O descompasso entre a estrutura acadêmica e a estrutura museal em museus universitários: o caso do Museu Nacional (UFRJ)

Autores

  • Silvia Reis Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil https://orcid.org/0000-0003-2965-7834
  • Luciana Witovisk Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
  • Mariane Targino Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil https://orcid.org/0000-0001-7155-9969
  • Marcelo Britto Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil https://orcid.org/0000-0002-0611-6923
  • Fernanda Pires Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4466.v15i30espp62-90

Palavras-chave:

Museus universitários, Administração de museus, Gestão democrática da educação, Equipes

Resumo

O Museu Nacional foi criado em 1818, por D. João VI. Em 200 anos passou pela estruturação de suas coleções, pela incorporação à Universidade do Brasil, em 1946, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro, e tornou-se referência nacional e internacional nas áreas da História Natural e Antropologia por meio de suas coleções e excelência em ensino, pesquisa e extensão. O incêndio ocorrido em 2 de setembro de 2018 marcou mais um importante capítulo da sua história – a luta pela reconstrução. Parte desse esforço foi a composição de uma comissão de servidores que se debruçou sobre a revisão e construção de um novo regimento para a instituição. Assim, este trabalho traz à luz análises sobre a  complexidade da estrutura do Museu Nacional e debate alguns problemas práticos que dificultam a sua plena realização como museu e parte integrante de uma estrutura universitária. Tal debate é extensível e imprescindível para os museus universitários, onde a estrutura museal pode ser passível de limitações por uma estrutura universitária voltada para unidades acadêmicas padrão ou órgãos suplementares não autônomos, e que não contempla as particularidades do funcionamento de um museu. Por fim, é proposta a criação de uma estrutura museal-acadêmica, onde todas as categorias de servidores públicos poderiam atuar de forma colaborativa, em prol de uma instituição diversa, dinâmica, plural, em diálogo aberto com a universidade e a sociedade, pronta para enfrentar os novos paradigmas do século XXI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Reis, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Cientista Social (Bacharelado e Licenciatura) pela Universidade Federal Fluminense, Especialista em Paleopatologia pela ENSP/FIOCRUZ, mestre em História Comparada e doutora em Arqueologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Arqueóloga (Bioarqueologia Humana) do Departamento de Antropologia do Museu Nacional/UFRJ.

Luciana Witovisk, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Bióloga pela Universidade Federal do Paraná, mestre em Ciências (Botânica) pela Universidade de São Paulo e doutora em Geociências (Paleontologia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Docente em Paleobotânica, Departamento de Geologia e Paleontologia do Museu Nacional/UFRJ.

Mariane Targino, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Bióloga pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestre em Zoologia pelo Museu Nacional/Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), doutora em Zoologia pela Universidade de São Paulo. Gerente da Coleção Ictiológica, Departamento de Vertebrados do Museu Nacional/UFRJ.

Marcelo Britto, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Biólogo e mestre em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), doutor em Zoologia pela Universidade de São Paulo. Docente em Ictiologia, Departamento de Vertebrados do Museu Nacional/UFRJ. 

Fernanda Pires Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Historiadora (Bacharelado e Licenciatura), Especialização em Preservação e Gestão do Patrimônio Cultural pela FIOCRUZ, Mestrado em Museologia e Patrimônio pela UNIRIO. Museóloga da Seção de Museologia do Museu Nacional/UFRJ.

Referências

ABSOLON, Bruno Araujo; FIGUEIREDO, Francisco José; GALLO, Valéria. O primeiro Gabinete de História Natural do Brasil (“Casa dos Pássaros”) e a contribuição de Francisco Xavier Cardoso Caldeira. Filosofia e História da Biologia, v. 13, n. 1, p. 1-22, 2018. Disponível em: http://www.abfhib.org/FHB/FHB-13-1/FHB-v13-n1-01.html. Acesso em: 29 jul. 2020.

ALMEIDA, Adriana Mortara. Museus e coleções universitários: por que museus de arte na Universidade de São Paulo? 2001. Tese (Doutorado em Ciências da Informação e Documentação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

BRASIL. Decreto de 6 de junho de 1818. Crêa um Museu nesta Côrte, e manda que elle seja estabelecido em um predio do Campo de Santa’ Anna que manda comprar e incorporar aos proprios da Corôa. Coleção de Leis do Império do Brasil – 1818. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1889. v.1 Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao/colecao-anual-de-leis/copy_of_colecao1.html. Acesso em: 6 jun. 2020.

BRASIL. Decreto n. 19.444, de 1º. de dezembro de 1930. Dispõe sobre os serviços que ficam e cargo do Ministério da Educação e Saude Pública, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, Seção 1, p. 22907, 25 dez. 1930. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-19444-1-dezembro-1930-506386-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 29 jul. 2020.

BRASIL. Lei n. 11.091, de 12 de janeiro de 2005. Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação. Brasília, DF: Presidência da República, 2005a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11091.htm. Acesso em: 29 jul. 2020.

BRASIL. Lei n.12.772, de 28 de dezembro de 2012.Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal. Brasília, DF: Presidência da República, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12772.htm. Acesso em: 29 jul. 2020.

BRASIL. Lei n. 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1968. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5540. htm. Acesso em: 29 jul. 2020.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm Acesso em: 6 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Cidadania. Instituto Brasileiro de Museus. Portaria n. 65, de 22 de fevereiro de 2018. Anexo. Diário Oficial da União, Brasília, DF, ed. 37, Seção 1, p. 48-50, 23 fev.2018a.Disponível em: http://www.in.gov.br/web/guest/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/4203506/do1-2018-02-23-portaria-n-65-de-22-de-fevereirode-2018-4203502. Acesso em: 27 jul 2020.

BRASIL. Ministério da Cidadania. Instituto Brasileiro de Museus.Portaria n. 127, de 01 de abril de 2019. Aprova o Regimento Interno do Museu do Diamante - MD. Diário Oficial da União, Brasília, DF, ed. 63, Seção 1, p. 4, 2 abr. 2019a. Disponível em: http://www.in.gov.br/web/guest/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/69660190/do1-2019-04-02-portaria-n-127-de-1-de-abril-de-2019-69660156. Acesso em: 27 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Cidadania. Instituto Brasileiro de Museus. Portaria n. 128, de 01 de abril de 2019b. Aprova o Regimento Interno do Museu das Missões - MM. Diário Oficial da União, Brasília, DF, ed. 63, Seção 1, p.5, 2 abr. 2019. Disponível em: http://www.in.gov.br/web/guest/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/69660187/do1-2019-04-02-portaria-n-128-de-1-de-abril-de-2019-69660145. Acesso em: 27 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Cidadania. Instituto Brasileiro de Museus. Portaria n. 282, de 30 de julho de 2018b. Aprova o Regimento Interno do Museu de Arte Religiosa e Tradicional de Cabo Frio - MART. Diário Oficial da União, Brasília, DF, ed. 147, Seção 1, p.22, 1º. ago. 2018. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/

id/34930145/do1-2018-08-01-portaria-n-282-de-30-de-julho-de-2018-34930135. Acesso em: 27 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Ofício Circular n. 015/2005/CGGP/SAA/SE/MEC. Brasília, DF: Ministério da Educação, 28 nov. 2005. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/canalcggp/oficios/oc01505.pdf. Acesso em: 6. jun. 2020.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO. Plataforma Lattes. [s.d.]. Disponível em: lattes.cnpq.br. Acesso em: 29 jul. 2020.

DUARTE, Luiz Fernando Dias. O Museu Nacional: ciência e educação numa história institucional brasileira. Horizontes Antropológicos, n. 53, p. 359-384, 2019. Disponível em: http://journals.openedition.org/horizontes/3041. Acesso em: 24 maio 2020.

DUDERSTADT, James J. Higher Education in the 21st Century: Global Imperatives, Regional Challenges, National Responsibilities, and Emerging Opportunities. Deep Blue, Michigan University, EUA. 2007. Disponível em: https://deepblue.lib.umich.edu/bitstream/handle/2027.42/88789/2007_Glion_VI_Duderstadt.pdf?sequence=1. Acesso em: 29 jul. 2020.

FERNANDES, Antonio Carlos Sequeira; CARVALHO, Marcelo de Araujo; ALMEIDA, Daianne; WITOVISK, Luciana. O Museu Nacional, suas análises de carvão mineral e a coleção de fósseis vegetais carboníferos no século XIX. Filosofia e História da Biologia, v. 9, n. 1, p. 1-18, 2014. Disponível em: http://www.abfhib.org/FHB/FHB-09-1/FHB-9-1-01-Antonio-Carlos-

Fernandes_Carvalho_Almeida_Witovski.pdf. Acesso em: 29 jul. 2020.

FONTAINHA, Fernando de Castro; BARROS, Pedro Heitor; VERONESE, Geraldo Alexandre; ALVES, Camila Souza; FIGUEIREDO, Beatriz Helena; Waldburger, Joana. Processos seletivos para a contratação de servidores públicos: Brasil, o país dos concursos?: relatório de pesquisa – Direito Rio. Rio de Janeiro, 2014.

INTERNATIONAL COUNCIL OF MUSEUMS. Icom code of ethics for museums. 2017. Disponível em: https://Icom.museum/wp-content/uploads/2018/07/Icom-code-En-web.pdf. Acesso em: 28 jul. 2020.

INTERNATIONAL COUNCIL OF MUSEUMS. Standing committee for museum definition, prospects and potentials (MDPP). 2018. Disponível em: https://Icom.museum/wp-content/uploads/2019/01/MDPP-report-and-recommendations-adopted-by-the-Icom-EBDecember-2018_EN-2.pdf. Acesso em: 28 jul. 2020.

LACERDA, João Batista de. Fastos do Museu Nacional. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1905.

LEGISLAÇÃO sobre museus: Lei n. 11.904, de 14 de janeiro de 2009, que institui o Estatuto de Museus, Lei n. 11.906, de 20 de janeiro de 2009, que cria o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), e legislação correlata. 3. ed. Brasília, DF: Edições Câmara, 2017. Disponível em: http://bd.camara.gov.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/14599/legislacao_museus_3ed.

pdf?sequence=15. Acesso em: 29 jul. 2020.

KRISHTALKA, Leonard; HUMPHREY, Philip S. Can Natural History Museums Capture the Future? BioScience, v. 50, n.7, p. 611-617, 2000. Disponível em: https://academic.oup.com/bioscience/article/50/7/611/354777. Acesso em: 29 jul. 2020.

LOURENÇO, Marta. Defining the university museum today: Between Icom and the ‘third mission’. Discurso proferido no encontro ‘Il museo in evoluzione verso una nuova definizione’, organizado pelo Icom Itália e Universidade de Milão, em 8 de maio de 2019. Disponível em: http://umac.Icom.museum/wp-content/uploads/2019/05/Lourenco_speech_Milan.pdf. Acesso em: 9 jun 2020.

LUCID Software Inc. Lucidchart. Software on-line de diagramas e comunicação visual. 2020. Disponível em: https://www.lucidchart.com/pages/pt. Acesso em: 23 jul. 2020.

MENDONÇA, Lúcia Glicério. Museus universitários e modernidade líquida: compromissos, desafios e tendências (um estudo sob a perspectiva da Teoria Ator-Rede, Brasil e Portugal). Tese de Doutorado. Universidade do Porto, 2017.

MICROSOFT. Microsoft 365 – Excel. 2019. Disponível em: https://www.microsoft.com/pt-br/microsoft-365. Acesso em 29 jul. 2020.

PESSOA, Nara da Cunha. O Museu está vivo (?) O momento atual do Museu Câmara Cascudo. In: IV ENECULT – ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA. Faculdade de Comunicação, UFBA, Salvador, Bahia, Brasil. 2008. Disponível em: http://www.cult.ufba.br/enecult2008/14172.pdf. Acesso em: 28 jul. 2020.

RIBEIRO, Adelia Miglievich Ribeiro. Revisitando o Museu Nacional e a história da antropologia no Brasil pelas mãos de Heloísa Alberto Torres. Política & Sociedade, v. 18, n. 41, p. 27-59, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/viewFile/2175-7984.2019v18n41p27/40906. Acesso em: 28 jul. 2020.

RIBEIRO, Emanuela Sousa. Museus em universidades públicas: entre o campo científico, o ensino, a pesquisa e a extensão. Museologia e Interdisciplinaridade, v. 2, n. 4, p. 88-102, 2013. Disponível em:https://periodicos.unb.br/index.php/museologia/article/view/16366. Acesso em: 29 jul. 2020.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. In: IV ENCONTRO INTERNACIONAL DO FÓRUM PAULO FREIRE, Porto, Portugal, 2004. Disponível em: http://www.acervo.paulofreire.org:8080/jspui/handle/7891/3915. Acesso em: 29 jul. 2020.

SIMÃO, Lucieni de Menezes. Elos do patrimônio: Luiz de Castro Faria e a preservação dos monumentos arqueológicos no Brasil. Boletim Museu Parense Emílio Goeldi, v. 4, n. 3, p.421-435, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222009000300005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 28 jul 2020.

SIMMONS, John E. Things great and small: collections management policies. American Alliance of Museums, Washington, 2017.

SMANIA-MARQUES, Roberta; SILVA, Rejâne Maria Lira da. O reflexo das políticas universitárias na imagem dos museus universitários: o caso dos museus da UFBA. Museologia e Patrimônio, Rio de Janeiro, v. 4, n.1, p. 63 – 84, 2011.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Estatuto. Rio de Janeiro, 2019a. Disponível em: https://ufrj.br/estatuto-da-ufrj. Acesso em: 10 mar. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Museu Histórico Nacional. Organograma do Museu Nacional. Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: http://www.museunacional.ufrj.br/dir/omuseu/organograma.html. Acesso em: 27 jul. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Museu Histórico Nacional. Regimento do Museu Nacional. In: Separata do Boletim da UFRJ, n. 32, 12 ago. 1971. Disponível em: http://www.museunacional.ufrj.br/obrasraras/RMN.html. Acesso em: 27 jul. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Portaria n. 12709, de 19 de novembro de 2019b. Boletim, Rio de Janeiro, n. 48, p. 70, 28 nov. 2019. Disponível em: http://siarq.ufrj.br/images/bufrj/2019/48-2019.pdf. Acesso em: 10 mar. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Regimento geral. Rio de Janeiro, 2019c. Disponível em: https://consuni.ufrj.br/images/Legislacao/Regimento_Geral_1970_atualizado_-_30-05-2019.pdf. Acesso em: 10 mar. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Resolução CEPG n. 1, de 1º de dezembro de 2006. Disponível em: http://posgraduacao.ufrj.br/public/suporte/pr2/cepg/resolucaoCEPG/2006_01.pdf?1595418495. Acesso em: 22 jul. 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

Reis, S., Witovisk, L., Targino, M., Britto, M., & Santos, F. P. (2020). O descompasso entre a estrutura acadêmica e a estrutura museal em museus universitários: o caso do Museu Nacional (UFRJ). Revista CPC, 15(30esp), 62-90. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4466.v15i30espp62-90