Vivências de sofrimento e adoecimento em ambiente de trabalho: uma análise do cotidiano profissional de enfermeiras e enfermeiros num contexto pandêmico em dois centros de referência no atendimento a pacientes de Covid-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v23i2p218-235

Palavras-chave:

Covid-19 , Pandemia, Risco, Sofrimento, Precarização, Vulnerabilidade

Resumo

Este artigo promove um debate que orbita em torno de conceitos, tais como: risco e sofrimento; subjetividade e experiência; cotidiano e memória; vulnerabilidade e precarização. Buscamos compreender as vivências em ambiente de trabalho de enfermeiros e enfermeiras que atuam desde o início da pandemia de Covid-19 (Coronavirus Disease 2019) em dois hospitais públicos de Goiânia, referências no atendimento a indivíduos vitimados pela doença em questão. Destacamos que a realização das entrevistas teve como pano de fundo um contexto de aprofundamento da precarização e da flexibilização das condições e relações de trabalho desses profissionais, associadas ao vertiginoso aumento do número de casos e óbitos entre esses. Com base na história oral temática, constatamos que esses profissionais – embora essenciais no enfrentamento à pandemia – se encontram atualmente ainda mais vulnerabilizados, individual e coletivamente. Ainda que homens e mulheres nessa categoria de trabalhadores experimentem de forma muito diferente o sofrimento e o adoecimento em seus respectivos cotidianos laborais. Particularmente, em função das desigualdades de gênero no mercado de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edmar Aparecido de Barra e Lopes, Universidade Federal de Goiás

Pós-doutor em Ciências Políticas pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP-SP). Doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP-SP). Mestrado em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).Graduado em História pela Universidade Federal de Goiás (UFG).

Atualmente é professor adjunto da Universidade Estadual de Goiás (UEG) e professor adjunto da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Tem experiência nas áreas de História Social, Sociologia do Trabalho e Teoria Social. Na primeira, com enfâse em identidade e memória, cultura e cidade e movimentos sociais. Na segunda, com enfâse em teoria sociológica e sociologia do trabalho, atuando principamente nos seguintes temas:mercado de trabalho, informalidade, precarizacao; reestruturação produtiva, flexibilização, emprego e desemprego, cooperativismo , modernidade, trabalho e saude docentes.

Referências

Alberti, V. (2004). Manual de história oral (2ª ed.). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Amado, J. & Ferreira, M. de M. (Orgs.). (1996). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Antunes, R. (1999). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Antunes, R. & Druck, G. (2013). A terceirização como regra?. Revista do Tribunal Superior do Trabalho,

(4), 214-231. Recuperado de https://juslaboris.tst.jus.br/bitstream/handle/20.500.12178/55995/011_

antunes_druck.pdf?sequence=1

Araújo, T. M. & Rotenberg, L. (2011). Relações de gênero no trabalho em saúde: a divisão sexual do trabalho e a saúde

dos trabalhadores. In A. A. Assunção & J. Brito (Orgs.), Trabalhar na saúde: experiências cotidianas e desafios para

a gestão do trabalho e do emprego (pp. 131-150). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Araújo, M. P. N. & Santos, M. S. (2007) História, memória e esquecimento: implicações políticas. Revista Crítica de

Ciências Sociais, 79, 95-111. Recuperado de https://journals.openedition.org/rccs/728

Barreto, M. (2000). Uma jornada de humilhações. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica,

São Paulo SP, Brasil.

Beck, U. (1992). Risk society: towards a new modernity. Londres: Sage.

Beck, U., Giddens, A. & Lash, S. (1997). Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna.

São Paulo: Editora Unesp.

Bendassolli, P. F. & Borges-Andrade, J. E. (2011). Significado do trabalho nas indústrias criativas. Revista de Administração

de Empresas, 51(2), 143-159. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/rae/v51n2/v51n2a03.pdf

Bertolli, C. (1986). Epidemia e sociedade. A gripe espanhola no município de São Paulo. Dissertação de Mestrado,

Universidade de São Paulo, São Paulo. SP, Brasil

Bittencourt, M. I. G. de F. (2012). Michel de Certeau 25 anos depois: atualidade de suas contribuições para um olhar sobre

a criatividade dos consumidores. Polêmica, 11(2), 185-192. Recuperado de https://www.e-publicacoes.uerj.br/

index.php/polemica/article/view/3091/2210

Bott, E. (1976). Família e rede social. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Brasil. (2020). Medida Provisória n. 966, de 13 de maio de 2020. Dispõe sobre a responsabilização de agentes públicos por ação e

omissão em atos relacionados com a pandemia da Covid-19. Recuperado de https://www.congressonacional.leg.br/

materias/medidas-provisorias/-/mpv/141949

Bruschini, C. (2006). Trabalho doméstico: inatividade econômica ou trabalho não remunerado? Revista Brasileira

de Estudos de População, 23(2), 331-53. Recuperado de https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_

arttext&pid=S0102-30982006000200009

Butler, J. P. (2003). Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade (Renato Aguiar, Trad.). Rio de Janeiro:

Civilização Brasileira.

Certeau, M. (2008). A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes.

Conselho Federal de Enfermagem. (2020a). Brasil responde por 30% das mortes de profissionais de Enfermagem por Covid-19.

Recuperado de http://www.cofen.gov.br/brasil-responde-por-30-das-mortes-de-profissionais-de-enfermagempor-

covid-19_80622.html

Conselho Federal de Enfermagem. (2020b). Observatório da enfermagem. Recuperado de http://observatoriodaenfermagem.

cofen.gov.br/

Conselho Internacional de Enfermeiros. (2020). More than 600 nurses die from Covid-19 worldwide. Recuperado de

https://www.icn.ch/news/more-600-nurses-die-covid-19-worldwide

Dávila, B. E. (1993). La gripe española. La pandemia de 1918-1919. Madrid: Siglo XXI.

Dejours, C. (1992). A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez-Oboré.

Dejours, C. (1999). A banalização da injustiça social (L. A. Monjardim Trad.). Rio de Janeiro: Editoria FGV.

Dejours, C. (2004a). Activisme professionnel: masochisme, compulsivité ou alienation? Travailler, 1(1), 25-40.

Recuperado de https://www.cairn.info/revue-travailler-2004-1-page-25.htm#

Dejours, C. (2004b). Prefácio. In S. Lancman & L. I. Sznelwar. Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do

trabalho. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; Brasília: Paralelo 15.

Dejours, C. (2008). Addendum: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. In S. Lancman & L. I. Sznelwar (Orgs.),

Christophe Dejours: da psicopatologia à Psicodinâmica do Trabalho (pp. 47-75). Brasília: Paralelo 15.

Dejours, C. (2012). A psicologia das massas sob a perspectiva da clínica do trabalho. In C. Dejours. Trabalho vivo.

Trabalho e emancipação (pp. 35-57). Brasília: Paralelo 15.

Dejours, C., Abdoucheli, E. & Jayet, C. (1994). Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da

relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas.

Ferreira, M. de M. (1997). História oral, comemorações e ética. Projeto história. Ética e História oral, (15), 157-164.

Recuperado de http://cpdoc.fgv.br/producao_intelectual/arq/518.pdf

Ferreira, M. de M. (2002). História, tempo presente e história oral. Topoi, 3(5), 314-332. Recuperado de

https://www.scielo.br/pdf/topoi/v3n5/2237-101X-topoi-3-05-00314.pdf

Fraser, T. M. (1983). Human stress, work and job satisfaction: a critical approach. Geneva: International Labour Office.

Foucault, M. (2004). Vigiar e punir. O nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes.

Franco, T. (2003). Trabalho alienado: habitus e danos à saúde humana e ambientais (O trabalho entre o céu, a terra e a

história). Tese de Doutorado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Franco, T., Druck, G. & Seligmann-Silva, E. (2010). As novas relações de trabalho, o desgaste mental do trabalhador e

os transtornos mentais no trabalho precarizado. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35(122), 229-248.

Girardi, S. M. & Carvalho, C. L. (2003). Configurações do mercado de trabalho dos assalariados em saúde no Brasil.

Recuperado de https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/0849.pdf

Heloani, R. & Lancman, S. (2004). Psicodinâmica do trabalho: o método clínico de intervenção e investigação. Production,

(3), 77-86. Recuperado de https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-65132004000300009&script=sci_

abstract&tlng=pt

Herzog, R. (1987). Sujeito-da-doença ou doença do sujeito? A construção do ser doente. Dissertação de Mestrado,

Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Hirata, H. (2018) Classe, gênero, raça e movimentos sociais: a luta pela emancipação. Revista de Políticas Públicas, 22,

-18. Recuperado de http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rppublica/article/view/9779

Hirigoyen, M. F. (2001). Le malaise dans le travail, harcèlement moral: démêler le vrai du faux. Paris: Syros.

Kowarick, L. (2003). Sobre a vulnerabilidade socioeconômica e civil: Estados Unidos, França e Brasil. Revista Brasileira

de Ciências Sociais, 18(51), 61-85. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v18n51/15986.pdf

Lang, A. B. da S. G. (1996). História oral: muitas dúvidas, poucas certezas e uma proposta. In J. C. S. B. Meihy (Org.),

(Re) introduzindo história oral no Brasil (pp. 31-48). São Paulo: Xamã.

Leite, K. C. (2020). A (in)esperada pandemia e suas implicações para o mundo do trabalho. Psicologia & Sociedade,

, 1-18. Recuperado de https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-71822020000100408&script=sci_arttext

Machado, M. H. (1989). A mão de obra feminina no setor saúde no Brasil. In E. Labra (Org.), Mulher, Saúde e Sociedade

no Brasil (pp. 119-134). Petrópolis, RJ: Vozes; Rio de Janeiro: Abrasco.

Mendes, A. M., Merlo, A. R. C., Morone, C. F. & Facas, E. P. (Orgs.), (2010). Psicodinâmica e Clínica do Trabalho: temas,

interfaces e casos brasileiros. Curitiba: Juruá.

Meihy, J. C. S. B. (1996). Manual de história oral. São Paulo: Edições Loyola.

Meihy, J. C. S. B. & Holanda, F. (2007). História oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto.

Merlo, A. R. C. (2006). Doenças do trabalho. In L. Holzmann & A. D. Cattani (Orgs.), Dicionário de Trabalho e

Tecnologia (pp. 74-96). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Minayo, M. C. de S. (1993). O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro:

Abrasco.

Observatório da Enfermagem. (2020). Profissionais infectados com Covid. Recuperado de http://observatoriodaenfermagem.

cofen.gov.br/

Organização das Nações Unidas. (2020). Economia da América Latina e Caribe sofrerá efeitos “arrasadores” do novo

Coronavírus. Recuperado de https://news.un.org/pt/story/2020/03/1708042

Organização Pan-Americana da Saúde. (2020a). Em meio à pandemia de Covid-19, novo relatório da OMS pede

investimento urgente em profissionais de enfermagem. Recuperado de https://www.paho.org/bra/index.

php?option=com_content&view=article&id=6139:em-meio-a-pandemia-de-covid-19-novo-relatorio-daoms-

pede-investimento-urgente-em-profissionais-de-enfermagem&Itemid=812

Organização Pan-Americana da Saúde. (2020b). Folha informativa Covid-19 – Escritório da OPAS

e da OMS no Brasil. Recuperado de https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_

content&view=article&id=6101:covid19&Itemid=875

Pisani, M. da S. (2020). O enfrentamento e a sobrevivência ao Coronavírus também precisa ser uma questão feminista!

Boletim Cientistas sociais e o Coronavírus, (12). Recuperado de http://anpocs.com/images/stories/boletim/boletim_

CS/Boletim_n12.pdf

Poder 360. (2020). Coronavírus. Recuperado de https://www.poder360.com.br/tag/departamento-de-doencasemergentes-

da-oms/?

Pollak, M. (1989). Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, 2(3), 3-15. Recuperado de http://www.uel.br/

cch/cdph/arqtxt/Memoria_esquecimento_silencio.pdf

Queiroz, M. I. P. (1983). Variações sobre a técnica do gravador no registro da informação viva (2ª ed.). São Paulo: CERVE;

FFLCH/USP.

Queiroz, M. I. P. (1988). Relatos orais: do indizível ao dizível. In O. M. Von Simon (Org.), Experimentos com História de

Vida (Itália-Brasil). São Paulo: Vértice.

Rodrigues, H. de B. C. (2004). O homem sem qualidades. História oral, memória e modos de subjetivação. Estudos e

Pesquisas em Psicologia, 2(2), 24-46. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v4n2/v4n2a03.pdf

Segata, J. (2020). Covid-19: escalas da pandemia e escalas da antropologia. Boletim Cientistas sociais e o Coronavírus, (2).

Recuperado de http://anpocs.com/images/stories/boletim/boletim_CS/Boletim_n2.pdf

Seligmann-Silva, E. (1994). Desgaste mental no trabalho dominado. São Paulo: Cortez.

Symon, G. (2004). Qualitative research diaries. In C. Cassel & G. Symon (Orgs.), Essential guide to qualitative methods in

organizational research (pp. 76-89). London: Sage.

Teixeira, F. D. & Prebianchi, H. B. (2019). Comprometimento, estresse e satisfação com a vida de profissionais da

saúde. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 15(4), 598-606. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/

rpot/v19n2/v19n2a04.pdf

Thompson, E. P. (1981). A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser.

Rio de Janeiro: Zahar.

Tomasi, M., Gallon, S., Pauli, J. & Carvalho, R. (2019). O sentido do trabalho para bombeiros pós-evento crítico: o caso

da Boate Kiss. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 22(2), 143-163. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/

cpst/article/view/158967/160707

Vieira, A. O. (2020) O direito de fala e de memória na epidemia. Boletim Cientistas sociais e o Coronavírus, (30).

Recuperado de http://anpocs.com/images/stories/boletim/boletim_CS/Boletim_n30.pdf

Whitaker D. (1992). Cultura e doença mental. In D’Incao M. A. (Org.), Doença mental e sociedade: uma discussão

interdisciplinar (pp. 67-85). Rio de Janeiro: Graal.

Zangelmi, A. J. (2016). Pesquisadores e entrevistados: problemas éticos ligados a contextos de desigualdade e à atuação

de movimentos sociais. História Oral, 19(1), 129-148. Recuperado de http://revista.historiaoral.org.br/index.

php?journal=rho&page=issue&op=view&path%5B%5D=38

Downloads

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Lopes, E. A. de B. e. (2020). Vivências de sofrimento e adoecimento em ambiente de trabalho: uma análise do cotidiano profissional de enfermeiras e enfermeiros num contexto pandêmico em dois centros de referência no atendimento a pacientes de Covid-19. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 23(2), 218-235. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v23i2p218-235

Edição

Seção

Artigos Originais