A produção de uma memória discursiva na série de reportagens: “Joga que nem mulher”

Autores

  • Maria Simone Vione Schwengber Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
  • Caterine de Moura Brachtvogel Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
  • Rodrigo Saballa de Carvalho Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v25i2p31-43

Palavras-chave:

Gênero, Esportes, Mulheres, Mídias digitais, Discurso

Resumo

O artigo, a partir das contribuições do pensamento de Michel Foucault, assim como dos estudos de gênero, analisa a produção de uma memória discursiva na série de reportagens “Joga que nem mulher” veiculada pela RBS TV. Metodologicamente, trata-se de uma análise do discurso, na qual se questionam os modos como a produção discursiva enunciada na série oportuniza rearranjos das posições das mulheres nos esportes. Através das análises, destaca-se que o enunciado reitor “Joga que nem mulher” opera como memória de combate, contrapondo-se à expressão “Joga que nem homem”, flexibilizando a ação de jogar e sinalizando que jogar também é atividade feminina. Desse modo, verifica-se a importância do enunciado reitor veiculado pela série, já que provoca alterações nos discursos acerca das mulheres nos esportes, contribuindo com a difusão de outros modos de enunciação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Simone Vione Schwengber, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação, professora do Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências – UNIJUÍ.

Caterine de Moura Brachtvogel, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Professora de Educação Física. Mestra em Educação nas Ciências. Doutoranda em Educação nas Ciências da UNIJUÍ. 

Rodrigo Saballa de Carvalho, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGEDU/UFRGS). Professor do Curso de Pedagogia da Faculdade de Educação Da UFRGS no Departamento de Estudos Especializados (DEE). Pós - Doutor em Educação (UFPEL), Doutor em Educação (UFRGS) e Mestre em Educação (UFRGS). 

Referências

A COPA do mundo de futebol masculino de 2018 foi das mulheres. Zero Hora, Porto Alegre, 18 jul. 2018, p. 22-23.

BUTLER, Judith. Excitable speech, a politics of the performatives. New York: Routledge, 1997.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2a. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.p. 153-172.

BUTLER, Judith. O que é a crítica? um ensaio sobre a virtude de Foucault. Cadernos de Ética e Filosofia Política, São Paulo, n. 22, p. 159-178, 2013. Disponível em: https://goo.gl/9fIQs9. Acesso em: 10 mai. 2017.

BUTLER, Judith. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas sobre uma teoria performativa de assembleia. São Paulo: Civilização Brasileira, 2018.

CAMPANELLA, Bruno. Celebridade, engajamento humanitário e a formação do capital solidário. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 21, n. 2, p. 721-741, 2014. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/15908. Acesso em: 10 dez. 2018.

COVALESKI, Rogério. Publicidade híbrida. Curitiba: Maxi, 2010.

DAMO, Arlei Sander. Do dom à profissionalização: uma etnografia do futebol de espetáculo a partir da formação de jogadores no Brasil e na França. 2005. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 5a. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. 7a. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. Governo de si e dos outros: curso no Collège de France (1982-1983). São Paulo: Martins Fontes, 2010.

GOELLNER, Silvana Vilodre. Pode a mulher praticar futebol? In: CARRANO, Paulo Cesar (org.). Futebol: paixão e política. Rio de Janeiro: DP&A, 2000. p. 79-94.

JOGA que nem mulher – Futebol feminino – Série Globo Esporte. [S. l.]: [s. n.], 2017. Publicado pelo canal Ampliando a Visão. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=qLbatO_zS78. Acesso em: 10 mar. 2019.

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. 6a. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

MEYER, Dagmar Estermann. A politização contemporânea da maternidade: construindo um argumento. Gênero, Niterói, v. 6, n. 1, p. 81-104, 2005. Disponível em: http://www.revistagenero.uff.br/index.php/revistagenero/article/view/198/134. Acesso em: 15 dez. 2018.

PÚBLICO feminino é alvo de nova plataforma de conteúdo da ESPN. Portal Imprensa, São Paulo, 2018. Disponível em: http://www.portalimprensa.com.br/mulheresqueinspiram/materia_21.asp. Acesso em: 10 mar. 2019.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). Relatório Nacional de Desenvolvimento Humano Nacional: Movimento é vida: Atividades Físicas e Esportivas para Todas as Pessoas: 2017. Brasília, DF: PNUD, 2017. Disponível em: https://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/library/idh/rdhs-brasil/relatorio-nacional-desenvolvimento-humano-2017.html. Acesso em: 26 dez. 2019.

WELZER-LANG, Daniel. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 460-482, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v9n2/8635.pdf. Acesso em: 14 dez. 2018.

Downloads

Publicado

2020-12-04

Como Citar

Schwengber, M. S. V., Brachtvogel, C. de M., & Carvalho, R. S. de. (2020). A produção de uma memória discursiva na série de reportagens: “Joga que nem mulher”. Comunicação & Educação, 25(2), 31-43. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v25i2p31-43

Edição

Seção

Artigos Nacionais