“Eu sou quem então?”

o trabalho docente na educação infantil e os impactos da organização do trabalho na dinâmica do reconhecimento

  • Daniela Fischer Universidade de Santa Cruz do Sul
  • Karine Vanessa Perez Universidade de Santa Cruz do Sul
Palavras-chave: Reconhecimento do trabalho, Trabalho docente, Educação infantil, Saúde do trabalhador, Psicodinâmica do trabalho

Resumo

Este estudo teve como intuito compreender como o reconhecimento do trabalho docente na educação infantil interfere na saúde das professoras. Para isso, buscou entender as modificações no contexto da educação infantil e os fatores produtores de prazer e sofrimento no ambiente laboral. A pesquisa foi realizada em um município do interior do Rio Grande do Sul, com oito docentes da primeira etapa da educação da rede pública, por meio de entrevistas semiestruturadas. A metodologia utilizada foi uma adaptação da psicodinâmica do trabalho strictu sensu. O trabalho docente na educação infantil tem passado por modificações, inclusive em sua organização. Algumas professoras precisaram assumir a responsabilidade pedagógica de mais de uma turma, o que acarretou o aumento da carga de trabalho. Além disso, possuem pouco tempo com as crianças e a principal atividade se refere a atribuições de tarefas. Nesse sentido, a dinâmica da contribuição e do reconhecimento das profissionais é afetada. O reconhecimento é fundamental para que o trabalho tenha sentido para o sujeito. Para as professoras pesquisadas ele provém das crianças com as quais trabalham e é manifestado por meio do afeto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Fischer, Universidade de Santa Cruz do Sul

Psicóloga.

Karine Vanessa Perez, Universidade de Santa Cruz do Sul

Psicóloga. Doutora em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Docente do Departamentode Psicologia da Universidade de Santa Cruz do Sul.

Referências

Antunes, R. (1998). Adeus ao trabalho? Ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho (5a ed.). São Paulo: Cortez.

Araújo, L. K. R. & Mendes, A. M. (2014). Reflexões sobre a clínica psicodinâmica do trabalho no contexto sindical. InA. M. Mendes, C. G. Bottega & T. C. M. Castro (Orgs.), Clínica psicodinâmica do trabalho de professores: práticas em saúde do trabalhador (pp. 25-37). Curitiba: Juruá.

Augusto, M. M., Freitas, L. G. & Mendes, A. M. (2014). Vivências de prazer e sofrimento no trabalho de uma fundação pública de pesquisa. Psicologia em Revista, 20 (1), 34-55.

Beraldo, K. E. A. & Carvalho, A. M. A. (2006). Ouvindo educadoras de creche sobre suas experiências no trabalho. Temas em Psicologia, 14 (1), 35-49.

Bertani, I. F. & Barreto, S. A. P. (2004). As transformações no mundo do trabalho e as consequências na subjetividade dos indivíduos. Katálysis, 7 (2), 203-207.

Biernacki, P. & Waldorf, D. (1981). Snowball sampling: problems and techniques of chain referral sampling. Sociological Methods & Research, 10 (2), 141-163.

Bottega, C. G. & Merlo, Á. R. C. (2010). Prazer e sofrimento no trabalho dos educadores sociais com adolescentes em situação de rua. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 13 (2), 259-275.

Brito, J., Bercot, R., Horellou-Lafarge, C., Neves, M. Y., Oliveira, S. & Rotenberg, L. (2014). Saúde, gênero e reconhecimento no trabalho das professoras: convergências e diferenças no Brasil e na França. Physis Revista deSaúde Coletiva, 24 (2), 589-605.

Bruel, A. L. O. (2010). Políticas e legislação da educação básica no Brasil. Curitiba: Intersaberes.

Castro, T. C. M. & Merlo, Á. R. C. (2011). Reconhecimento e saúde mental na atividade de segurança pública. PSICO, 42 (4), 474-480.

Cru, D. (1987). As regras do ofício. In C. Dejours (Org.), Plaisir et souffrance dans le travail (pp. 29-42). Paris: AOCIP.

Dejours, C. (1992). A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho (5a ed., A. I. Paraguay, L. L. Ferreira, trads.). São Paulo: Cortez.

Dejours, C. (1993). Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. In J. F. Chanlat (Org.), O indivíduo na organização: dimensões esquecidas (2a ed., pp. 150-173). São Paulo: Atlas.

Dejours, C. (2003). A banalização de injustiça social (5a ed., L. A. Monjardim, trad.). Rio de Janeiro: FGV.

Dejours, C. (2004). Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção, 14 (3), 27-34.

Dejours, C. (2007). Prefácio. In A. M. Mendes (Org.), Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas (pp. 19-22). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Dejours, C. (2008). A metodologia em psicopatologia do trabalho. In S. Lacman & L. I. Snelwar (Orgs.), Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (pp. 107-128). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Dejours, C., Abdoucheli, E. & Jayet, C. (1994). Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho (M. I. S. Betiol, trad.). São Paulo: Atlas.

Gernet, I. & Dejours, C. (2011). Avaliação do trabalho e reconhecimento. In P. F. Bendassolli & L. A. Soboll (Orgs.), Clínicas do trabalho: novas perspectivas para a compreensão do trabalho na atualidade (pp. 61-70). São Paulo: Atlas.

Heloani, R. & Lancman, S. (2004). Psicodinâmica do trabalho: o método clínico de intervenção e investigação. Revista Produção, 14 (3), 77-86.

Lancman, S. & Uchida, S. (2003). Trabalho e subjetividade: o olhar da psicodinâmica do trabalho. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 6, 79-90.

Lei no 9.394. (1996, 20 de dezembro). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Presidência da República.

Lei no 13.415. (2007, 16 de fevereiro). Altera as Leis no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizese bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e o Decreto-Lei no 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei no 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em tempo integral. Brasília: Presidência da República.

Machado, A. G. & Merlo, Á. R. C. (2008). Cuidadores: seus amores e suas dores. Psicologia & Sociedade, 20 (3), 444-452.

Martins, M. F. D., Vieira, J. S., Feijó, J. R. & Bugs, V. (2014). O trabalho das docentes da Educação Infantil e o mal-estar docente: o impacto dos aspectos psicossociais no adoecimento. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 17 (2), 281-289.

Mendes, A. M. (2007). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Mendes, A. M., Araújo, L. K. R. & Merlo, A. R. C. (2011). Prática clínica em psicodinâmica do trabalho: experiências brasileiras. In P. F. Bendassolli & L. A. P. Soboll (Orgs.), Clínicas do trabalho: novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade (pp. 169-187). São Paulo: Atlas.

Merlo, A. R. C. (2000). Transformações no mundo do trabalho e a saúde. In A. Jerusalinsky, A. C. Merlo & A. L. Giongo (Orgs.), O valor simbólico do trabalho e o sujeito contemporâneo (pp. 271-278). Porto Alegre: Artes e Ofícios.

Ministério da Educação. (2010). Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: Secretaria de Educação Básica.

Moraes, R. D., Vasconcelos, A. C. L. & Cunha, S. C. P. (2012). Prazer no trabalho: o lugar da autonomia. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 12 (2), 217-228.

Neves, M. Y. R. & Seligmann-Silva, E. (2006). A dor e a delícia de ser (estar) professora: trabalho docente e saúde mental. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 6 (1), 63-75.

Perez, K. V. (2012). “Se eu tirar o trabalho, sobra um cantinho que a gente foi deixando ali”: clínica da psicodinâmica do trabalho na atividade de docentes no ensino superior privado. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Perez, K. V. (2014). A dinâmica do reconhecimento no trabalho docente: considerações sobre a atividade de professores do ensino superior privado. In A. M. Mendes, C. G. Bottega & T. C. M. Castro (Orgs.), Clínica psicodinâmica do trabalho de professores: práticas em saúde do trabalhador (pp. 109-131). Curitiba: Juruá.

Seligmann-Silva, E. (2011). Trabalho e desgaste mental: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez.

Spode, C. B. & Merlo, A. R. C. (2006). Trabalho policial e saúde mental: uma pesquisa junto aos capitães da Polícia Militar. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19 (3), 362-370.

Vieira, J. S., Garcia, M. M. A., Martins, M. F. D., Eslabão, L., Silva, A. F., Balinhas, V. G., Fetter, C. L. R. & Gonçalves, V. B. (2010). Constituição das doenças da docência. Cadernos de Educação, (37), 303-324.

Vieira, J. S., Gonçalves, V. B. & Martins, M. F. D. (2016). Trabalho docente e saúde das professoras de educação infantil de Pelotas, Rio Grande do Sul. Trabalho, Educação e Saúde, 14 (2), 559-574.
Publicado
2018-09-12
Como Citar
Fischer, D., & Perez, K. (2018). “Eu sou quem então?”. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 21(2), 133-147. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v21i2p133-147
Seção
Artigos Originais