A norma de responsabilidade social e a discriminação da mulher negra no setor industrial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v22i1p29-47

Palavras-chave:

Raça, Gênero, Norma Social, Discriminação, Indústria

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar, de forma comparativa, os impactos da norma de responsabilidade social empresarial e a discriminação das mulheres negras, na indústria de transformação sergipana. Para tanto, foram utilizados os microdados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) do Ministério do Trabalho e Emprego (MET) de 2007/2008 e 2013/2014. A partir da análise dos dados, nota-se, em relação à discriminação de gênero, uma tendência à predominância masculina no setor da indústria de transformação sergipana. Os dados indicam também que não apenas o sexo feminino é aquele com menor presença no setor industrial, mas é a mulher de cor preta que possui os menores percentuais de inclusão no setor industrial sergipano. Esse cenário comparativo de discriminação de gênero e raça pouco se alterou com a introdução da norma de responsabilidade social empresarial, a partir da década de 1990.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bento, M. A. S. (1995). A mulher negra no mercado de trabalho. Estudos Feministas, 3 (2), 479-488. Recuperado de: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16466

Biroli, F. & Miguel, L. F. (2015). Gênero, raça, classe: opressões cruzadas e convergências na reprodução das desigualdades. Mediações – Revista de Ciências Sociais, 20 (2), 27-55. Recuperado de: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/24124

Borges, R. S. (2013). Pensando a transversalidade de gênero e raça. In G. Venturi & T. Godinho (Eds.). Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado (pp. 63-89). São Paulo: Perseu Abramo.

Carneiro, P., Heckman, J. J., & Masterov, D. V. (2003). Understanding the sources of ethnic and racial wage gaps and their implications for policy. In ABF conference Rights and Realities: Legal and Social Scientific Approaches to Employment Discrimination (p. 58). Standford, CA. Recuperado de http://www.ucl.ac.uk/~uctppca/disc.pdf

Carone, I. (2009). Igualdade versus diferença: um tema do século. Programa de apoio Pedagógico na Relação Educação e Tecnologia da Faculdade de Educação da Unicamp. Recuperado de http://www.lite.fe.unicamp.br/ papet/2003/ep403/igualdade_versus_diferenca.htm

Carvalhaes, F. & Ribeiro, C. A. C. (2019). Estratificação horizontal da educação superior no Brasil: Desigualdades de classe, gênero e raça em um contexto de expansão educacional. Tempo Social, 31 (1), 195-233. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-20702019000100195 &lng=pt&nrm=iso

Casaca, S. F. (2009). Revisitando as teorias sobre a divisão sexual do trabalho. SOCIUS Working Papers, 4, 1-61. Recuperado de https://www.repository.utl.pt/bitstream/10400.5/1116/1/WP_4_2009.ultima.versao.pdf

Cruz, M S. (2010). Atitudes, expectativas e discriminação no mercado de trabalho brasileiro. Tese de Doutorado, Departamento de Economia Aplicada, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza. Recuperado de http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/683

Custódio, A. L. M. & Moya, R. (2007). Indicadores Ethos de Responsabilidade Social Empresarial 2007. Recuperado de https://www3.ethos.org.br/wp-content/uploads/2013/07/IndicadoresEthos_2013_PORT.pdf

Domingues, P. (2008). Decifrando os segredos internos: a transição do trabalho escravo para o livre no Brasil. Iberoamericana, 8 (31), 197-205. Recuperado de: https://www.jstor.org/stable/41676656

Dovidio, J. F. & Gaertner, S. L. (2004). Aversive Racism. Advances in experimental Social Psychology, 36, 1-51. Recuperado de http://www.psych.purdue.edu/~willia55/392F-'06/Dovidio&Gaertner.pdf

Estatísticas de Gênero 1 – Escolaridade das mulheres aumenta em relação à dos homens (2014, 14 de novembro). Instituto Patrícia Galvão. Recuperado de http://agenciapatriciagalvao.org.br/trabalho_/estatisticas-de-genero-1-escolaridade-das-mulheres-aumenta-em-relacao-dos-homens/

Federação da Indústria do Estado de Sergipe. (2012). Cadastro Industrial de Sergipe. Recuperado de http://www.fies.org.br/leitura/29/cadastroindustrial.html

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2000). Universo – Características da população de dos domicílios. Recuperado de http://www2.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/protabl.asp?c=210&z=cd&o=27&i=P

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2007). Classificação nacional de atividades econômicas – CNAE. Recuperado de http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/classificacoes/cnae2.0/cnae2.0.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Universo – Características da população de dos domicílios. Recuperado de http://www2.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/protabl.asp?c=3177&z=cd&o=7&i=P

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2014). Estatística de Gênero: Uma análise do censo demográfico de 2010 (Estudos e Pesquisas Informação Demográfica e Socioeconômica número 33). Recuperado de http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=288941

Instituto Ethos. (2010). Perfil social, racial e de gênero das 500 maiores empresas do Brasil. Recuperado de https://www3.ethos.org.br/cedoc/perfil-social-racial-e-de-genero-das-500-maiores-empresas-do-brasil-e-suas-acoes-afirmativas-pesquisa-2010/#.W2KEJUxFzIU

Kometani, P. (2017, 15 de março). Mulheres ganham menos do que os homens em todos os cargos, diz pesquisa. G1 Globo. Recuperado de https://g1.globo.com/economia/concursos-e-emprego/noticia/mulheres-ganham-menos-do-que-os-homens-em-todos-os-cargos-diz-pesquisa.ghtml

Lima, M., Rios, F., & França, D. (2013). Articulando gênero e raça: a participação das mulheres negras no mercado de trabalho. In M. M. Marcondes et al. (Orgs.). Dossiê mulheres negras: retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil (pp. 53-80). Recuperado de http://www.ipea.gov.br/igualdaderacial/index.p

hp?option=com_content&view=article&id=731

Lima, M. E. O. & Vala, J. (2004). As novas formas de expressão do preconceito e do racismo. Estudos de Psicologia, 9 (3), 401-411. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-294X2004000300002

Martins, E., Santos, A. O., & Colosso, M. (2013). Relações étnico-raciais e psicologia: publicações em periódicos da SciELO e Lilacs. Psicologia: Teoria e Prática, 15 (3), 118-133. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872013000300009

Ministério da Educação. (n. d.). Estereótipos, preconceito e discriminação. Recuperado de https://grupos.moodle.ufsc.br/pluginfile.php/1706/mod_resource/content/0/modulo4/mod4_unidade2_texto5.pdf

Ministério do Trabalho e Emprego. (2014). Dados Aleatórios – Microdados da RAIS. Recuperado de http://www.dadosaleatorios.com.br/2014/05/microdados-da-rais.html

Mummendey, A. & Wenzel, M. (1999). Social discrimination and tolerance in intergroup relations: Reactions to intergroup difference. Personality and Social Psychology Review, 3 (2), 158-74. Recuperado de: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15647144

Munanga, K. (2004). A difícil tarefa de definir quem é negro no Brasil. Estudos Avançados, 18 (50), 51-56. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142004000100005

Negri, J. A., Castro, P. F. de, Souza, N. R. de, & Arbache, J. S. (2001). Mercado de trabalho formal: Comparação entre os Microdados da RAIS e da PNAD. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Recuperado de http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/2155

Organização das Nações Unidas. (1998). Convenção da ONU de 21 de dezembro de 1965: Sobre a eliminação de todas as formas de discriminação racial. Recuperado de http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001393/ 139390por.pdf

Pager, D. (2006). Medir a discriminação. Tempo Social, 18 (2), 65-88. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/ts/article/view/12515/14292

Paixão, M. & Gomes, F. (2008, setembro). Histórias das diferenças e das desigualdades revisitadas: notas, sobre gênero, escravidão, raça e pós-emancipação. Revista de Estudos Feministas, 16 (3), 949-964. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-026X2008000300014&script=sci_abstract&tlng=pt

Paixão, M., Rosseto, I., & Monçores, E. (2013). Investigação sobre a qualidade da variável cor ou raça na RAIS através de um estudo comparativo com a PNAD e o IBGE. In 36º Encontro Anual da ANPOCS (pp. 1-28). Águas de Lindóia, SP. Recuperado de http://www.anpocs.org/portal/index.phpoption=com_docman&task =doc_view&gid=8349&Itemid=76

Pinto, G. (2006). Situação das mulheres negras no mercado de trabalho: uma análise dos indicadores sociais. Recuperado de http://files.ufgd.edu.br/arquivos/arquivos/78/NEAB/Giselle%20Pinto.PDF

Quillian, L. (2006). New approaches to understanding racial prejudice and discrimination. Annual Review of Sociology, 32, 299-328. doi: 10.1146/annurev.soc.32.061604.123132

Saboia, J. L. M. & Tolipan, R. M. L. (1985, agosto). A relação anual de informações sociais (RAIS) e o mercado formal de trabalho: uma nota. Pesquisa Plano Econômico 15 (2), 447-456. Recuperado de: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/6161

Sacco, A. M., Couto, M. C. P. P., & Koller, S. H. (2016). Revisão Sistemática de estudos de psicologia brasileira sobre preconceito racial. Temas psicologia, 24 (1), 233-250. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2016000100012

Servo, L. M. S., Furtado, P., Amorim, B. M. F., Ribeiro, E. P., & Souza, A. L. (2006). Base de dados: apresentação e opções metodológicas. In C. Henrique Courseuil & L. M. S. Servo (Orgs.). Criação, destruição e realocação de empregos no Brasil (pp. 09-103). Brasília: IPEA. Recuperado de: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=5534

Silva, V. P., Lima, M. E. O., & Silva, P. (2017). Teoria do Racismo Aversivo. In A discriminação da mulher negra no setor industrial sergipano entre 2007 e 2014: Uma análise dos impactos da norma de responsabilidade social empresarial. Dissertação de Mestrado em Psicologia Social, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Sergipe, Aracaju.

Soares, S. D. (2000). O perfil da discriminação no mercado de trabalho: homens negros, mulheres brancas e mulheres negras. Brasília: IPEA. Recuperado dehttp://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/TDs/td_0769.pdf

Souza, P. F. L., Salvato, M. A., & França, J. M. (2013). Ser mulher e negro no Brasil ainda leva a menores salários? Uma análise de discriminação para Brasil e regiões: 2001 e 2011. In XLI Encontro Nacional de Economia (p. 19). Foz do Iguaçu, PR. Recuperado de https://www.anpec.org.br/encontro/2013/files_I/i13-fdf7ed2c0ef980eed5174b846032f924.pdf

Telles, E. E. (2004). O significado da raça na sociedade brasileira. Recuperado de https://professorsauloalmeida. files.wordpress.com/2014/07/livro-o-significado-da-raca-na-sociedadebrasileira2.pdf

Vasconcellos, M. A. & Silva, R. H. (2013). Reflexões teóricometodológicas sobre a análise documental em processos judiciais trabalhistas. Revista da ABET, 12 (2), 115-132. Recuperado de: https://periodicos.ufpb.br/ojs/ index.php/abet/article/view/20201

Downloads

Publicado

2019-12-21

Como Citar

Silva, V. P., Lima, M. E. O., & Silva, P. da. (2019). A norma de responsabilidade social e a discriminação da mulher negra no setor industrial. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 22(1), 29-47. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v22i1p29-47

Edição

Seção

Artigos Originais