Vivências de prazer-sofrimento na organização do trabalho dos policiais militares da Região Norte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v23i2p203-217

Palavras-chave:

Policial, Prazer-sofrimento, Reconhecimento no trabalho, Estratégias de defesa

Resumo

Este estudo analisou as vivências de prazer-sofrimento dos policiais militares de um batalhão da região Norte e como estas influem na execução de suas atividades. Os pressupostos teórico-metodológicos procederam da Psicodinâmica do Trabalho. Foram realizados seis encontros em grupo com a participação de 17 policiais, sendo 14 homens e três mulheres. As temáticas investigadas foram divididas em cinco eixos: condições precárias de trabalho; perfil do policial; reconhecimento dos pares, superiores e sociedade; prazer-sofrimento no trabalho; e defesas contra o sofrimento, interpretados a partir da análise temática. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade. Percebeu-se que a organização de trabalho desempenha papel importante nas vivências de prazer-sofrimento e que cooperação, reconhecimento, precarização, burocracia e os paradoxos da atividade policial interferem diretamente nesta dinâmica. O uso de estratégias defensivas, como a ironia e o humor, é responsável pela dicotomia entre ter que suportar o real no trabalho e não verbalizar o sofrimento, evidenciando alguns dos importantes paradigmas presentes na atividade militar estudada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hanna Izabel Ferreira Marçal, Fundação Universidade Federal de Rondônia

Mestre do Programa de Pós-graduação em Psicologia (MAPSI) da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Psicóloga da Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco/AC.

Vanderléia de Lurdes Dal Castel Schlindwein, Universidade Federal de Rondônia

Professora da Pós-graduação em Psicologia (MAPSI) da Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Líder do Centro de Estudos e Pesquisa em Saúde Mental e Trabalho na Amazônia (CEPEST-UNIR)

Edcarlos Alfaia Galeno Barbosa, Universidade Federal de Rondônia

Psicólogo, mestrando do Pós-graduação em Psicologia (MAPSI) da Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Pesquisador do Centro de Estudos e Pesquisa em Saúde Mental e Trabalho na Amazônia (CEPEST-UNIR).

Mariana Oliveira da Silva, Universidade Federal de Rondônia

Psicóloga, mestranda do Pós-graduação em Psicologia (MAPSI) da Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Pesquisadora do Centro de Estudos e Pesquisa em Saúde Mental e Trabalho na Amazônia (CEPEST-UNIR).

Referências

Almeida, D. M., Lopes, L. F. D., Costa, V. M. F., Santos, R. C. T. & Corrêa, J. S. (2016). Satisfação no trabalho dos

policiais militares do Rio Grande do Sul: um estudo quantitativo. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(4), 801-815.

Recuperado de https://doi.org/10.1590/1982-3703000362016

Amador, F. S. (2000). Trabalho e saúde: considerações a respeito da categoria dos policiais militares. O Alferes, 15(52),

-60. Recuperado de https://revista.policiamilitar.mg.gov.br/index.php/alferes/article/view/171/142

Anchieta, V. C. C. (2011). “Eu acho que você vai criando uma couraça”: abordagem psicodinâmica do sofrimento no trabalho e das

defesas entre policiais civis de uma unidade da Polícia Civil no Brasil. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações, Universidade de Brasília, Brasília. Recuperado de

https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/10312/1/2011_VaniaCristineCavalcanteAnchieta.pdf

Azevedo, E. F. (2017). A Polícia e suas polícias: clientela, hierarquia, soldado e bandido. Psicologia: Ciência e Profissão,

(3), 553-564. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1982-3703000192015

Barcellos, J. A. P. (1999). As condições e a organização de trabalho dos policiais militares que executam o policiamento ostensivo:

um estudo de caso na Brigada Militar em Porto Alegre/RS. Dissertação de Mestrado, Escola de Administração,

Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Recuperado de https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/

handle/10183/2219/000270662.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Benevides, T. M., Almeida, D. R., Cunha, E. A. & Mendes, J. F. (2014). Sentidos do trabalho para os policiais militares do

estado da Bahia: uma primeira análise. Gestão & Conexões, 3(2), 181-197. Recuperado de http://www.spell.org.br/

documentos/ver/41131/sentidos-do-trabalho-para-os-policiais-militare---

Bravo, D. S., Barbosa, P. M. K. & Calamita, Z. C. (2017). Ausência por doença na carreira do policial militar. Revista

de Enfermagem UFPE On Line, 11(7), 2758-2764. Recuperado de:https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/bde-32344

Cândido, P. E. F. (2013). Trabalho e saúde mental em policiais militares de Palhoça (SC). Dissertação de mestrado, Programa

de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/122601

Castro, T. C. M. & Merlo, Á. R. C. (2011). Reconhecimento e saúde mental na atividade de segurança pública. Psico, 42(4),

-480. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/6921/7452

Coelho, E., Antloga, C., Maia, M. & Takaki, K. (2017). Autoeficácia e qualidade de vida no trabalho: um estudo com policiais

militares. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32 (spe.), 1-7. Recuperado de https://doi.org/10.1590/0102-3772e32ne220

Conselho Nacional de Justiça. (2019). Sistema carcerário e execução penal. Recuperado de http://www.cnj.jus.br/sistemacarcerario-

e-execucao-penal/audiencia-de-custodia

Conselho Nacional de Saúde (2012). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas

regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. Recuperado de

http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Conselho Nacional de Saúde (2016). Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras

de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. Recuperado de http://conselho.saude.gov.br/

resolucoes/2016/Reso510.pdf

Constituição da República Federativa do Brasil. (1988, 5 de outubro). Brasília, DF: Senado Federal. Recuperado de https://

www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf

Couto, G., Vandenberghe, L. & Brito, E. A. G. (2012). Interações interpessoais e estresse entre policiais militares: um

estudo correlacional. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 64(2), 47-63. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/

pdf/arbp/v64n2/v64n2a05.pdf

Cunha, A. M. S. (2017). Narrativas do sofrimento do trabalho de um policial militar afastado. Dissertação de Mestrado,

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Sociedade, Universidade Federal de Tocantis, Palmas.

Recuperado de http://repositorio.uft.edu.br/handle/11612/1142

Dantas, M. A., Brito, D. V. C., Rodrigues, P. B. & Maciente, T. S. (2010). Avaliação de estresse em policiais militares.

Psicologia: Teoria e Prática, 12(3), 66-77. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v12n3/v12n3a06.pdf

Decreto-Lei n. 9-A (1982, 9 de março). Dispõe sobre o Estatuto dos Policiais Militares da Polícia Militar do

Estado de Rondônia e dá outras providências. Recuperado de http://antigo.cbm.ro.gov.br/anexos/menuconteudo/%

B84243F0A-5730-41AA-955E-DAA88BEB30B3%7D_dl09a82estatuto.pdf

Dejours, C. (1992). A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez.

Dejours, C. (2007). A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Dejours, C. (2012). Trabalho vivo: trabalho e emancipação. Brasília: Paralelo 15.

Dejours, C., Abdoucheli, E. & Jayet, C. (2015). Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da

relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas.

Ferreira, J. B. (2013). Real do trabalho. In F. O. Vieira, A. M. Mendes & A. R. C. Merlo (Orgs.), Dicionário Crítico de

Gestão e Psicodinâmica do Trabalho (pp. 343-350). Curitiba: Juruá.

Ferreira, L. B. (2016). Mesmo com o sacrifício da própria vida: vivências de prazer e sofrimento do trabalho entre policiais

militares do DF. Dissertação de mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

de Brasília, Brasília. Recuperado de https://repositorio.unb.br/handle/10482/20833

Fonseca, D. M., Oliveira-Silva, M. & Naves-Silva, R. J. (2014). A organização do trabalho e os riscos psicossociais na

Polícia Militar do Distrito Federal. Monografia, Especialização em Clínica Psicodinâmica do Trabalho e Gestão do

Estresse, Universidade de Brasília, Brasília. Recuperado de http://bdm.unb.br/handle/10483/9780

Fórum Brasileiro de Segurança Pública. (2018). Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2018 (12ª ed.). São Paulo,

Brasil. Recuperado de https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/03/Anuario-Brasileiro-de-

Seguranc%CC%A7a-Pu%CC%81blica-2018.pdf

Fórum Brasileiro de Segurança Pública. (2019). Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2019 (13ª ed.). São Paulo: Autor.

Recuperado de https://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/10/Anuario-2019-FINAL_21.10.19.pdf

Fórum Brasileiro de Segurança Pública. (2019). Atlas da Violência 2019. São Paulo: Autor. Recuperado de:

https://forumseguranca.org.br/publicacoes_posts/atlas-da-violencia-2019/

Gama, L. P. (2018). A função social e política do humor no trabalho. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia,

Universidade de Brasília, Brasília. Recuperado de https://repositorio.unb.br/handle/10482/32537

Ghizoni, L. D. & Mendes, A. M. (2014). Dispositivos para uma escuta clínica do sofrimento no trabalho dos catadores de

materiais recicláveis. Contextos Clínicos, 7(1), 15-26. Recuperado de doi: https://doi.org/10.4013/ctc.2014.71.02

Honório, C. A. & Silva, S. G. (2018). Direitos humanos e polícia militar: percepções e significados para os policiais

militares do 17º BPM na cidade de Águas Lindas – Goiás. Revista Brasileira de Estudos de Segurança Pública,

(1), 1-9. Recuperado de https://doi.org/10.29377/rebesp.v11i1

Lima, D. M. V. (2018). Trabalho e sofrimento do policial militar do Estado de Goiás. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-

Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Goiás, Goiânia. Recuperado de http://repositorio.bc.ufg.br/tede/

handle/tede/8374

Lima, F. P., Blank, L. G. & Menegon, F. A. (2015). Prevalência de transtorno mental e comportamental em

policiais militares/SC, em licença para tratamento de saúde. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(3), 824-840.

Recuperado de https://doi.org/10.1590/1982-3703002242013

Liz, C. M., Silva, L. C., Arab, C., Viana, M. S., Brandt, R., Vasconcellos, D. I. C. & Andrade, A. (2014). Características

ocupacionais e sociodemográficas relacionadas ao estresse percebido de policiais militares. Revista Cubana

Medicina Militar, 43(4), 467-480. Recuperado de http://scielo.sld.cu/pdf/mil/v43n4/mil07414.pdf

Magalhães, J. C. D. (2015). Entre amarras e possíveis: atividade de trabalho e modos de viver dos policiais militares capixabas

em análise. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, Universidade

Federal do Espírito Santo, Vitória. Recuperado de http://repositorio.ufes.br/handle/10/2965

Matheus, L. C. & Silva, P. H. (2014). O herói e o desviante: medo e euforia no noticiário policial. Intexto, 31, 142-161.

Recuperado de https://seer.ufrgs.br/intexto/article/view/49127/32204

Medeiros, S. N. (2012). Clínica em psicodinâmica do trabalho com a unidade de operações aéreas do DETRAN: o prazer de

voar e a arte de se manter vivo. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília.

Recuperado de https://repositorio.unb.br/handle/10482/12132

Mendes, A. M. & Duarte, F. S. (2013). Mobilização subjetiva. In F. O. Vieira, A. M. Mendes & A. R. C. Merlo (Orgs.),

Dicionário crítico de gestão e psicodinâmica do trabalho (pp. 259-262). Curitiba: Juruá.

Mendes, A. M. (1995). Aspectos Psicodinâmicos da Relação Homem-Trabalho: as contribuições de C. Dejours.

Psicologia: Ciência e profissão, 15(1), 34-38. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pcp/v15n1-3/09.pdf

Mendes, A. M. (2007). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Minayo, M. C. S., Assis, S. G. & Oliveira, R. V. C. (2011) Impacto das atividades profissionais na saúde física e mental dos

policiais civis e militares do Rio de Janeiro (RJ, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, 16(4), 2199-2209. Recuperado

de https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000400019

Moraes, R. D. (2013). Estratégias defensivas. In F. O. Vieira, A. M. Mendes & A. R. C. Merlo (Orgs.), Dicionário crítico

de gestão e psicodinâmica do trabalho (pp. 153-157). Curitiba: Juruá.

Muller, D. Z. (2012). Uma polícia especial: possibilidades de prazer no trabalho dos policiais militares do pelotão de operações

especiais. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, Universidade

Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Recuperado de https://lume.ufrgs.br/handle/10183/55426

Oliveira, P. L. M. & Bardagi, M. P. (2010). Estresse e comprometimento com a carreira em policiais militares. Boletim de

Psicologia, 59(131), 153-166. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/bolpsi/v59n131/v59n131a03.pdf

Paulino, F. R. & Lourinho, L. A. (2014). O adoecimento psicológico do policial militar do Ceará. Trabalho e Sociedade,

(2), 58-77. Recuperado de http://docplayer.com.br/2708999-O-adoecimento-psicologico-do-policial-militardo-

ceara-the-illness-psychological-thriller-of-military-ceara-fabio-rodrigues-paulino-1.html

Santos Junior, A. V. (2009). Organização do trabalho e prazer – sofrimento dos profissionais de um centro de atenção

psicossocial. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília. Recuperado de

https://repositorio.unb.br/handle/10482/3822

Santos, A. F. P. R., Souza, L. M. B. & Carvalho, T. F. (2020). Aspectos simbólicos, políticos e práticos da letalidade

policial no Rio de Janeiro e em São Paulo durante o governo Bolsonaro. Revista Eletrônica Direito e Sociedade,

(2), 17-40. doi: 10.18316/redes.v8i2.6830

Silva, C. O. & Ramminger, T. (2014). O trabalho como operador de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 19(12), 4751-4758.

Recuperado de https://doi.org/10.1590/1413-812320141912.15212013

Souza, E. R., Minayo, M. C. S., Silva, J. G. & Pires, T. O. (2012). Fatores associados ao sofrimento psíquico de

policiais militares do Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 28(7), 1297-1311. Recuperado de

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2012000700008

Spode, C. B. & Merlo, Á. R. C. (2006). Trabalho policial e saúde mental: uma pesquisa junto aos Capitães da Polícia Militar.

Psicologia: Reflexão e Crítica, 19(3), 362-370. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-79722006000300004

Winter, L. E. & Alf, A. M. (2019). A profissão do policial militar: vivências de prazer e sofrimento no trabalho. Revista

Psicologia: Organizações e Trabalho, 19(3), 671-678. Recuperado de https://doi.org/10.17652/rpot/2019.3.13214

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Marçal, H. I. F., Schlindwein, V. de L. D. C., Barbosa, E. A. G., & Silva, M. O. da. (2020). Vivências de prazer-sofrimento na organização do trabalho dos policiais militares da Região Norte. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 23(2), 203-217. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v23i2p203-217

Edição

Seção

Artigos Originais