Violências contra trabalhadores adoecidos e instrumentos de gestão

uma relação a explorar

  • Daniela Sanches Tavares Fundacentro
  • Cristiane Queiroz Barbeiro Lima Fundacentro
Palavras-chave: Violência no trabalho, doenças do trabalho, saúde do trabalhador

Resumo

Trata-se de estudo realizado por demanda de um sindicato de trabalhadores metalúrgicos à Fundacentro, objetivando analisar as situações de violências vividas por trabalhadores adoecidos pelo trabalho em uma montadora de automóveis. Foram realizadas entrevistas com sindicalistas, visita à montadora, entrevistas individuais e coletivas com trabalhadores, validação dos dados. À luz da discussão sobre violências relacionadas ao trabalho e intensificação do trabalho, analisou-se sua relação com instrumentos de gestão. Com base na compreensão de gestão de Gaulejac e na perspectiva das evoluções conceituais sobre violência no trabalho, expressada por Soboll, entre outros, confirmaram-se práticas de exclusão e isolamento de trabalhadores adoecidos, humilhações e descaracterização das doenças relacionadas ao trabalho, deslegitimando e colocando os adoecidos sob suspeita. Instrumentos de gestão e elementos da cultura organizacional eram utilizados nestas práticas violentas caracterizando um modo de agir sistêmico que contribui para a cronificação de doenças e a geração de incapacidade, além de prejudicarem ações preventivas, tanto da própria empresa, como do Estado, pela ocultação de riscos e danos. Demandas dessa natureza são frequentes, evidenciando que a violência contra adoecidos pelo trabalho e o ocultamento de doenças do trabalho constituem sério problema social com impacto dramático nas vidas de trabalhadores e no sistema de saúde pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-12-21
Como Citar
Tavares, D., & Lima, C. (2019). Violências contra trabalhadores adoecidos e instrumentos de gestão. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 22(1), 81-97. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v22i1p81-97
Seção
Artigos Originais