Pessoas transgêneras e o mundo do trabalho: desafios e reflexões sobre o compromisso ético e político da Psicologia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v23i2p175-188

Palavras-chave:

Psicologia, Transgeneridade, Trabalho, Discriminação

Resumo

Na contemporaneidade, a não conformidade às normas de gênero produz discriminações nos diversos contextos sociais, incluindo o laboral. Compreendendo o trabalho como um elemento central na constituição do ser humano, no presente artigo, organizado como ensaio teórico, abordamos os desafios cotidianos enfrentados pelas pessoas transgêneras e seus impactos na inserção profissional, além de discutir o compromisso ético e político da Psicologia com essa população. Dessa forma, buscamos refletir sobre a importância de se abordar a temática “gênero” e “trabalho”, de forma crítica, na formação e atuação profissional. Defendemos que é essencial que a Psicologia, enquanto ciência e profissão, reflita criticamente sobre as possibilidades e situações de trabalho encontradas pelas pessoas trans e atue de forma a contribuir com o rompimento da visão que naturaliza e/ou atribui exclusivamente ao sujeito a responsabilidade pela exclusão social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Renan de Almeida da Silva, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Psicólogo e mestrando em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Rômulo Lopes da Silva, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Graduado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Carlos Henrique Ferreira da Silva, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Graduado em Filosofia e Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-CAMPINAS)

Referências

Anjos, K. P. L. & Lima, M. L. C. (2016). Gênero, sexualidade e subjetividade: algumas questões incômodas para a

psicologia. Psicologia em Pesquisa, 10(2), 49-56.

Antunes, R. (1995). Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho (2ª ed.).

Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas.

Antunes, R. (2000). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Arán, M. & Peixoto Júnior, C. A. (2007). Subversões do desejo: sobre gênero e subjetividade em Judith Butler. Cadernos

Pagu, (28), 129-147.

Arán, M., Murta, D. & Lionço, T. (2009). Transexualidade e saúde pública no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva,

(4), 1141-1149.

Associação Nacional de Travestis e Transexuais. (2018). Mapa dos assassinatos de Travestis e Transexuais no Brasil em

Brasília: ANTRA.

Benevides, B. G. & Nogueira, S. N. B. (Orgs.) (2019). Dossiê: Assassinatos e violência contra travestis e transexuais no

Brasil em 2018. Brasília: ANTRA.

Bento, B. (2011). Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Revista Estudos Feministas, 19(2), 549-559.

Bernardo, M. H., Oliveira, F., Souza, H. A. & Sousa, C. C. (2017). Linhas paralelas: as distintas aproximações da

Psicologia em relação ao trabalho. Estudos de Psicologia (Campinas), 34(1), 15-24.

Bernardo, M. H. & Pereira, M. S. (2017). O trabalho no contexto brasileiro atual e os compromissos da Psicologia.

In E. F. Rasera, M. S. Pereira & D. Galindo (Orgs.), Democracia participativa, Estado e Laicidade: Psicologia

Social e enfrentamentos em tempos de exceção (pp. 143-158). Florianópolis: ABRAPSO.

Borges, L. S., Canuto, A. A., Oliveira, D. P. & Vaz, R. P. (2013). Abordagens de gênero e sexualidade na Psicologia:

revendo conceitos, repensando práticas. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(3), 730-745.

Brasil. (2014). Resolução CNCD/LGBT nº 11, de 18 de dezembro de 2014. Estabelece os parâmetros para a inclusão

dos itens “orientação sexual”, “identidade de gênero” e “nome social” nos boletins de ocorrência emitidos pelas

autoridades policiais no Brasil. Brasília, DF: CNCD/LGBT.

Brasil. (2015). Resolução CNCD/LGBT nº 12, de 16 de janeiro de 2015. Brasília, DF: CNCD/LGBT.

Cidade, M. L. R. & Bicalho, P. P. G. (2017). Produção de verdade e processos de criminalização: retificação do registro

civil de pessoas trans no judiciário fluminense. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 69(1), 137-150.

Conselho Federal de Psicologia. (1999). Resolução CFP n° 001/99, de 22 de março de 1999. Estabelece normas de atuação

para os psicólogos em relação à questão da Orientação Sexual. Brasília, DF: CFP.

Conselho Federal de Psicologia. (2014). Código de Ética Profissional do Psicólogo. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Recuperado de: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/Co%CC%81digo-de-%C3%89tica.pdf

Conselho Federal de Psicologia. (2018). Resolução CFP nº 1, de 29 de janeiro de 2018. Estabelece normas de atuação para

as psicólogas e os psicólogos em relação às pessoas transexuais e travestis. Brasília, DF: CFP.

Conselho Federal de Psicologia. (2020). Resolução CFP n° 008/20, de 05 de agosto de 2020. Estabelece normas de exercício

profissional da psicologia em relação às violências de gênero. Brasília, DF: CFP.

Coutinho, M. C., Bernardo, M. H. & Sato, L. (2017). Psicologia social do trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes.

Coutinho, M. C., Krawulski, E. & Soares, D. H. P. (2007). Identidade e trabalho na contemporaneidade: repensando

articulações possíveis. Psicologia & Sociedade, 19(spe), 29-37.

Diehl, A. & Vieira, D. L. (2017). Transgeneridade em adolescentes e adultos. In A. Diehl & D. L. Vieira (Orgs.),

Sexualidade: do prazer ao sofrer (2ª ed., pp. 183-204). Rio de Janeiro: Grupo Gen/Roca.

Drescher, J. (2014). O que tem em seu armário? In P. Levounis, J. Drescher & M. E. Barber (Orgs.), O livro dos casos

clínicos GLBT (pp. 21-34). Porto Alegre: Artmed.

Fleury, M. T. L. (2000). Gerenciando a Diversidade Cultural: experiência de Empresas Brasileiras. RAE – Revista de

Administração de Empresas, 40(3), 18-25.

Foucault, M. (1977/1997). Vigiar e punir. Petrópolis, RJ: Vozes.

Foucault, M. (1979/1997). Microfísica do Poder (11ª ed.). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2001). Os anormais: curso no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Martins Fontes.

Hirata, H. (2014). Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social,

(1), 61-73.

Jesus, J. G. (2012). Orientações sobre a população transgênero: conceitos e termos. Brasília: Autor.

Jesus, C. C., Souza E. J. & Silva, J. P. da (2015). Diversidade sexual na escola: reflexões sobre as concepções de

professores/as. Revista Bagoas, 9(13), 279-298.

Lionço, T. (2017). Psicologia, democracia e laicidade em tempos de fundamentalismo religioso no Brasil. Psicologia:

Ciência e Profissão, 37(spe), 208-223.

Martin-Baró, I. (1996). O papel do Psicólogo. Estudos de Psicologia (Natal), 2(1), 7-27.

Marx, K. (1844/1993). O capital. (Vol. I). São Paulo: Nova Cultural.

Mattos, A. R. (2018). Discursos ultraconservadores e o truque da “ideologia de gênero”: gênero e sexualidades em

disputa na educação. Revista Psicologia Política, 18(43), 573-586.

Mattos, A. R. & Cidade, M. L. R. (2016). Para pensar a cisheteronormatividade na psicologia: lições tomadas do

transfeminismo. Periódicus, 5(1), 132-153.

Meneghetti, F. K. (2011). O que é um ensaio-teórico?. Revista de Administração Contemporânea, 15(2), 320-332.

Michels, E., Mott, L. & Paulinho (2019). População LGBT morta no Brasil. Recuperado de https://tribunahoje.com/

wp-content/uploads/2019/01/Popula%C3%A7%C3%A3o-LGBT-morta-no-Brasil-relat%C3%B3rio-GGB-2018.

pdf?x69597

Ministério da Saúde. (2008). Portaria nº 457, de 19 de agosto de 2008. Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2009). Portaria nº 1.820, de 13 de agosto de 2009 (2009). Dispõe sobre os direitos e deveres dos

usuários da saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2013). Portaria nº 2.803, de 19 de novembro de 2013. Redefine e amplia o Processo Transexualizador

no Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde.

Moreno, A. C. (2014). Inep diz que 95 transexuais poderão usar nome social no Enem 2014. Portal G1 Educação.

Recuperado de http://g1.globo.com/educacao/enem/2014/noticia/2014/09/inep-diz-que-95-transexuaispoderao-

usar-nome-social-no-enem-2014.html#:~:text=Transexuais%20tamb%C3%A9m%20podem%20

optar%20por%20usar%20o%20banheiro%20feminino.&text=A%20edi%C3%A7%C3%A3o%20de%20

%20do,nome%20social%20durante%20a%20prova

Organização Internacional do Trabalho (2015). Promoção dos Direitos Humanos de pessoas LGBT no Mundo do

Trabalho (2ª ed.). Projeto “Construindo a igualdade de oportunidades no mundo do trabalho: combatendo a

homo-lesbo-transfobia”. Brasília, DF: Organização Internacional do Trabalho.

Organização Mundial da Saúde (1993). Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10: descrições

clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artmed.

Organização Mundial da Saúde (2018). Código Internacional de Doenças – CID-11, de 18 de junho de 2018. Genebra: OMS.

Pacheco, B. G. C., Rasera, E., Prado, M. A M. & Teixeira, F. B. (2017). Psicologias e transexualidades: escritos e

escrituras da psicologia brasileira. In E. Rasera, M. Pereira & D. Galindo (Orgs.), Democracia participativa, Estado

e laicidade: psicologia social e enfrentamentos em tempos de exceção (pp. 209-226). Porto Alegre: Abrapso.

Parker, I. (2014). Revolução na Psicologia: da alienação à emancipação. Campinas, SP: Alínea.

Prado, M. A. M. (2018). Ambulare. Belo Horizonte: Fafich/Selo PPGCOM/UFMG. Recuperado de https://seloppgcom.

fafich.ufmg.br/novo/publicacao/ambulare/

Rocon, P. C., Sodré, F. & Rodrigues, A. (2016). Regulamentação da vida no processo transexualizador brasileiro:

uma análise sobre a política pública. Revista Katálysis, 19(2), 260-269.

Rondas, L. O. & Machado, L. R. S. (2015). Inserção profissional de travestis no mundo do trabalho: das estratégias

pessoais às políticas de inclusão. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 10(1), 192-205.

Santos, H. M. (2013). A importância de discutir gênero na psicologia. In D. V. Andrade & H. M. Santos (Orgs.),

Gênero na psicologia: articulações e discussões. Salvador: CRP-03.

Sato, L. (2009). Trabalho: sofrer? Construir-se? Resistir? Psicologia em Revista, 15(3), 189-199.

Seligmann-Silva, E. (2011). Trabalho e desgaste mental: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez.

Singer, P. (1998). Globalização e desemprego: diagnóstico e alternativas. São Paulo: Contexto.

Soares, A. F. B., Massaro, A. C. & Campanini, K. S. M. (2010). O papel do Psicólogo junto ao movimento LGBTTT.

Artigo apresentado no I Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas, Londrina, PR. Recuperado de: http://

www.uel.br/eventos/gpp/pages/arquivos/4.KarluzeCia.pdf

Souza, H. A. (2012). Os desafios do trabalho na vida cotidiana de mulheres transexuais. Dissertação de Mestrado,

Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Souza, H. A. & Bernardo, M. H. (2014). Transexualidade: as consequências do preconceito escolar para a vida

profissional. Revista Bagoas, 8(11), 157-175.

Supremo Tribunal Federal. (2019). STF enquadra homofobia e transfobia como crimes de racismo ao reconhecer omissão legislativa.

Recuperado de http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=414010

Tenório, L. F. P. & Prado, M. A. M. (2016). As contradições da patologização das identidades trans e argumentos para

mudança de paradigma. Revista Periódicus, 1(5), 41-55.

Veiga, L. F. (2017). Armário de vidro e as chaves perdidas: sobre políticas públicas e direitos sexuais da população LGBT.

Artigo apresentado na VI Jornada de Pesquisa em Psicologia – PSI UNISC, Santa Cruz do Sul, RS. Recuperado

de https://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/jornada_psicologia/article/view/17619

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Souza, H. A. de, Silva, G. R. de A. da, Silva, R. L. da, & Silva, C. H. F. da. (2020). Pessoas transgêneras e o mundo do trabalho: desafios e reflexões sobre o compromisso ético e político da Psicologia. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 23(2), 175-188. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v23i2p175-188

Edição

Seção

Artigos Originais