo, 2006.

CAMPOS, Augusto, CAMPOS, Haroldo, PIGNATARI, Décio. Teoria da poesia concreta. Textos críticos e manifestos 1950-1960. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1975.

CHASTANET, François. Pixação: São Paulo signature. Toulouse: XGpress, 2007.

BAUDRILLARD, Jean. “Kool Killer ou a Insurreição pelos signos”. In: A troca simbólica e a morte. São Paulo: Loyola, 1996.

CASSEANO, Patrícia; DOMENICH, Mirella; ROCHA, Janaína. Hip Hop, a periferia grita. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2001.

DESCARTES, René. Discurso do método. Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

FERREIRA, Lucas Tavares. O traçado das redes: etnografia dos grafiteiros e a sociabilidade na metrópole. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2006.

FIDELES, Nina (Org.). O movimento hip hop no Brasil. São Paulo: Editora Caros Amigos, 2014.

FONSECA, Cristina. A poesia do acaso (na transversal da cidade). São Paulo: T. A. Queiroz Editor, 1981.

FRANCO, Sérgio Miguel. Iconografias da metrópole: grafiteiros e pichadores representando o contemporâneo. Dissertação (Mestrado em Projeto, Espaço e Cultura) – Faculdade de Arquitetura, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2009.

GANZ, Nicholas. O mundo do grafite: arte urbana dos cinco continentes. Nova edição revista e ampliada. São Paulo: Livraria Martins Fontes, 2010.

GITAHY, Celso. O que é graffiti. São Paulo: Brasiliense, 1999.

GUIRGIS, Adly, LUHRMANN, Baz. The Get Down. EUA, Netflix, 2016.

LASSALA, Gustavo. Pichação não é pixação: uma introdução à análise de expressões gráficas urbanas. São Paulo: Altamira Editorial, 2010.

MALLAND, Julien Seth. Tropical spray. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Tradução de Maria D. Alexandre e Maria Alice Sampaio Dória. Ed. revista e modificada pelo autor. 8ª edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

______. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução Eloá Jacobina. 17ª edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

PIGNATARI, Décio. O que é comunicação poética. Cotia: Ateliê Editorial, 2005.

SCAVONE, Marcio. A cidade ilustrada. São Paulo: Alice Publishing Editorial, 2004.

SILVA, Armando. Atmosferas urbanas: grafite, arte pública, nichos estéticos. São Paulo: Edições SESC São Paulo, 2014.

SILVER, Tony. Style Wars. EUA, Public Art Films, 1984.

ZIBORDI, Marcos. “O rap como religião de salvação”. In: Comunicação & Inovação, São Caetano do Sul, v. 14, n. 27: (83-88) jul-dez 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v22i1p127-134

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.