A degeneração dos espaços públicos e a supervalorização narcísica como facetas do mal-estar no trabalho

Autores

  • Marcos Paulo Shiozaki Universidade Estadual de Maringá
  • Francisco Hashimoto Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v19i2p201-207

Palavras-chave:

Mal-estar no trabalho, Espaço público, Narcisismo

Resumo

Em alguns espaços, o modelo de trabalho está se caracterizando de maneira diferente nos tempos atuais quando comparado com aquela forma taylorista que ainda predomina em muitas organizações, com a clássica figura centralizada no chefe e nas metas. Justamente devido a essas mudanças, esse novo modelo apresenta uma boa notoriedade por se centrar no indivíduo e por uma proposta de uma suposta liberdade dentro de ambientes laborais, onde não existem metas e a figura do chefe é dissolvida. É possível perceber que essa supervalorização no indivíduo cria espaços cada vez mais particulares e individualistas, na mesma medida em que existe uma diminuição do investimento de lugares que prezam a coletividade. Diante disso, o objetivo deste escrito é analisar como a degeneração dos espaços públicos e a supervalorização narcísica se apresentam como fatores de mal-estar no trabalho. Para realizar este estudo, foram utilizadas algumas obras psicanalíticas freudianas e balintianas, além do aporte dos autores da Psicossociologia. Assim, defende-se aqui que o declínio dos espaços públicos e a exacerbação narcísica, tão relacionada ao trabalho, levam cada vez mais dificuldades aos indivíduos em encontrarem espaços efetivos de satisfação pulsional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-12-14

Como Citar

Shiozaki, M. P., & Hashimoto, F. (2016). A degeneração dos espaços públicos e a supervalorização narcísica como facetas do mal-estar no trabalho. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 19(2), 201-207. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v19i2p201-207