As vivências do desemprego entre trabalhadores no interior do Rio Grande do Norte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v22i1p99-115

Palavras-chave:

Desemprego, Vivências, Enfrentamento ao desemprego, Sentido do trabalho

Resumo

O desemprego tem se tornado foco constante de estudos desenvolvidos pela psicologia, mas o contexto interiorano é pouco explorado. Objetivou-se analisar a vivência do desemprego por trabalhadores em um município interiorano, considerando os significados atribuídos ao trabalho e desemprego, crenças, sentimentos e estratégias de enfrentamento. Foram realizadas entrevistadas semiestruturadas com sete mulheres e três homens, com idade entre 20 e 55 anos e tempo de desemprego entre um mês e 20 anos. Foi possível identificar que a crença do desemprego pode ser atribuída às causalidades externas e o trabalho significado como sobrevivência. Os afetos são ambíguos e as principais estratégias de sobrevivência são a realização de trabalhos informais e dependência do auxílio financeiro da família. Para superar o desemprego, os entrevistados distribuem currículos e realizam capacitação. Conclui-se que há semelhanças entre aspectos das vivências do desemprego interioranos, identificados neste estudo, e outros que focalizaram trabalhadores em grandes centros, se diferenciando no pouco recurso às políticas públicas e aos círculos sociais como forma de superar o desemprego.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fellipe Coelho Lima, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Atualmente é Professor Adjunto do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Possui graduação (2010), mestrado (2013) e doutorado (2016) em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. É membro do Grupo de Estudos e Pesquisa sobre o Trabalho (GEPET/UFRN) e do Grupo de Pesquisas Marxismo & Educação (GPM&E/UFRN). Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social do Trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: ideologia no trabalho, sentido/significado do trabalho, informalidade, desemprego, teoria social marxista/marxiana.

Referências

Ackermann, K., Amaral, M. A., Silva, J. C. B., Geraldes, A. L., Lima, T. N., Lombardi, M., Júnior, Mendes, A., & Scandiucci, G. (2005). O desemprego do tempo: narrativas de trabalhadores desempregados em diferentes ambientes sociais. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 8, 1-27.

Álvaro-Estramiana, J. L., Gondim, S. M. G. G., Garrido-Luque, A., Luna, A. F., & Dessen, M. C. (2012). Desempleo y bienestar psicológico en Brasil y España: Un estudio comparativo. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 12 (1), 1-12.

Andersen, S. H. (2014). Unemployment and subjective well-being: a question of class? Work and Occupations, 41 (2), 3-25.

Antunes, R. (1999). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Argolo, J. C. T. & Araújo, M. A. D. (2004). O impacto do desemprego sobre o bem-estar psicológico dos trabalhadores da cidade de Natal. Revista de Administração Contemporânea, 8 (4), 161-182.

Balassiano, M., Seabra, A. A. D., & Lemos, A. H. (2005). Escolaridade, salários e empregabilidade: tem razão a teoria do capital humano? Revista de Administração Contemporânea, 9 (4), 31-52.

Barros, C. A. & Oliveira, T. L. (2009). Saúde mental de trabalhadores desempregados. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 9 (1), 86-107.

Barros, R. M. & Moreira, A. S. (2015). Desemprego, autoestima e satisfação com a vida: estudo exploratório realizado em Portugal com beneficiários do Rendimento Social de Inserção. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 15 (2), 146-156.

Bauer, M. W. (2000). Classical content analysis: a review. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Eds.), Qualitative researching with text, image and sound: a practical handbook for social research (pp. 131-151). Londres: Sage.

Bendassolli, P. F., Coelho-Lima, F., Carlotto, M. S., Nussle, F. S., & Ferreira, I. M. (2015). Estratégias utilizadas pelos trabalhadores para enfrentar o desemprego. Revista Colombiana de Psicologia, 24 (2), 347-362.

Bendassolli, P. F., Gondim, S. M. G., & Coelho-Lima, F. (2015). Attributions of causes for unemployment by unemployed workers. Análise Psicológica, 33, 153-164.

Bendassolli, P. F, Coelho-Lima, F, Pinheiro, R. A., & Gê, P. A. S. (2016). The meaning of work during short-term unemployment. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32 (1), 123-132.

Brief, A., Konovsky, M., Goodwin, R., & Link, K. (1995). Inferring the meaning of work from the effects of unemployment. Journal of Applied Social Psychology, 25, 693-71.

Buendía, J. (2010). El impacto psicológico del desempleo. Murcia: Servicio de Publicaciones.

Caleiras, J. (2015). Para lá dos números: as consequências pessoais do desemprego. Coimbra: Leya.

Carmo, F. M. & Jimenez, S. V. (2013). Em busca das bases ontológicas da psicologia de Vygotsky. Psicologia em Estudo, 18 (4), 621-631.

Coelho-Lima, F., Costa, A. L. F., & Bendassolli, P. F. (2013). A produção científica da psicologia brasileira acerca do desemprego. Universitas Psychologica, 12 (4), 1283-1299.

Couyoumdjian, J. P. & Larroulet, C. (2009). Entrepreneurship and growth: a latin american paradox? The Independent Review: A Journal of Political Economy, 14 (1), 81-100.

Dal Magro, M. L. P. & Coutinho, M. C. (2006). Os sentidos do trabalho para sujeitos inseridos em empreendimentos solidários. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Delari Jr, A. (2011). Sentidos do “drama” na perspectiva de Vigotski: um diálogo no limiar entre arte e psicologia. Psicologia em Estudo, 16 (2), 181-197.

DIEESE (s. d.). Sistema PED: metodologia utilizada. São Paulo: DIEESE.

Ezzy, D. (1993). Unemployment and mental health: a critical review. Social Science and Medicine, 37, 41-52.

Fontanella, B. J. C., Ricas, J., & Turato, E. R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública, 24 (1), 17-27.

Furnham, A. (1982). Explanations for unemployment in Britain. European Journal of Social Psychology, 12, 335-352.

Furnham, A. (2013). The psychology of unemployment: Laying off people in a recession. In A. G. Antoniou & C. L. Cooper (Eds.), The psychology of the recession on the workplace (pp. 155-175). Glos/Massachusets: Edward Elgar.

Furtado, O. (1999). Globalização e desemprego: um debate sobre o fim do emprego. Revista da ESPM, 6, 9-14.

Gondim, S. M. G., Álvaro, J. L., Luna, A. D. F., Oliveira, T., & Souza, G. C. D. (2010). Atribuições de causas ao desemprego e valores pessoais. Estudos de Psicologia (UFRN), 15 (3), 309-317.

Graetz, B. (1993). Health consequences of employment and unemployment: longitudinal evidence for young men and women. Social Science and Medicine, 36, 715-724.

Guimarães, N. (2009a). Desemprego e procura de trabalho: mecanismos e percepções. In N. Guimarães (Org.), Desemprego, uma construção social: São Paulo, Paris e Tóquio (pp. 67-86). Belo Horizonte: Argvmentvm.

Guimarães, N. (2009b). A força dos contatos pessoais. In N. Guimarães (Org.), À procura de trabalho: instituições do mercado e redes (pp. 175-198). Belo Horizonte: Argvmentvm.

Harpaz, I. & Meshoulam, I. (2004). Differences in the meaning of work in Israel: workers in high-tech versus traditional work industries. Journal of High Technology Management Research, 15 (2): 163-182.

Harvey, D. (2011). O enigma do capital: e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo.

Ilienkov, E. V. (2013). O universal. Revista Dialetus, 1 (2), 253-278. (Originalmente publicado em 1973)

IBGE (2016). Cidades. Recuperado de https://cidades.ibge.gov.br/v4/municipio/241120

IBGE (2019). Indicadores IBGE: Pesquisa nacional por amostra de domicílios contínua - primeiro trimestre de 2019. Brasília: IBGE.

Kahn, H. (2013). Unemployment and mental health. In A. G. Antoniou & C. L. Cooper (Eds.), The psychology of the recession on the workplace (pp. 196-208). Glos/Massachusets: Edward Elgar.

Leão, I. B., Maldonado, E. H., Moura, P. B., Teruya, P. S., Araújo, A. K., Espíndola, G. M., Santos, L. G., & Moura, L. H. (2006). Implicações psicossociais do desemprego para a consciência individual: manifestações no pensamento e emoção. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 1 (2), 1-24.

Leão, I. B., Souza, J. A. M., & Silva, A. P. B. (2015). The consciousness of unemployed workers in Brazil analysed by social psychology. In: B. Mohan. (Org.), Construction of social psychology (149-158). Lisboa: InScience Press.

Lima, A. V. Q. & Gomes, M. W. F. (2010). "Estou formado(a), e agora?": uma análise sobre o sofrimento psíquico de desempregados recém-formados em instituições de nível superior em São Luís-MA. Cadernos de Pesquisa, 17 (3), 37-46.

Machado, L. V., Facci, M. G. D., & Barroco, S. M. S. (2011). Teoria das emoções em Vigotski. Psicologia em Estudo, 16 (4), 647-657.

Mandel, E. (1982). O capitalismo tardio: uma tentativa de explicação marxista. São Paulo: Nova Cultura. (Originalmente publicado em 1972)

Mandelbaum, B. P. H. & Ribeiro, M. A. (2017). Desemprego: uma abordagem psicossocial. São Paulo: Edgard Blücher.

Marx, K. (2013). O capital: crítica da economia política. Livro I: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo. (Originalmente publicado em 1867)

Marx, K. & Engels, F. (2015). A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo. (Originalmente publicado em 1932)

Minayo, M. C. S. (1996). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes.

Moyano-Díaz, E., Gutiérrez Peña, D., Zúñiga Cabrera, K., & Cornejo, F. A. (2013). Employees and unemployed, causal attributions and subjective well-being. Psicologia & Sociedade, 25, 440-450.

Mylonas, K., Furnham, A., Alvaro, J. L., Papazoglou, S., Divale, W., Cretu, R. Z., Grad, H., Gondim, S. M. G., Leblebici, C., Filus, A., Moniz, A., Mitsostergiou, A., Kyvetou, G., Konstantinidis, E., & Boski, P. (2016). Explanations of unemployment: an eight-country comparison. International Journal of Academic Research in Business and Social Sciences, 6 (9), 344-361.

Nogueira, V. M. R. (2001). Estado de bem-estar social: origens e desenvolvimento. Revista Katálysis, 5, 89-103.

Oliveira, J. & Mendes, A. (2014). Sofrimento psíquico e estratégias defensivas utilizadas por desempregados: contribuições da psicodinâmica do trabalho. Temas em Psicologia, 22 (2), 389-399.

Pasqualini, J. C. & Martins, L. M. (2015). Dialética singular-particular-universal: implicações do método materialista dialético para a psicologia. Psicologia & Sociedade, 27( 2), 362-371.

Peixoto, T. P. & Borges, L. O. (2015). The metals sector: labor union relations, motivation, and meanings of Work. Revista Colombiana de Psicología, 24 (1), 165-181.

Prestes, Z. & Tunes, E. (2012). A trajetória de obras de Vigotski: um longo percurso até os originais. Estudos de Psicologia (Campinas), 29 (3), 327-340.

Prette, A. D. (1990). Movimentos sociais em uma perspectiva psicológica social: o movimento de luta contra o desemprego. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Ramos, C. A., Lobo, V., & Anze, V. R. (2015). A importância alocativa das políticas de emprego. Mercado de trabalho, 58 (21), 37-50.

Ribeiro, M. A. (2007). Psicose e desemprego: um paralelo entre experiências psicossociais de ruptura biográfica. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 10 (1), 75-91.

Sala, G. (2011). Empleo y desempleo entre los adultos mayores argentinos. Documento de Trabajo, 7, 1852-1223.

Santa, F. D. & Baroni, V. (2014). As raízes marxistas do pensamento de Vigotski: constribuições teóricas para a Psicologia Histórico-Cultural. Kínesis, 6 (12), 1-16.

Schmitz, H. (2011). Why are the unemployed in worse health? The causal effect of unemployment on health. Labour Economics, 18 (1), 71-78.

Silva, L. F. (2012). Estratégias de coping e bem estar subjetivo: estudo com trabalhadores desempregados. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia.

Toassa, G. & de Souza, M. P. R. (2010). As vivências: questões de tradução, sentidos e fontes epistemológicas no legado de Vigotski. Psicologia USP, 21 (4), 757-779.

Tumolo, L. M. S. (2002). As características da vivência das pessoas que se encontram desempregadas. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Tumolo, L. M. S. & Tumolo, P. S. (2004). A vivência do desempregado: um estudo crítico do significado do desemprego no capitalismo. Espaço Acadêmico, 43, 1-13.

Veresov, N. (2016). Perezhivanie as a phenomenon and a concept: questions on clarification and methodological meditations. Cultural-Historical Psychology, 12 (3), 129-148.

Vinuto, J. (2014). A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, Campinas, 22 (44), 203-220.

Vygotsky, L. S. (2000). Psicologia concreta do homem. Educação & Sociedade, 21 (71), 23-44. (Originalmente publicado em 1986)

Vygotsky, L. S. (2009). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1934)

Downloads

Publicado

2019-12-21

Como Citar

Lima, F. C., Teixeira, M. R. C., Lima, K. L. da S., & Medeiros, A. L. G. de. (2019). As vivências do desemprego entre trabalhadores no interior do Rio Grande do Norte. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 22(1), 99-115. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v22i1p99-115

Edição

Seção

Artigos Originais