O museu como espaço de interação: arquitetura, museografia e museologia

Palavras-chave: Arquitetura de museus, Exposições museológicas, Comunicação museológica

Resumo

O conceito de interatividade tem sido amplamente utilizado como premissa para a estruturação institucional de museus, sendo comumente introduzido no espaço museológico nas décadas recentes. A museografia interativa frequentemente aparece como alternativa para a apresentação de acervos formados a partir de bancos de dados digitais, participando ativamente da constituição de museus encarados como centros de referências e da criação das narrativas museais. O artigo pretende analisar a interatividade entendida como diálogo entre arquitetura, museografia e museologia, investigando sua relação com a concepção e recepção do espaço expositivo contemporâneo. Para tanto, possui como foco principal a análise do contexto brasileiro a partir dos casos de referência selecionados: Museu do Futebol (São Paulo, 2008) e Museu do Amanhã (Rio de Janeiro, 2015). Com o estudo proposto, pretende-se aprofundar o entendimento sobre a consolidação do campo da museografia interativa no Brasil, verificando suas implicações para o projeto de arquitetura museal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bianca Manzon Lupo, Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil

Mestre pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, na área de concentração História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo. Pós-graduada em Museologia, Colecionismo e Curadoria pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Arquiteta e urbanista pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.  Filiada ao Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus (ICOM-BR).

Publicado
2019-07-29
Como Citar
Lupo, B. M. (2019). O museu como espaço de interação: arquitetura, museografia e museologia. Revista CPC, 14(27), 217-243. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4466.v14i27p217-243
Edição
Seção
Artigos