Quem manda também sofre: um estudo sobre o sofrimento de gestores no trabalho

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v23i2p157-174

Palavras-chave:

Prazer e sofrimento no trabalho, Sofrimento no trabalho gerencial, Psicodinâmica do Trabalho

Resumo

Baseado principalmente na Psicodinâmica do Trabalho, este artigo resume uma pesquisa que objetivou conhecer as causas de sofrimento no trabalho gerencial; identificar como gerentes percebem o sofrimento e o prazer em seu trabalho e quais as principais causas de prazer laboral. Foram feitas entrevistas semiestruturadas com gerentes de posições hierárquicas e setores distintos, no interior paulista. A interpretação das entrevistas deu-se pela Análise dos Núcleos de Sentido (ANS). Identificamos sete núcleos de sentido para entender as vivências de sofrimento e prazer no trabalho gerencial e identificar suas causas: a) Prescrição do trabalho; b) Culto às metas e desempenho; c) Relações interpessoais; d) Carga de responsabilidade; e) Autonomia; f) Reconhecimento e g) Equilíbrio entre trabalho e vida pessoal. Confirmamos que há sofrimento laboral dos/das gerentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aguiar, V. B. (2013). Psicodinâmica da relação gestor/a-equipe: análise do prazer-sofrimento no trabalho em uma organização

pública. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília. Recuperado de https://repositorio.unb.br/

handle/10482/13631

Aguiar, W. M. J. & Ozella, S. (2006). Núcleos de significação como instrumento para a apreensão da constituição

dos sentidos. Psicologia: Ciência e profissão, 26(2), 222-245. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/

scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932006000200006&lng=pt&nrm=iso

Araújo, J. N. G. (2008). Entre servidão e sedução do trabalhador: uma secular insistência do capital. In A. M. Mendes

(Org.), Trabalho e saúde. O sujeito entre emancipação e servidão (pp. 54-68). Curitiba: Juruá.

Bendassolli, P. F. (2003). Afeto sob controle. GV-executivo, 2(2), 63-67. Recuperado de https://rae.fgv.br/sites/

rae.fgv.br/files/artigos/1971.pdf

Bendassolli, P. F. (2005). Cultura da performance. GV-executivo, 3(4), 45-48. Recuperado de http://bibliotecadigital.fgv.br/

ojs/index.php/gvexecutivo/article/download/34605/33411

Bendassolli, P. F. (2009). Os fetiches da gestão. Aparecida, SP: Ideias & Letras.

Bendassolli, P. F. (2011). Mal-estar no trabalho: do sofrimento ao poder de agir. Revista Mal-Estar e Subjetividade,

(1), 63-98. Recuperado de http://www.pedrobendassolli.com/textos/mal-estar.pdf

Braga, C. D. & Pereira, L. Z. (2011, novembro). Relação entre a Função Gerencial e o Estresse Ocupacional: uma análise

a partir do Impacto das Novas Tecnologias de Gestão. Artigo apresentado no III Encontro de Gestão de Pessoas e

Relações de Trabalho, João Pessoa, PB. Recuperado de http://www.anpad.org.br/admin/pdf/EnGPR113.pdf

Chiavenato, I. (2003). Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das

organizações. Rio de Janeiro: Elsevier.

Dejours, C. (2016). Souffrance et plaisir au travail : l’approche par la Psychopathologie du Travail. Travailler, 1(35),

-30. Recuperado de https://www.cairn.info/revue-travailler-2016-1-page-17.htm

Dejours, C. (1994a). A carga psíquica do trabalho. In C. Dejours, E. Abdoucheli & C. Jayet, (Orgs.), A psicodinâmica

do trabalho: contribuições da Escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas.

Dejours, C. (1994b). Trabalho e saúde mental: da pesquisa à ação. In C. Dejours, E. Abdoucheli & C. Jayet, A

psicodinâmica do trabalho: contribuições da Escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho.

São Paulo: Atlas.

Dejours, C. (1996). Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. In J-F. Chanlat (Coord.), O indivíduo na

organização. Dimensões esquecidas (Vol. 1). São Paulo: Atlas.

Dejours, C. (2004). Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção, 14(3), 27-34. Recuperado de https://www.scielo.br/

pdf/prod/v14n3/v14n3a03.pdf

Dejours, C. (2006). A Banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas.

Dejours, C. (2012). Trabalho Vivo: trabalho e emancipação. Tomo II. Brasília, DF: Paralelo 15.

Dejours, C. & Abdoucheli, E. (1994). Itinerário teórico em psicopatologia do trabalho. In C. Dejours, E. Abdoucheli

& C. Jayet, A psicodinâmica do trabalho: contribuições da Escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento

e trabalho. São Paulo: Atlas.

Dejours, C., Abdoucheli, E. & Jayet, C. (1994). A psicodinâmica do trabalho: contribuições da Escola Dejouriana à análise

da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas.

Dejours, C. & Jayet, C. (1994). Psicopatologia do trabalho e organização real do trabalho em uma indústria de

processo: metodologia aplicada a um caso. In C. Dejours, E. Abdoucheli & C. Jayet, A psicodinâmica do trabalho:

contribuições da Escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas.

Ehrenberg, A. (2010). O culto da performance: da aventura empreendedora à depressão nervosa. Aparecida, SP: Idéias

& Letras.

Faria, J. H. & Meneghetti, F. K. (2007). O Sequestro da Subjetividade. In J. H. Faria (Org.), Análise crítica das teorias e

práticas organizacionais. São Paulo: Atlas.

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social. Ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida, SP:

Ideias & Letras.

Gruschka, A. (2014). Frieza burguesa e educação: a frieza como mal-estar moral da cultura burguesa na educação. Campinas,

SP: Autores Associados.

Hampton, D. R. (1983). Administração contemporânea: teoria, prática e casos. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.

Heloani, R. & Lancman, S. (2004). Psicodinâmica do trabalho: o método clínico de intervenção e investigação. Revista

Produção, 14(3), 77-86. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/prod/v14n3/v14n3a08.pdf

Laroche, H. (2017). La prise de décision. In N. Aubert, J-P. Gruère, J. Jabes, H. Laroche & S. Enlart (Orgs.), Management :

aspects humains et organisationnels. Paris: PUF.

Lima, M. E. A. (1995). Os equívocos da excelência: as novas formas de sedução na empresa. Petrópolis, RJ: Vozes.

Melo, M. O. L., Cassini, M. L. & Lopes, A. M. (2011). Do Estresse e Mal-Estar Gerencial ao Surgimento da

Síndrome de Estocolmo Gerencial. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 11(2), 84-99. Recuperado de

https://periodicos.ufsc.br/index.php/rpot/article/view/22784

Mendes, A. M. (2007a). Inventário sobre trabalho e riscos de adoecimento – ITRA: Instrumento diagnóstico de

indicadores críticos no trabalho. In A. M. Mendes (Org.), Psicodinâmica do Trabalho: teoria, método e pesquisas.

São Paulo: Casa do Psicólogo.

Mendes, A. M. (2007b). Pesquisa em psicodinâmica: a clínica do trabalho. In A. M. Mendes (Org.), Psicodinâmica do

Trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Mendes, A. M. & Morrone, C. (2010). Trajetória teórica e pesquisas brasileiras sobre prazer e sofrimento no trabalho.

In A. M. Mendes, A. R. C. Merlo, C. F. Morrone & E. P. Facas (Orgs.), Psicodinâmica e Clínica do Trabalho:

Temas, interfaces e casos brasileiros. Curitiba: Juruá.

Miles, M. B. & Huberman, A. M. (2003). Analyse des données qualitatives. Bruxelas: Deboeck.

Motta, P. R. (2004). Gestão contemporânea: a ciência e a arte de ser dirigente. Rio de Janeiro: Record.

Navarro, V. & Padilha, V. (2007). Dilemas do trabalho no capitalismo contemporâneo. Psicologia & Sociedade,

(spe), 14-20.

Paiva, K., Esther, A., Pires, A. & Melo, M. (2006). Milícias, malícias e delícias da função gerencial: o setor

hoteleiro em foco. Revista Turismo em Análise, 17(3), 116-141. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/

rta/article/view/63759

Paula, V. V. (2013). A saúde dos executivos – um estudo do estresse na atividade gerencial. IX Congresso Nacional de

Excelência em Gestão, Rio de Janeiro. Recuperado de http://www.inovarse.org/filebrowser/download/15437

Pereira, J. A. S. (2003). Prazer-sofrimento na atividade gerencial de uma empresa estratégica: impacto dos valores organizacionais.

Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF , Brasil. Recuperado de http://lpct.com.br/wpcontent/

uploads/2012/11/24-Pereira-Valores-Organizacionais.pdf

Pereira, L. Z., Braga, C. D. & Marques, A. L. (2008). Estresse no trabalho: estudo de caso com gerentes que atuam

em uma instituição financeira nacional de grande porte. Revista de Ciências da Administração, 10(21), 175-196.

Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/adm/article/view/2175-8069.2008v10n21p175/12670

Pereira, L. Z., Braga, C. D. & Marques, A. L. (2014). Estresse no Trabalho: um desafio para os gestores das

organizações brasileiras. REGE Revista de Gestão, 21(3), 401-413. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/

rege/article/view/99945

Pereira, L. Z., Lanna, F. C. C. C. & Coelho, G. I. (2014). Estresse ocupacional e liderança. Reuna, 19(4), 205-226.

Recuperado de http://www.spell.org.br/documentos/ver/36545/estresse-ocupacional-e-lideranca

Ronchi, C. C. (2016). Narcisismo nas organizações. O drama do individualismo no mundo do trabalho. Curitiba:

Juruá Editora.

Serva, M. & Ferreira, J. L. (2006). O fenômeno workaholic na gestão de empresas. RAP 40(2), 179-200. Recuperado de

http://www.scielo.br/pdf/rap/v40n2/v40n2a02.pdf

Shapero, A. (2011). O que a gestão diz e o que os gestores fazem. In H. Mintzberg, B. Ahlstrand & J. Lampel. (Orgs.),

Management não é o que você pensa. Porto Alegre: Bookman.

Westley, F. (2011). Tomada de decisão: não é o que você pensa. In H. Mintzberg, B. Ahlstrand & J. Lampel (Orgs.),

Management não é o que você pensa. Porto Alegre: Bookman.

Wood, T., Jr. & Paula, A. P. P. (2010). O culto da performance e o indivíduo S.A. In A. Ehrenberg. O culto da performance:

da aventura empreendedora à depressão nervosa. Aparecida, SP: Ideias & Letras.

Zaratini A. & Padilha, V. (2010). Trabalho e tempo livre: um estudo sobre qualidade de vida no trabalho com gerente do

setor hoteleiro. FACEF Pesquisa, 13(2), 204-220. Recuperado de https://bdpi.usp.br/item/002175653

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Moretto, M. R. G., & Padilha, V. (2020). Quem manda também sofre: um estudo sobre o sofrimento de gestores no trabalho. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 23(2), 157-174. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v23i2p157-174

Edição

Seção

Artigos Originais