[1]
R. Antunes, “O mundo precarizado do trabalho e seus significados”, Cad. Psicol. Soc. Trab., vol. 2, p. 55-59, dez. 1999.