Foco e escopo

A Revista CPC é um periódico científico voltado para a discussão e reflexão de questões afeitas ao patrimônio cultural em seus múltiplos aspectos: preservação do patrimônio; identificação e registro de bens culturais; educação patrimonial; referências culturais e memória social; instituições museológicas; arquivos, centros de memória e informação;  coleções e acervos; conservação e restauro. Com periodicidade semestral, a revista publica artigos inéditos e originais; resenhas;  notícias e depoimentos, com submissões abertas em modo contínuo. Anualmente publica uma edição especial temática, como Dossiê. A  Revista CPC é uma publicação de acesso livre, sem fins comerciais. A Revista CPC não cobra de taxas de processamento de artigos  (Article Processing Charges - APC) ou qualquer outro custo para os autores.

Histórico do periódico

A Revista CPC foi fundada em 2005 pelo Centro de Preservação Cultural da Universidade de São Paulo. Publicada desde o início exclusivamente em formato eletrônico, passou a integrar o Portal de Revistas da USP em 2014. Em 2016 passou a publicar edições temáticas anuais, chamadas Dossiês. Em mais de 15 anos de atuação regular, vem se dedicando à promoção da pesquisa e à disseminação do conhecimento no campo do patrimônio cultural, em consonância como o caráter de extensão e cultura universitária que permeia a atuaçao do órgão. A Revista CPC está registrada no Diadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Integra desde 2017 a rede colaborativa LatinRev - Red Latinoamericana de Revistas Académicas en Ciencias Socialies y Humanidades (FLACSO ARGENTINA). Classificação Qualis Periódicos - Plataforma Sucupira 2013-2016: Comunicação e Informação, B2; Interdisciplinar, B3.

Processo de avaliação pelos pares

Esta revista adota modelo de avaliação duplo cego. Os artigos são previamente analisados pela Comissão Editorial, que decide pelo encaminhamento para os pareceristas para avaliação, caso se enquadrem nos critérios editoriais adotados.

Periodicidade

Revista semestral, publicada em jun./jul. e nov./dez.

 

Política de acesso livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. Utiliza o Open Journal Systems (OJS), sistema de código livre gratuito para a administração e  publicação de revistas desenvolvido com suporte e distribuição pelo Public Knowledge Project sob a licença GNU General Public License. 

 

Plóitica de direitos autorais

Todo os conteúdo da Revista CPC são publicados estão sob licença Creative Commons 4.0, que permite uso, distribuição e reprodução dos artigos em qualquer meio sem restrições, desde que:  não seja para finalidade comercial; seja atribuído o crédito de forma apropriada; seja fornecido um link para a licença; sejam indicadas alterações, se forem feitas. 

 

Politica de ética na publicação

Princípios

A Revista CPC tem como referência os princípios éticos de respeito à cultura acadêmica e à produção intelectual, considerando todas as partes envolvidas no processo editorial (autores, editores e avaliadores), bem como refuta qualquer tipo de conflito de interesses , com base nas diretrizes do Committee on Publication Ethics (COPE) e nas Diretrizes do CSE para Promover Integridade em Publicações de Periódicos Científicos 2012 (ABEC Brasil). Eventuais pedidos de correções, revisões, esclarecimentos ou retratações serão analisados pelo Conselho Editorial para as prividências cabíveis. 

Ações antiplagiarismo

A Revista CPC publica penas trabalhos originais e inéditos, ou seja, que não tenham sido publicados nem estejam sob processo de submissão em outros periódicos ou ambiente eletrônico, conforme as Condições para submissão. Os autores devem responder a essa exigência e garantir a explicitação de todas as fontes e referências que compõem o manuscrito. Os editores adotam medidas para identificar e impedir a publicação de trabalhos acadêmicos associados ao plágio por meio de comparações com outras publicações em meio eletrônico e apreciação pelos pareceristas, e adotando a ferramenta Turnitin. 

Diretrizes para a equipe editorial

Cabe aos editores a decidir quanto à publicação dos manuscritos, em conformidade com o escopo e políticas da revista; princípios éticos e boas condutas na cultura acadêmica; exigências legais em vigor sobre difamação, violação de direitos autorais e plágio.

Fatores referentes a posicionamento político ou ideológico, à diversidade étnica, de gênero ou religiosa, bem como às diferenças de perspectivas teóricas e metodológicas, não devem influenciar as ações e decisões realizadas durante o processo editorial.

Os editores não conduzirão processo editorial de manuscritos em relação aos quais se estabeleça conflito de interesses.

Os editores não divulgarão qualquer informação sobre um manuscrito submetido, a não ser aos pareceristas, mantendo a confidencialidade da submissão.

Os editores deverão manter a identidade dos autores e pareceristas em anonimato e considerar os manuscritos como documentos confidenciais, ao mesmo tempo em que deverão zelar pela transparência do processo editorial.

Os editores tomarão medidas cabíveis quando forem apresentadas reclamações éticas referentes a manuscritos submetidos ou artigos publicados, a partir de denúncia formal e claramente identificada.

Diretrizes para os autores

Entende-se como autor todo aquele que tenha efetivamente participado da concepção do estudo, do desenvolvimento, análise e interpretação dos dados e da redação final do manuscrito. Pessoas que participaram em certos aspectos do projeto de pesquisa devem ser listadas como colaboradores, em notas.

Os autores devem conhecer e concordar com as condições para submissão e os termos da declaração de direito autoral, bem como respeitar as normas da revista para a apresentação de manuscritos.

Os autores devem garantir que os manuscritos sejam originais, não foram submetidos a avaliação nem foram publicados em qualquer outro veículo, bem como não configurem nenhum tipo de plágio e respeitem as diretrizes éticas da produção acadêmica.

Diretrizes para os avaliadores

Os avaliadores deverão recusar a realizar a avaliação de manuscritos em que se configure a existência de conflitos de interesse.

Os avaliadores devem tratar os manuscritos como documentos confidenciais e não devem se apropriar ou divulgar, em qualquer esfera, das informações nele contidas.

A identificação de ausência de ineditismo ou de sobreposição do manuscrito, no todo ou em parte, em relação a textos já publicados deverá ser informada prontamente aos editores.

Os avaliadores deverão analisar os manuscritos com base em critérios exclusivamente técnicos. Fatores referentes a posicionamento político ou ideológico, à diversidade étnica, de gênero ou religiosa, bem como às diferenças de perspectivas teóricas e metodológicas, não devem influenciar o processo.

Os pareceres deverão ser emitidos de forma objetiva e construtiva, baseados em razões acadêmicas ou tecnológicas válidas, de forma a contribuir para que os autores possam fortalecer ou ampliar o manuscrito.  

É responsabilidade dos avaliadores realizar a revisão em tempo hábil, seguindo os prazos definidos pelos editores, ou acordar mutuamente com a revista um novo prazo, informando sobre a necessidade de sua extensão.  

 

Fontes de Apoio

Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária – USP

Programa de Apoio às Publicações Científicas Periódicas da USP – Agência USP de Gestão da Informação Acadêmica – Universidade de São Paulo