Conceição Evaristo: a reconstrução de uma identidade fragmentada em Becos da memória.

  • Pauline Champagnat Universidade de Rennes 2 (França)
Palavras-chave: Conceição Evaristo, Becos da memória, Memórias subterrâneas, Transculturalismo, Hibridismo, Diáspora.

Resumo

Este artigo pretende investigar como uma identidade – no caso a identidade afro-brasileira – que, por força dos acontecimentos históricos foi fragmentada, pode buscar no recurso da literatura uma ferramenta para o resgate das suas “memórias subterrâneas”. O termo “diaspóra”, apesar de polêmico neste caso, pode ser usado para definir a migração forçada sofrida pelos africanos que viriam a ser escravos no Brasil. Seus descendentes, na busca dos fragmentos identitários perdidos, podem achar um início de resposta no resgate das “memórias subterrâneas” (Michael Pollak, 1993), como nós veremos em primeiro lugar. Em segundo lugar, pensaremos mais profundamente sobre a importância da memória coletiva de um grupo marginalizado para a reconstrução da sua identidade. Para terminar, falaremos sobre a necessidade de reescrita da história a partir de um ponto de vista renovado em  Becos da Memória (2017), de Conceição Evaristo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSMANN, Jan. La mémoire culturelle. Editions Flammarion. Paris : 2002.

ATTIAS, Jean-Christophe. Postface en forme de brève apologie. In : LAITHIER, Stéphanie. VILMAIN, Vincent. L’histoire des minorités est-elle une histoire marginale ? Presses de l’Université Paris Sorbonne, 2008.

BERND, Zilá. Memória cultural. In: Em torno da Memória: conceitos e relações. Porto Alegre: Editora Letra 1, 2017.

____________. Dicionário de figuras e mitos literários das Américas. Porto Alegre: UFRGS Editora, 2007.

DE ASSIS DUARTE, Eduardo. O Bildungsroman afro-brasileiro de Conceição Evaristo. Revista Estudos Feministas. Vol 14, n°1. Florianópolis: 2006.

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

GLISSANT, Edouard. Introduction à une poétique du divers. Paris: Gallimard, 1997.

HAMPATÉ-BÁ, A. Tradição Viva. In Introdução à Cultura Africana. Lisboa: Edições 70, 1977.

LE DREFF, Gaëlle. La construction de la notion de minorité par l’idéologie évolutionniste. In : LAITHIER, Stéphanie. VILMAIN, Vincent. L’histoire des minorités est-elle une histoire marginale ? Presses de l’Université Paris Sorbonne, 2008.

MIRCEA, Eliade. Aspects du mythe. Paris: Folio, 1988.

PALMERO GONZÁLEZ, Elena. Diáspora e memória. In: In: Em torno da Memória: conceitos e relações. Porto Alegre : Editora Letra 1, 2017.

POLLAK, Michael. Une identité blessée. Paris : Editions Métailié, 1993.

SOARES, Licia. Memórias marginais/subterrâneas. In: Em torno da Memória: conceitos e relações. Porto Alegre: Editora Letra 1, 2017.

WALTER, Benjamin. Sur le concept de l’Histoire. Paris : Payot, 2013.

Publicado
2018-12-21
Como Citar
Champagnat, P. (2018). Conceição Evaristo: a reconstrução de uma identidade fragmentada em Becos da memória. Revista Criação & Crítica, (22), 57-71. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i22p57-71