Folkers, bardos e barbados: memória, utopia e política no medievalismo brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v25i2p58-69

Palavras-chave:

Memória, Medievalismo, Utopia, Política, Juventude

Resumo

Este artigo é parte de uma ampla pesquisa sobre o medievalismo brasileiro praticado por grupos jovens que se reúnem presencialmente para combates, piqueniques, festas e feiras, cuja inspiração é o período medieval. O objetivo deste trabalho é demonstrar como a memória produzida nestes grupos revela dimensões utópicas e políticas geradas das urgências do tempo presente. A metodologia se vale de pesquisa etnográfica (flânerie), por meio de pesquisa de campo em eventos realizados por estes grupos, especialmente na cidade de São Paulo, e bibliográfica a partir dos estudos da semiótica da cultura e da mídia, das teorias sociais e da memória, assim como do estudo das teatralidades juvenis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Antonio Bin, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutor em Ciências Sociais pela PUC-SP. Integrante do Grupo de Pesquisa em Memória, Comunicação e Consumo (MNEMON) do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo da ESPM.

Mônica Rebecca Ferrari Nunes, Escola Superior de Propaganda e Marketing

Docente e Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Comunicação e Práticas de Consumo PPGCOM-ESPM. Líder do Grupo de Pesquisa MNEMON, Memória, Comunicação e Consumo (CNPq/ESPM).

Referências

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DIÉGUEZ, Ileana C. Um teatro sem teatro: a teatralidade como campo expandido. Sala Preta, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 125-129, 2014.

DIÉGUEZ, Ileana C. Escenarios y teatralidades liminales. Prácticas artísticas y socioestéticas. Inquietando, [S. l.], 2016. Disponível em: https://inquietando.wordpress.com/textos-2/escenarios-y-teatralidades-liminales-practicas-artisticas-y-socioesteticas/. Acesso em: 14 fev. 2019.

DUBY, Georges. A Europa na Idade Média. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.

ECO, Umberto. Viagem na irrealidade cotidiana. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,1984.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. Lisboa: Edições Livros do Brasil, [19--].

FRANCO JUNIOR, Hilário. A Idade Média, o nascimento do Ocidente. São Paulo: Editora Brasiliense, 1986.

GAGO, Verónica. A razão neoliberal: economias barrocas e pragmática popular. São Paulo: Editora Elefante, 2018.

HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela memória. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

HUYSSEN, Andreas. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

JACOBY, Russel. Imagem imperfeita: pensamento utópico para uma época antiutópica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

LOTMAN, Iuri. La semiosfera. Catedra: Madrid, 1996. v. 1.

MACLAREN, Peter. Multiculturalismo revolucionário. Porto Alegre: Artmed, 2000.

MONTEIRO, Gabriela. A cena expandida: alguns pressupostos para o teatro do século XXI. Art Research Journal, Natal, v. 3, n. 1, p. 37-49, 2016.

MORUS, Thomas. A utopia. São Paulo: Abril Cultural, 1978. (Coleção Os Pensadores).

NAPPO, Sami. De tabardo e espada em punho: consumo, memória e medievalismo em um grupo juvenil praticante de boffering. 2017. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Práticas de Consumo) – Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, 2017.

NUNES, Mônica Rebecca Ferrari. (org.). Cosplay, steampunk e medievalismo: memória e consumo nas teatralidades juvenis. Porto Alegre: Sulina, 2017.

NUNES, Mônica Rebecca Ferrari; BIN, Marco Antonio. Espartilhos e espadas: vitorianos e medievalistas em práticas juvenis. Revista Líbero, São Paulo, v. 19, n. 38, p. 69-80, 2016.

PASSERINI, Luisa. Memoria y utopia: la primacia de la intersubjetividade. Valencia: Publicacions de la Universitat de Valencia, 2006.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Downloads

Publicado

2020-12-04

Como Citar

Bin, M. A., & Nunes, M. R. F. (2020). Folkers, bardos e barbados: memória, utopia e política no medievalismo brasileiro. Comunicação & Educação, 25(2), 58-69. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v25i2p58-69

Edição

Seção

Artigos Nacionais