O corpo brincante, o brinquedo corpo que fala: desenhos animados, comunicação e imaginário no desenvolvimento infantil

Autores

  • Isac dos Santos Pereira Uiniversidade Anhembi-Morumbi
  • Cicilia Maria Krohling Peruzzo Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v25i1p7-17

Palavras-chave:

Desenhos animados, Criança, Imaginário, Repertório Linguístico, Criatividade

Resumo

A partir de constructo teórico pautado na construção da linguagem e do imaginário visto pelo campo das neurociências e da filosofia, juntamente com as produções de desenhos animados, o texto discute sobre os benefícios das produções audiovisuais dirigidas à infância aplicadas ao ensino-aprendizagem. Trata-se de abordagem baseada em pesquisa bibliográfica e tem por objetivo refletir criticamente sobre os meios de comunicação audiovisual como objetos subsidiários no desenvolvimento da linguagem e do conhecimento da criança, inserida no âmbito educacional. Objetiva ainda discutir as relações entre comunicação e educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isac dos Santos Pereira, Uiniversidade Anhembi-Morumbi

Mestrando em Comunicação Audiovisual pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Especialista em Arte na Educação: teoria e prática, pela Universidade de São Paulo (ECA/USP). Especialista em Neurociências Aplicada à Educação. Professor Efetivo em Arte na EMEF Paulo Setúbal, em São Paulo

Referências

BACHELARD, G. O direito de sonhar. Trad. José Pessanha et al. São Paulo:

Difel, 1985.

BACHELARD, G. A poética do devaneio. Trad. Antonio de Pádua Danesi.

São Paulo: Martins Fontes, 1988.

CITELLI, A. O.; COSTA, M. C. C. Apresentação. In: CITELLI, A. O.;

COSTA, M. C. C. (org.). Educomunicação: construindo uma nova área de

conhecimento. São Paulo: Paulinas, 2011. p. 7-9.

COSENSA, R. M.; GUERRA, L. B. Neurociência e educação: como o cérebro

aprende. Porto Alegre: Artmed, 2011.

DAMÁSIO, A. R.O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano.

Trad. Dora Vicente, Georgina Segurado. 3. ed. São Paulo: Companhia das

Letras, 2012.

DAMASIO, A. R; KUHL, P. Linguagem, pensamento, afeto e aprendizagem.

In: KANDEL, E. R. et al. Princípios de neurociências. Trad. Ana Lúcia Severo

Rodrigues et al. 5. ed. Porto Alegre: AMGH, 2014. p. 1180-1196.

DESGRANGES, F. Arte como experiência da arte. Lamparina: Revista de

Ensino do Teatro, v. 1, p. 50-57, 2010.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação?. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz & Terra,1977.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1978.

IZQUIERDO, I. Memória. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

KAPLÚN, M. Processo e canais de comunicação. In: CITELLI, A. O.;

COSTA, M. C. C. (org.). Educomunicação: construindo uma nova área de

conhecimento. São Paulo: Paulinas, 2011. p. 174-186.

LURIA, A. R. Fundamentos da neuropsicologia. Trad. J. A. Ricardo.

Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos; São Paulo: Edusp, 1981.

MORIN, E. Cultura de massas no século XX: o espírito do tempo-1. Neurose.

Trad. M. R. Sardinha. 9. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

NESTROVSKI, S. A técnica de Nicolais: filosofia de dança moderna. Nova York,

Londres: Routledge, 2005.

PACHECO, E. D. P. Infância, cotidiano e imaginário no terceiro milênio:

dos folguedos infantis à diversão digitalizada. In: PACHECO, E. D. P. (org.).

Televisão, criança, imaginário e educação. São Paulo: Papirus, 1998.

PRADO, L. M.; TRINTA, A. Pensando a animação: meio é mensagem. Revista

Movimento, São Paulo, n. 10, p. 38-59, mar. 2018.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

Pereira, I. dos S., & Peruzzo, C. M. K. (2020). O corpo brincante, o brinquedo corpo que fala: desenhos animados, comunicação e imaginário no desenvolvimento infantil. Comunicação & Educação, 25(1), 7-17. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v25i1p7-17