As condições de sustentabilidade, a organização e os efeitos do midiativismo no Rio de Janeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v25i1p80-92

Palavras-chave:

Midiativismo , Comunicação alternativa, Comunicação independente

Resumo

Este artigo é o segundo de uma trilogia sobre midiativismo. No primeiro, recentemente publicado, são abordadas as origens e as condições sociais para formação de seus coletivos; no terceiro, será retratada a ideologia dos mesmos. Neste, o foco está centrado no funcionamento de tais grupos e em como enfrentam as dificuldades do ativismo e da luta pelos direitos humanos, o enfraquecimento das manifestações populares e a hegemonia da mídia corporativa. As redes de cooperação formadas entre os midiativistas, a busca por recursos para sustentabilidade e as disputas entre os grupos são considerados aspectos centrais para a compreensão do fenômeno do midiativismo e evidenciam sua influência na transformação nos modos hegemônicos de fazer audiovisual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elis Carneiro Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduanda em Ciências Sociais pelo Instituto de Ciências Sociais da Uerj

Bolsista de iniciação científica pelo Laboratório de Comunicação Dialógica da FCS/UERJ

Barbara Bandini, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Licenciatura em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da Uerj

Colaboradora do Laboratório de Comunicação Dialógica da Uerj

Bolsista de Extensão no projeto Cerâmica Viva - Instituto de Artes da Uerj 

 

Referências

CARPENTIER, Nico. Beyond the Ladder of Participation: An Analytical Toolkit for the Critical Analysis of Participatory Media Processes. Javnost – The Public, Abingdon, v. 23, n. 1, p. 70-88, 2016.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

ELIAS, Norbert. Escritos e ensaios: 1. Estado, processo, opinião pública. Organizado por Federico Neiburg; Leopoldo Waizbort. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. 23. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Tradução de Maria Célia Santos Raposo. Petrópolis: Vozes, 1985.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2016: pesquisa suplementar TIC: acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel para uso pessoal. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MACEDO, Marcelo Ernandez. Zé Pureza: etnografia de um acampamento no norte Fluminense. 2003. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

MACEDO, Marcelo Ernandez; SEIDEL, A.; FERREIRA, M. O Jornal O Cidadão e os desafios para a sustentabilidade de veículos de comunicação comunitária. Comunicação & Política, Porto Alegre, v. 31, p. 134-151, 2013.

MACEDO, Marcelo Ernandez; SILVA, Flávio; CARDOSO, Alessandra. A formação de grupos de midiativismo no Rio de Janeiro. ALCEU, Rio de Janeiro, v.18, n.35, p.94-113, jul./dez. 2017.

SIMMEL, Georg. On individuality and social forms. Chicago: University of Chicago Press, 1971.

SOUSA, Ana Lucia Nunes de. De La Calle A La Red: Videoactvismo En El Contexto De Las Protestas En Contra Del Mundial De Fútbol En Rio De Janeiro (2014). 2017. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação e Jornalismo) – Universidad Autónoma de Barcelona, Barcelona, 2017.

VILLI, Mikko; MATIKAINEN, Janne. Participation in Social Media: Studying Explicit and Implicit Forms of Participation in Communicative Social Networks. Media and Communication, Lisboa, v. 4, n. 4, p. 109-117, 2016.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

Macedo, M. E., Silva, E. C., & Bandini, B. (2020). As condições de sustentabilidade, a organização e os efeitos do midiativismo no Rio de Janeiro . Comunicação & Educação, 25(1), 80-92. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v25i1p80-92