A tecelagem lírica de uma Penélope moderna: a alquimia dos nós, de Yêda Schmaltz

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i15p136-159

Palavras-chave:

Yêda Schmaltz, fios, tecelagem, Penélope, erotismo

Resumo

A alquimia dos nós (1979), de Yêda Schmaltz, reinventa o mito de Penélope sob registro de Homero, na Odisseia. Através de uma visão feminina, a voz lírica constante no livro, sobretudo na primeira parte, “Fios (O livro de Penélope)”, desenvolve o relato lírico da sua união com Ulisses, do período em que sofre a ausência do esposo e do retorno dele. A principal modificação na identidade da Penélope yediana decorre da reflexão e do tratamento em relação a sua sexualidade, bem  como do desencanto ao divisar o homem amado, quando ele retorna. Os versos que integram essa obra não raro usam da metáfora da tecelagem e do tecido para caracterizar a voz lírica como pertencente à heroína do passado mitológico. Porém, a tecelagem metafórica também alude à sexualidade solitária de Penélope, bem como à atividade por ela exercida, o trabalho com o fio e a escrita poética. O presente estudo empreende leitura dos versos da poeta goiana a partir das considerações desenvolvidas sobre a metáfora da tecelagem e da consciência erótica do literário desenvolvidas por Hughes Liborel (1997), Ana Maria Machado (2001), Octavio Paz (2001) e Angélica Soares (1999).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Antônio Vieira Júnior, Doutor pela Universidade Federal de Goiás. Professor Temporário da Universidade Estadual de Goiás.

Professor da área de literatura. Desenvolve pesquisa sobre os temas: poesia, erotismo literário e modernidade lírica.

Referências

A BÍBLIA DE JERUSALÉM. 10.ed. São Paulo: Paulos, 2001.

BATAILLE, Georges. O erotismo. 3.ed. Trad. João Bénard da Costa. Lisboa: Edições Antígona, 1988.

COLASANTI, Marina. Doze reis e a moça no labirinto do vento. 8. ed. São Paulo: Global, 1999.

HOMERO. Odisseia. Trad. Antônio Pinto de Carvalho. São Paulo: Nova Cultural, 2003.

LIBOREL, Hughes. As fiandeiras. In.: BRUNEL, Pierre (org.). Dicionário de mitos literários. Trad. Carlos Sussekind...[et al]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1997, p. 370-384.

LOPES, Cloves Trindade. Os nós de ‘A alquimia dos nós’. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 1989.

MACHADO, Ana Maria. Texturas: sobre leituras e escritos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

PAZ, Octavio. A dupla chama: amor e erotismo. 4.ed. Trad. Wladir Dupont. São Paulo: Siciliano, 2001.

PLATÃO. O banquete. Trad. Donaldo Schuler. Porto Ale: gre: L&PM, 2011.

SOARES, Angélica. A paixão emancipatória: vozes femininas da liberação do erotismo na poesia brasileira. Rio de Janeiro: Difel, 1999.

SCHEID, John; SVENBRO, Jesper. O ofício de Zeus: Mito da tecelagem e do tecido no mundo grego-romano. Trad. Mario Fleig e Jasson Martins da Silva. Porto Alegre: CMC, 2010.

SCHMALTZ, Yêda. A alquimia dos nós. Goiânia: Secretaria de Educação e Cultura, 1979.

_____. Baco e Anas brasileiras. Rio de Janeiro: Achiamé, 1985.

_____. Atalanta. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília, DF: INL, 1987.

STENDHAL. Do amor. Trad. Herculano Villa-Boas. Porto Alegre: L&PM, 2007.

TELES, José Mendonça. Poesias e contos bacharéis II. Goiânia: Oriente, 1976.

TIETZMANN SILVA, Vera M. Penélope questionada – o tema do fio em Yêda Schmaltz. Signótica. Goiânia, ano II, janeiro/dezembro, 1990, p. 175-189.

Downloads

Publicado

2015-12-09

Como Citar

Vieira Júnior, P. A. (2015). A tecelagem lírica de uma Penélope moderna: a alquimia dos nós, de Yêda Schmaltz. Revista Criação & Crítica, (15), 136-159. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i15p136-159

Edição

Seção

Artigos