Sylvia Plath, Cláudia Roquette-Pinto e os limites da escrita: uma poética do autoaniquilamento.

  • Aline Leal Barbosa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Resumo

A partir da análise comparativa da poética de Sylvia Plath e de Claudia Roquette-Pinto, unidas aqui por relação referencial bem como por certo anacronismo, este artigo pretende pensar a construção de uma linguagem que atravessa o tema e a materialidade do corpo, do feminino e da morte. O suicídio, na vida e na poética de Sylvia Plath, serve como chave de análise, ora refutada ora apresentada, para se pensar  essa escrita obscura, realizada numa espécie de “zona de sombra” entre o dizível e o indizível, no contato com as margens da vida, que vai recair sobre os extremos da linguagem. Nomes como Van Gogh, Antonin Artaud, Anne Sexton, Ana Cristina César, entre outros, são também evocados neste artigo como desagregadores de instituições, como a própria linguagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Leal Barbosa, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Mestre em Literatura Cultura e Contemporaneidade com a dissertação "Literatura em Tempos Expressos" e doutora no mesmo curso com a tese "Sob o sol de Hilda Hilst e Georges Bataille".

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó: Argos Editora, 2009.
ARTAUD, A. Van Gogh: o suicidado pela sociedade. 2 ed. Rio de Janeiro: Achiamé, sd.
BATAILLE, Georges. O ânus solar (e outros textos). Trad. Aníbal Fernandes. Lisboa: Assírio e Alvim, 2007.
BRITTO, Paulo Henriques. Claudia Roquette-Pinto. Coleção Ciranda da Poesia. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.
KUMIN, Maxine. "How it was". In: SEXTON, Anne, The Complete Poems of Anne Sexton. Massachusetts: Houghton Mifflin Company Boston, 1981.
MELLO, Heitor Ferraz. Poesia presente: Cláudia Roquette-Pinto, acessado no site: http://www.claudiaroquettepinto.com.br/
MORICONI, Í. Pós-modernismo e volta do sublime na poesia brasileira. In: PEDROSA, C. et al. Poesia hoje. Rio de Janeiro: EdUFF, 1998, p. 11-26.
PEDROSA, Célia. Considerações anacrônicas: lirismo, subjetividade, resistência. In: CAMARGO, Maria Lúcia de Barros; PEDROSA, Célia. (Org.) Poesia e contemporaneidade: leituras do presente. Chapecó: Argos, 2001. p. 7-23.
PLATH, Sylvia. A Redoma de Vidro. Rio de Janeiro: Editora Globo S.A., 1991.
PLATH, Sylvia. Ariel. Campinas: Verus Editora, 2007.
ROBERT, Eliane Robert. O corpo impossível: a decomposição da figura humana: de Lautréamont a Bataille. São Paulo: Iluminuras, 2002.
ROQUETTE-PINTO, Claudia. Os Dias Gagos. Rio de Janeiro: Edição da autora, 1991.
ROQUETTE-PINTO, Claudia. Saxífraga.Rio de Janeiro: Salamandra, 1993.
ROQUETTE-PINTO, Claudia. Zona de Sombra.Rio de Janeiro: 7 Letras, 1997.
ROQUETTE-PINTO, Claudia. Corola.São Paulo: Ateliê Editorial, 2000.
ROQUETTE-PINTO, Claudia. Margem de Manobra. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2005.
ROQUETTE-PINTO, Claudia. Dentro e Fora. In: Sussekind (orgs.) Vozes Femininas,gêneros, mediações e práticas de escrita.
SIMON, Iumna & DANTAS, Vinícius, Consistência de Corola. Novos Estudos CEBRAP85. São Paulo, 2009. Visualizado em: 11/10/2018.
Publicado
2019-04-26
Como Citar
Barbosa, A. (2019). Sylvia Plath, Cláudia Roquette-Pinto e os limites da escrita: uma poética do autoaniquilamento. Revista Criação & Crítica, (23), 89-102. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v23i23p89-102