Os sentidos do aposentar-se na visão de sujeitos aposentados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.cpst.2023.186145

Palavras-chave:

Sentidos da aposentadoria, Envelhecimento, Finitude da vida

Resumo

O artigo tem o objetivo de investigar como se dá o processo de interrupção do trabalhar no momento da aposentadoria e como os sujeitos passam por essa experiência em um cenário em que o trabalho é considerado fundamental na vida das pessoas. Foi utilizada metodologia qualitativa, composta por análise de narrativa de entrevistas realizadas com 20 sujeitos aposentados. Os resultados da pesquisa evidenciam que o fator financeiro é bastante relevante, no entanto existem aspectos subjetivos que não são ponderados no momento de parar de trabalhar. De maneira complementar, percebeu-se que ficar sem trabalho em uma sociedade produtivista faz com que os sujeitos se sintam desconfortáveis, mesmo tendo o direito legitimado para o descanso. Eles dizem se sentir julgados como inúteis e improdutivos pela sociedade, o que torna o ócio penoso em muitos momentos. Por fim, as narrativas demonstraram que se aposentar é percebido como ficar velho e sem perspectiva de futuro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Baldin, N., & Munhoz, E. M. B. (2011). Snowball (bola de neve): Uma técnica metodológica para pesquisa em educação ambiental comunitária [Apresentação de trabalho]. 10º Congresso Nacional de Educação – Educere, 2011, Curitiba, PR, Brasil.

Barreto, R. O. (2012). Encontros e desencontros: Um olhar sobre a velhice em uma instituição de longa permanência para idosos [Dissertação de mestrado não publicada]. Universidade Federal de Minas Gerais.

Barreto, R. O., & Ferreira, L. (2011). “Luto e melancolia”: Contribuições psicanalíticas para o entendimento dos reflexos da Aposentadoria na Subjetividade dos Indivíduos [Apresentação de trabalho]. 35º Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Bitencourt, B. M., Gallon, S., Batista, M. K., & Piccinin, V. C. (2011). Para além do tempo de emprego: O sentido do trabalho no processo de aposentadoria. Revista de Ciências da Administração, 13(31), 30-57.

Bruns, M. A. de T., & Soares, M. C. (2007). Envelhecimento humano: diferentes perspectivas. Alínea.

Caldas, M. P. (1999). Demissão: Alguns significados da perda de emprego para o indivíduo. In M. P. Caldas & T. Wood Jr, Transformação e realidade organizacional: Uma perspectiva brasileira. Atlas.

Cardoso, A.C.M. (2009). Tempos de trabalho, tempos de não trabalho: Disputas em torno da jornada do trabalhador. Annablume.

Carvalho, A. S. (2009). Gestão de pessoas e envelhecimento: Sentido do trabalho para o idoso [Apresentação de trabalho]. 33º Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, São Paulo, SP, Brasil.

Coutrim, R. M. E. (2006). Idosos trabalhadores: Perdas e ganhos nas relações intergeracionais. Revista Sociedade e Estado, 21(2): 367-90.

Cunha, N. A., Scorsolini-Comin, F., & Marin, R. C. (2021). Intervenções psicológicas no processo de aposentadoria: Revisão integrativa da literatura brasileira. Revista Psicologia e Saúde, 13(1), 2-18.

Driver, M. (2019). Who will I be when I retire? Introducing a Lacanian typology at the intersection of present identity work and future narratives of the retired self. Human Relations, 72(2), 322-343.

Enriquez, E. (1997). O indivíduo preso nas armadilhas da estrutura estratégica. Revista de Administração de Empresas, 37(1), 18-29.

Flik, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Artmed.

Fossatti, E. C., Borges, M. L., & Mozzato, A. R. (2022). Sensemaking no processo de aposentadoria: estudo de caso em uma instituição de ensino superior. Revista de Administração da Unimep, 19(7), 159-179.

Fossatti, E. C., Mozzato, A. R., & Grzybovski, D. (2021). Compartilhamento e transferência de conhecimentos de trabalhadores em fase de aposentadoria: Analisando os diferentes BAs. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 11(3), 56-78

França, L. (1999). Preparação para aposentadoria: desafios a enfrentar. In R. Veras (Org), Terceira idade: Alternativas para uma sociedade em transição. Relume-Dumará.

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: Ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Ideias & Letras.

Guerreiro Ramos, A. (1981). A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Fundação Getulio Vargas.

Locatelli, P. A. P. C., & Fontoura, D. D. S. (2013). Envelhecimento populacional e os estudos em Administração. Gestão e Sociedade, 7(17), 273-300.

Magalhães, M. O., & Brito, F.S. (2022). Ajustamento à aposentadoria: Relações com saliência de carreira e realização de carreira. Psico-USF, 27(1),143-156.

Messy, J. A. (1999). Pessoa idosa não existe: uma abordagem psicanalítica da velhice. Aleph.

Mori, M. M. (2006). Aposentadoria e trabalho: Investigação sobre a (re)inserção do idoso no mercado de trabalho [Dissertação de mestrado não publicada]. Pontifica Universidade Católica de São Paulo.

Mucida, A. (2006). O sujeito não envelhece: Psicanálise e velhice. Autêntica.

Nascimento, R. P., Costa, D. V. F., Salvá, M. N. R., Moura, R. G., & Simão, L. A. S. (2016). ‘Trabalhar é manter-se vivo’: Envelhecimento e sentido do trabalho para docentes do ensino superior. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 11(2), 118-138.

Nock, S. (1992). Sociology of the family. Prentice Hall.

Pagés, M.; Bonetti, M.; Gaulejac, V., & Descendre, D. (1987). O poder das organizações: a dominação das multinacionais sobre os indivíduos. Atlas.

Peres, M. A. C. (2007). Velhice, trabalho e cidadania: as políticas da terceira idade e a resistência dos trabalhadores idosos à exclusão social [Tese de doutorado não publicada]. Universidade de São Paulo.

Roesler, V. R. (2012) Posso me aposentar “de verdade”: E agora? Contradições e ambivalências vividas por bancários no processo de aposentadoria [Tese de doutorado não publicada]. Universidade Federal de Santa Catarina.

Sargent, L. D., Lee, M. D., Martin, B., & Zikic, J. (2013). Reinventing retirement: new pathways, new arrangements, new meanings. Human Relations, 66(1), 3-21.

Sikota, C. S., & Bretas, A. C. P. (2012). O significado de envelhecimento para o vendedor ambulante idoso. Revista de Enfermagem, 2(1), 135-144.

Siqueira, R. L., Botelho, M. I. V. & Coelho, F. M. G. (2002). A velhice: algumas considerações teóricas e conceituais. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 7(4), 899-906.

Soares, S. S. S., Costa, C. C. P., Oliveira, C. R., & Souza, N. V. D. O. (2021). Teoria das representações sociais e os sentidos da aposentadoria no Brasil. Revista Enfermagem UERJ, 30(1), 1-5.

Souza, L. B. C. de, Leal, M. C. C., Bezerra, A. F. B., Silva, I. C. de L., Souza, L. C. G. de, & Espírito Santo, A. C. G. do (2020). Fatores de postergação da aposentadoria de idosos: revisão integrativa da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, 25(10), 3889-3900.

Souza, R., Matias, H. A., & Bretas, A. C. P. (2010). Reflexões sobre envelhecimento e trabalho. Ciência e Saúde Coletiva, 15(6), 2835-2843.

Standing, G. (2013). O precariado: A nova classe perigosa. Autêntica.

Tragtenberg, M. (1980). Administração, poder e ideologia. Moraes.

Turner, S. L. (2007) Introduction to special issue: Transitional issues for K-16 students. Professional School Counseling, 10(3), 245-252.

Vergara, S. C. (2012). Métodos de coleta de dados no campo. Atlas.

Vinuto, J. (2014). A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, 22(3), 203-220.

Downloads

Publicado

2023-07-10

Como Citar

Costa, D. V. F., Nascimento, R. P., & Moura, R. G. de. (2023). Os sentidos do aposentar-se na visão de sujeitos aposentados. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 26, e-186145. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.cpst.2023.186145

Edição

Seção

Artigos Originais