Conhecer para preservar: uma ideia fora do tempo

  • Simone Scifoni Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil
Palavras-chave: Educação patrimonial, Políticas de preservação, Movimentos sociais

Resumo

O artigo se propõe repensar a relação entre conhecimento sobre o patrimônio cultural e a sua preservação, situando-se para além dos discursos de senso comum, os quais têm se reproduzido ao longo do tempo e de maneira acrítica, seja nas instituições públicas de cultura ou nas escolas. O objetivo é problematizar o tema alertando para os riscos de uma visão ingênua e da despolitização do debate em educação patrimonial. A pergunta essencial é: afinal, quem deve ser ensinado e sensibilizado para a preservação? Essa questão torna-se central em um contexto contemporâneo no qual os grupos sociais se mobilizam, cada vez mais, buscando a proteção de seus patrimônios culturais, enquanto em contrapartida o Estado tem se recusado a reconhecer
os valores atribuídos socialmente a determinados bens e, em consequência, permitido demolições. É preciso reconhecer que a discussão da educação patrimonial não passa mais, necessariamente, pela questão do seu desconhecimento social, já que os grupos sociais estão cada vez mais engajados na preservação do patrimônio. Parte-se, assim, da perspectiva que educação não é solução redentora para o patrimônio, mas, antes de tudo, um direito social e uma necessidade. Portanto, ela é condição inerente à preservação uma
vez que, a partir dela, pode-se problematizar a memória oficial e o passado, as políticas públicas de preservação e reconectar as pessoas ao patrimônio.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-08-30
Como Citar
Scifoni, S. (2019). Conhecer para preservar: uma ideia fora do tempo. Revista CPC, 14(27esp), 14-31. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4466.v14i27espp14-31

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)