Saúde do trabalhador e economia solidária

um estudo do cotidiano em empreendimentos econômicos solidários

Palavras-chave: Saúde do trabalhador, Economia solidária, Cooperativismo, Cotidiano

Resumo

Buscamos saber como os trabalhadores que se encontram em cinco empreendimentos econômicos solidários, de cinco diferentes cidades do oeste paulista, enfrentavam, tática e estrategicamente, suas dificuldades cotidianas no que se refere à saúde do trabalhador. Para tal, estabelecemos uma convivência etnográfica que não dispensou uma parceria e complementaridade metodológica com a pesquisa-ação para podermos intervir, sempre que os grupos assim negociavam nossa presença. Encontramos algumas ações táticas e estratégicas dos trabalhadores, que tanto os favoreciam como desfavoreciam, cotidianamente. Contudo, pudemos desvelar a importância da busca pela Economia Solidária e pelo cooperativismo para os vetores que promovem a saúde dos trabalhadores dentro dos empreendimentos. Assim, com base em nossa experiência, podemos afirmar que, nos grupos supracitados, apesar da reprodução dos modos de produção capitalista ser uma realidade, o fato de se buscar modos diferentes de trabalhar e obter renda é capaz de promover, no cotidiano, alterações significativas para os grupos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Addor, F. (2006). Desafios da Economia Solidária no Brasil: uma sistematização da literatura existente. In Anais do 4º Encontro Internacional de Economia Solidária: Educação, Política e Integração da América Latina NESOL. São Paulo.

Alencar, M. M. T. (2007). O apoio às pequenas unidades produtivas no Brasil: alternativa ao desemprego ou (des)construção do trabalho assalariado no Brasil? In E. M. E. Francisco & C. C. L. Almeida (Orgs.), Trabalho, território, cultura: novos prismas para o debate das políticas públicas (pp. 99-118). São Paulo: Cortez.

Andrada, C. F. (2010). Etnografias em psicologia social: notas sobre uma aproximação fecunda. Ponto Urbe [Online], 7 (1), 1-16.

Andrada, C. F. (2013). Trabalho e política no cotidiano da autogestão: o caso da rede justa trama. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Barfknecht, K. S., Merlo, A. R. C., & Nardi, H. C. (2006). Saúde mental e economia solidária: análise das relações de trabalho em uma cooperativa de confecção de Porto Alegre. Psicologia & Sociedade, 18 (2), 54-61.

Bernardo, M. H. (2009). Trabalho duro discurso flexível: uma análise das contradições do toyotismo a partir da vivência de trabalhadores. São Paulo: Expressão Popular.

Brancaleoni, A. P. L. & Borges, A. C. G. (2010). Saúde e segurança no trabalho em uma associação de reciclagem de Jaboticabal-SP. In Anais do 7º Seminário de Saúde do Trabalhador de Franca. Franca, SP.

Carvalho, A. M. R. (2008). Cooperativa de catadores de materiais recicláveis de Assis - COOCASSIS: espaço de trabalho e seus desdobramentos para a consciência. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Certeau, M. (1994). A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes.

Certeau, M. (1995). A cultura no plural. Campinas, SP: Papirus.

Costa, F. B. (2008). Homens invisíveis: relatos de uma humilhação social. São Paulo: Globo.

Dagnino, R. (2014). A tecnologia social e seus desafios. In R. Dagnino (Org.), Tecnologia social: contribuições conceituais e metodológicas (pp. 19-34). Campina Grande, PB: EDUEPB.

Dejours, C. (1992). Por uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. In J. F. Chanlat (Org.), O indivíduo na organização: dimensões esquecidas (pp. 150-173). São Paulo: Atlas.

Esteves, E. G. (2010). Autogestão e identidade: a experiência dos trabalhadores da Metalcoop. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Galon, T. & Marziale, M. H. P. (2016). Condições de trabalho e saúde de catadores de materiais recicláveis na América Latina: uma revisão de escopo. In B. C. J. Pereira & F. L. Goes (Orgs.), Catadores de materiais recicláveis: um encontro nacional (pp. 169-199). Rio de Janeiro: Ipeia.

Geertz, C. (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara.

Gutberlet, J., Baeder, A. M., Pontuschka, N. N., Felipone, S. M. N., Santos, T. L. F., & Souza, A. M. (2016). Pesquisa ação em educação ambiental e saúde dos catadores: estudo de caso realizado com integrantes de cooperativas de coleta seletiva e reciclagem na região metropolitana de São Paulo. In B. C. J. Pereira & F. L. Goes (Orgs.), Catadores de materiais recicláveis: um encontro nacional (pp. 201-214). Rio de Janeiro: Ipeia.

Magnani, J. G. C. & Torres, L. L. (2008). Na metrópole. São Paulo: Edusp.

Neves, V. F. A. (2006). Pesquisa-ação e etnografia: caminhos cruzados. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 1 (1), 1-17.

Oliveira, E. S. S. (2012). Qualidade de vida das mulheres de carreira docente. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista, Franca, SP.

Oliveira, F. (2014). Perspectivas psicossociais para o estudo do cotidiano de trabalho. Revista Psicologia USP, 25 (1), 41-50.

Paparelli, R., Sato, L., & Oliveira, F. (2011). Saúde mental relacionada ao trabalho e os desafios aos profissionais de saúde. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 36 (123), 118-127.

Pereira, J. A. (2015). Trabalho docente e sofrimento mental: um estudo em uma escola pública do Estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista, Franca, SP.

Rockwell, E. (1986). Etnografia na pesquisa educacional. In J. Ezpeleta & E. Rockwell (Orgs.), Pesquisa Participante (pp. 31-54). São Paulo: Cortez.

Rockwell, E. (1987). Reflexiones sobre el processo etnográfico (1982-85). México: DIE/CINVESTAV, IPN.

Sato, L. (1993). A representação social do trabalho penoso. In M. J. Spink (Org.), O conhecimento no cotidiano: as representações sociais na perspectiva da psicologia social (pp. 188-211). São Paulo: Brasiliense.

Sato, L. (1997). Astúcia e ambigüidade: as condições simbólicas para o replanejamento negociado no chão de fabrica. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, Instituto de Psicologia, São Paulo.

Sato, L. (2006). Feira livre: organização, trabalho e sociabilidade. Tese de Livre Docência, Universidade de São Paulo, Instituto de Psicologia, São Paulo.

Sato, L. (2009). Trabalho: sofrer? constituir-se? resistir? Psicologia em Revista, 15 (3), 189-199.

Seligmann-Silva, E. (2011). Trabalho e desgaste mental: o direito de ser o dono de si mesmo. São Paulo: Cortez.

Sícoli, J. L. (2007). Potencialidades e limites da autogestão ao nível da organização do trabalho e suas repercussões à saúde dos trabalhadores: estudo etnográfico da Coopermape – Cooperativa de Reciclagem de Matéria-Prima de Embu. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Instituto de Psicologia, São Paulo.

Silva, J. V. R. & Thomaz-Junior, A. (2013). As territorialidades do trabalho com a coleta de lixo domiciliar urbano em Presidente Prudente/SP: invisibilidade social e saúde do trabalhador. Revista da Rede de Estudos do Trabalho, 6 (13), 72-88.

Souza, M. R. (2015). Psicologia social e etnografia: histórico e possibilidades de contato. Psicologia: Ciência & Profissão, 35 (2), 389-405.

Spink, P. K. (1996). A organização como um fenômeno psicossocial: notas para uma redefinição da Psicologia do Trabalho. Psicologia & Sociedade, 1 (8), 174-192.

Spink, P. K. (2008). O pesquisador conversador no cotidiano. Psicologia & Sociedade, 20 (ed. especial), 70-77.

Spink, P. K. (2012). Ética na pesquisa científica. GV-Executivo, 11 (1), 38-41.

Torres, A. E. (2016). Círculo de cultura e economia solidária: uma investigação dessa aliança no cotidiano dos catadores da Coocassis. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Assis, SP.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Weil, S. (1979). A condição operária e outros escritos sobre a opressão (Organização e Apresentação de Ecléa Bosi). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Publicado
2019-12-21
Como Citar
Castro, M. (2019). Saúde do trabalhador e economia solidária. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 22(1), 65-80. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v22i1p65-80
Seção
Artigos Originais