Você acaba se tornando você mesmo?

O personagem David Foster Wallace

  • Marcos Namba Beccari Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: David Foster Wallace, dissimulação, personagem de si

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão sobre o mito literário atrelado ao nome David Foster Wallace após o suicídio do autor. Tal reflexão elege como alvo a versão retratada em O fim da turnê (James Ponsoldt, 2015), filme repudiado por familiares e colegas próximos de Wallace. De início, justifico a escolha de encarar DFW como personagem. Na sequência, discuto sobre a noção-chave da dissimulação em DFW, que elucida o dilema entre quem ele dizia ser e o possível personagem de si mesmo. Por fim, reconstruo a querela em torno do filme ora elencado e defendo a dissimulação wallaceana enquanto potência fabuladora que enaltece a ambiguidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Namba Beccari, Universidade Federal do Paraná
Professor do Depto. de Design e do PPG-Design da UFPR. Doutor em Educação pela USP.

Referências

BOOTH, Wayne C. The Rhetoric of Fiction. Chicago: The University of Chicago Press, 1983.
BUSTILLOS, Maria. The Dead Cannot Consent. The Awl, Apr. 24, 2014. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2018.
CARVALHO, Ana Cecília. A toxidez da escrita como um destino da sublimação em David Foster Wallace. Psicologia USP, jul./set. 2010, v. 21, n. 3, p. 513-530.
COHEN, Samuel; KONSTANTINOU, Lee (Eds.). The Legacy of David Foster Wallace. Iowa: University of Iowa Press, 2012.
DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 1971.
DURAS, Marguerite. Escrever. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.
FERREIRA, Helena. Entre a realidade e o engano: as anamorfoses na comunicação visual. Visualidades, v. 14, n. 1, p. 150-171, jan./jun. 2016.
GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2006.
GALINDO, Caetano. Eu e você segundo David Foster Wallace. Revista Piauí, n. 98, nov. 2014. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2018.
GILES, Paul. Sentimental Posthumanism: David Foster Wallace. Twentieth Century Literature, v. 53, n. 3, p. 327-344, 2007.
HOLLAND, Mary K. Succeeding Postmodernism: Language and Humanism in Contemporary American Literature. New York: Bloomsbury, 2013.
KELLY, Adam. David Foster Wallace and the New Sincerity in American Fiction. In: HERING, David (Ed.). Consider David Foster Wallace: Critical Essays. Los Angeles, Austin: Sideshow Media Group Press, 2010, p. 131-146.
KENNY, Glenn. Why The End of the Tour isn't really about my friend David Foster Wallace. The Guardian, Jul. 29, 2015. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2018.
KONSTANTINOU, Lee. No Bull: David Foster Wallace and Postironic Belief. In: COHEN, Samuel; KONSTANTINOU, Lee (Eds.). The Legacy of David Foster Wallace. Iowa: University of Iowa Press, 2012, p. 83-112.
KUNDERA, Milan. A cortina: ensaio em sete partes. São Paulo: Cia. das Letras, 2006.
LIPSKY, David. Although of course you end up becoming yourself. New York: Broadway Books, 2010.
MAX, D. T. The unfinished: David Foster Wallace’s struggle to surpass “Infinite Jest”. The New Yorker, March 9, 2009. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2018.
OLIVEIRA, Juliana Michelli S. A máquina extraviada: a fabricação de mitos no conto de José J. Veiga. In: ALMEIDA, Rogério de.; BECCARI, Marcos. Fluxos Culturais: arte, educação, comunicação e mídias. São Paulo: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2017, p. 216-230.
RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa – Vol. III: o tempo narrado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.
____. Escritos e Conferências II: hermenêutica. São Paulo: Loyola, 2011.
ROACHE, John. Marginalia after Modernism: the case of David Foster Wallace. Tese de Doutorado (Filosofia). Manchester: School of Arts, Languages and Cultures of The University of Manchester, 2015.
WALLACE, David Foster. A supposedly fun thing I'll never do again: Essays and Arguments. New York: Little, Brown and Company, 1997.
____. Oblivion: Stories. New York: Little, Brown and Company, 2004.
____. Breves entrevistas com homens hediondos. São Paulo: Cia. das Letras, 2005.
WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. São Paulo: Tordesilhas, 2014.
ZEITCHIK, Steven. How 'End of the Tour' became a very David Foster Wallace kind of film. Los Angeles Times, Jul. 22, 2015. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2018.

Referência fílmica

O FIM DA TURNÊ (The End of the Tour). Direção: James Ponsoldt. Produção: Modern Man Films, Anonymous Content, Kilburn Media. Estados Unidos, 2015. 106 min.
Publicado
2019-04-26
Como Citar
Beccari, M. (2019). Você acaba se tornando você mesmo?. Revista Criação & Crítica, (23), 121-133. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/criacaoecritica/article/view/150280