"Tarde demais para morrer jovem": Depressão e suicídio na literatura brasileira contemporânea

  • Rodolfo Rorato Londero Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: depressão, suicídio, literatura brasileira contemporânea

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir o problema da depressão e do suicídio depressivo a partir de exemplos da literatura brasileira contemporânea, como os romances Até o dia em que o cão morreu, de Daniel Galera, e Manual da demissão, de Julia Wähmann, e dois poemas de Frederico Barbosa: “Louco no oco sem beiras” e “Desexistir”. Para tanto, além de estabelecer diferenças entre melancolia e depressão, busca-se identificar a depressão como sintoma da sociedade de desempenho e a literatura como forma de abordar e compreender esse sintoma. Destaca-se o papel que o tempo desempenha na formação da experiência depressiva, fazendo dele elemento privilegiado para se aproximar dos exemplos de literatura selecionados e assim aprofundar o debate em questão. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOSA, Frederico. Na lata: poesia reunida, 1978-2013. São Paulo: Iluminuras, 2013.
BATAILLE, Georges. O erotismo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.
BBC BRASIL. Depressão será a doença mais comum do mundo em 2030, diz OMS (2009). Disponível em: . Acesso em: 14 fev. 2018.
BENJAMIN, Walter. O capitalismo como religião. São Paulo: Boitempo, 2013.
CAMUS, Albert. O mito de Sísifo. Rio de Janeiro: Record, 2018.
EHRENBERG, Alain. O culto da performance: da aventura empreendedora à depressão nervosa. Aparecida: Ideias & Letras, 2010.
FOUCAULT, Michel. Doença mental e psicologia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.
GALERA, Daniel. Até o dia em que o cão morreu. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
GALLIAN, Dante. A literatura como remédio: os clássicos e a saúde da alma. São Paulo: Martin Claret, 2017.
GOETHE, Johann Wolfgang. Os sofrimentos do jovem Werther. Porto Alegre: L&PM, 2001.
HAN, Byung-Chul. Agonia do Eros. Petrópolis: Vozes, 2017.
______. Sociedade do cansaço. Petrópolis: Vozes, 2015a.
______. El aroma del tiempo: un ensayo filosófico sobre el arte de demorarse. Barcelona: Herder, 2015b.
HOUELLEBECQ, Michel. Extensão do domínio da luta. Porto Alegre: Sulina, 2015.
KEHL, Maria Rita. O tempo e o cão: a atualidade das depressões. São Paulo: Boitempo, 2015.
KRISTEVA, Julia. Sol negro: depressão e melancolia. Rio de Janeiro: Rocco, 1989.
MERLEAU-PONTY, Maurice. A prosa do mundo. São Paulo: Cosac Naify, 2014.
SOLOMON, Andrew. O demônio do meio-dia: uma anatomia da depressão. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.
SONTAG, Susan. A doença como metáfora. Rio de Janeiro: Graal, 1984.
TEZZA, Cristóvão. Trapo. Rio de Janeiro: Record, 2018.
TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. Rio de Janeiro: DIFEL, 2009.
WÄHMANN, Julia. Manual de demissão. Rio de Janeiro: Record, 2018.
WOLPERT, Lewis. Tristeza maligna: a anatomia da depressão. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
Publicado
2019-04-26
Como Citar
Londero, R. (2019). "Tarde demais para morrer jovem": Depressão e suicídio na literatura brasileira contemporânea. Revista Criação & Crítica, (23), 161-174. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i23p161-174